A cola


Há algumas semanas a tampa da minha bomboniere azul se quebrou. Foi um acidente banal desses que acontecem na cozinha quase todos os dias. Normalmente, eu lamentaria e jogaria a tampa no lixo. Depois ficaria imaginando possíveis usos para o pote sem tampa. Dessa vez, no entanto, guardei os pedaços de vidro azul, comprei cola no mercado, colei com cuidado e torcida e esperei. Depois voltei a pôr a tampa remendada no pote e o guardei, a bomboniere que era sua, em lugar que julguei mais seguro. Uma prateleira acima de onde guardei o pote mora aquela taça muito antiga que você mesma colou, lembra?

Hoje faz oito anos. Minhas lembranças de você me acompanham, ainda converso com sua voz e conto muita coisa, imagino suas reações. Dia 09 de dezembro tem sempre o som de coisa se quebrando dentro de mim. Eu uso a cola que retiro da vida que você me ajudou a ter e tento manter os armários bonitos.

Ainda amo tanto você.
 
©A Estrada Anil - Todos os direitos reservados. Layout por { float: left; }