Ladeiras


Ler Brasil: uma biografia faz com que a melancolia que o país tem me causado nos últimos tempos se acentue. Sinto um misto de pena e desgosto. Estamos, como nação, errados há tanto tempo. Temos nossas janelas de esperança e certamente aprumamos alguns passos de vez em quanto, mas, ah, como são sujos os rastros na nossa estrada. Desde o início, bem no comecinho, somos feitos de submissão, violência e pilhagem. Que acreditemos ou alimentemos esperanças de redenção, olha, é um assombro. Ou talvez o reconhecimento de que não há outra saída. 

***

O que salva mora nas miudezas. E na arte. 

***

Os dias de outono já se mostram. De temperaturas simpáticas e céu azul, são como uma cadeira de balanço na sacada. Eu me sentei e voltei a escrever. Minha personagem me olhou espantada, mal acreditou. E me piscou o olho e me deu sugestões. Selecionei algumas e, gentilmente, ofereci-lhe uma rua de ladeira não muito íngreme, um mistério e um gato. Ela não sabe, mas logo vai perceber que a ladeira é mais inclinada do que lhe pareceu antes. 

***
Nossas ladeiras também. Céus, também. 

0 comentários:

 
©A Estrada Anil - Todos os direitos reservados. Layout por { float: left; }