Como se


Decidi fazer uma festa para comemorar seus 80 anos. Como sei que você gosta de dormir cedo, programei um jantar para as 19h com pratos simples, mas caprichados, e sem bebida alcoólica. A festa é sua. Como sigo sendo a filha rebelde, comprei um vinho para o brinde. Convidei só aquelas pessoas que você sabe quem são e pedi que cheguem cedo para a gente ter bastante tempo para conversar. Seu presente será exatamente aquele que você me pediu, mas também comprei flores, como sempre. A música tocará baixinho para não atrapalhar a conversa, não se preocupe. 

Quando os convidados chegarem, você vai estar radiante. Não vai se aguentar em si de tanta satisfação. Falará dos longos anos, das vitórias e superações. Exibirá orgulhosa filhos e netos. Será tão abraçada e celebrada, meu coração vai dançar. 

Você anunciará o jantar, já vai estar na hora, não pode esfriar. Sentaremos e eu farei um brinde toda emocionada, tiraremos muitas fotos. Mal vejo a hora, que bom que o dia 03 chegou. 

A literatura sempre me salva, você sabe. Bem, isso não é um livro, é só um blog. E essa história nem é um romance, não passa de um post. Porém o que seria do mundo sem um pouco de subversão (ah, vá, você já concordou com isso, rimos até, lembra)? Pois então crio aqui meu 03 de julho de 2020 como se escritora fosse, dona de um mundo todo meu onde sou ama e senhora. Nele você não partiu. Seus olhos brilham mais azuis do que nunca, seu cabelo prateado mantém aquelas ondas que eu amava e sua voz ecoa aqui agorinha mesmo. Seus 80 anos chegaram, é dia de feliz aniversário e eu vou cantar até o bis. 

Na minha história de hoje o mundo está relativamente calmo, podemos abrir as portas para os amigos que amamos, não houve ciclone algum e os planos são tão excitantes que é difícil selecionar o próximo assunto. 

Assim com eu, você sabe que há nos livros aquele momento em que a história nos fisga e nos puxa para dentro das páginas. Às vezes acontece já na primeira frase, ou pode ser necessário um pouco mais de paciência. Quando o momento chega, a grande mágica acontece e já não estamos no sofá, mas em Paris ou Varsóvia; já não é hoje, o século XX voltou ou as catedrais que um dia serão seculares ainda estão sendo erguidas. Então veja, este post me fisgou antes mesmo da primeira palavra, olhe lá, "Decidi". Decidi que vou celebrar seu dia. Talvez eu esteja só na mesa da cozinha falando de você para seus netos, talvez eu esteja varrendo a sacada. Será, ainda assim, um dia de festa, minha festa íntima e mágica que trará você aqui, agora. 

Que bom que você veio. Ainda te amo como se. 
 
©A Estrada Anil - Todos os direitos reservados. Layout por { float: left; }