50

Você tem um jeito de falar, especialmente quando tá empolgado ou achando graça de alguma coisa, falando de música ou de nossos filhos, que você traz desde a juventude. Não sei o nome dessa coisa, mas eu a reconheço diariamente. É como um bilhete de viagem no tempo, um bilhete muito engraçado que me permite voltar ao passado e estar no agora, a uma só vez. É essa coisa sem nome que me faz experimentar de forma tão nítida a sensação de alegria prolongada que tem permeado minha vida. Ela já me salvou muitos dias, já me salvou de muitos dias. Ela faz de você uma pessoa tão boa de ter por perto. 

Gostam de perguntar por aí o que diríamos às nossas versões jovens se pudéssemos voltar no tempo. Eu diria: sim, diga sim. Ao que o meu eu jovem responderia: "Eu sei." Pois é, eu sempre vi. E não há coisa melhor do que confirmar todos os dias a alegria vislumbrada há tanto tempo. 

Hoje você faz 50 anos. Sem festa, em casa, mas com as janelas virtuais abertas para os muitos que gostam tanto de você também. A festa virá, será bom festejar com barulho e conversa, sempre é. Por enquanto, ficamos aqui, exercitando nosso esporte favorito de quarentena infinita: comer o que cozinhamos. Fiz seu bolo de aniversário e sua sobremesa favorita, o pão que você adora. A Amanda fez biscoitos com seu nome. O Arthur inundou a casa de música e alegria (filho de peixe...). Eu queria um presente a altura do que você é em nossas vidas, mas aí é pedir demais. Coitados dos presentes possíveis. 

Senhor Ulisses de 50 anos, não preciso nem pedir. Eu sei. Que você não perderá aquela coisa sem nome. Meu bilhete de alegria.

Feliz aniversário, meu amor.  



2 comentários:

weepingwillow88 disse...

Anônimo disse...

Feliz aniversário para o seu amor, tão lindo o escreveu, felicidades para os dois!
Sílvia

 
©A Estrada Anil - Todos os direitos reservados. Layout por { float: left; }