Sunny winter camping


2018 tem sido um ano de vacas magras no quesito camping. Uma acampada no verão, em janeiro, e nada mais. Mas a paciência é amiga e o planeta não para de girar, e o que não foi possível em outros feriados agora se fez presente. Enchemos o carro de tralhas mais uma vez, compramos comidas inomináveis, enchemos mochilas de casacos e biquínis (a previsão dizia sol e frio, a gente se previne) - e fomos. A previsão se confirmou e tivemos dias gloriosos de um céu absolutamente azul, sem uma nuvem fofinha pra contar a história. As noites foram geladas, e barracas e sacos de dormir provaram que dão conta do recado - houve quem desse uma forcinha dormindo de casaco, detalhes. Passado o feriado, voltamos exaustos num trânsito duzinferno, felizes da vida. Tínhamos bochechas levemente rosadas, canelas levemente raladas, unhas imundas, músculos doloridos, roupas encardidas para todo o sempre, bumbuns achatados da bike e um olho no calendário procurando o próximo feriado. 

Um outro feriado para ir pescar na água gelada do mar catarinense - e não pegar nada, nada, nada, mas quem liga? 


Pra ver o balé das gaivotas.


Pra ver as crianças montando sozinhas a barraca onde os meninos iriam dormir. 


Sucesso!
 Pra descer em bando o morro nas bicicletas envenenadas.


Pra assar sabe-se lá o que na churrasqueira-lareira portátil. (Nossa salvação na primeira noite gelada em que mantas e fogo tornaram possível as muitas risadas sob as estrelas.)


Pra jogar cartas na barraca.


Pra dar as boas vindas à nova mascote, a coisa mais gostosa da vida!


Pra enfrentar o frio nas primeiras horas da manhã e ver o sol nascer na praia; pra ver surgir diante dos nossos olhos o cenário que a Virginia Woolf pintou na maravilhosa abertura de The Waves: 

"Slowly the arm that held the lamp raised it higher and then higher until a broad flame became visible; an arc of fire burnt on the rim of the horizon, and all round it the sea blazed gold."




Obrigada, amiga, pelas fotos!

 Pra olhar as barracas e pensar: que infância, crianças. Que infância. 


***

P.S. da alegria: acampamento de inverno não tem mosquito. \o/

0 comentários:

 
©A Estrada Anil - Todos os direitos reservados. Layout por { float: left; }