Da Vinci


A biografia de Leonardo da Vinci escrita por Walter Isaacson e publicada no Brasil pela Editora Intrínseca, com tradução de André Czarnobai, é uma lindeza. Estou no início do texto, mas já completamente conquistada pela apresentação do livro. Trata-se da biografia base da adaptação para o cinema que terá o outro Leonardo, o DiCaprio, no papel principal (já imagino filmaço). A impressão que tenho no início é de um trabalho robusto, suculento, daqueles livros que abrem a porta para inúmeras outras obras. Vou ler de-va-gar.








***

Como falei lá no Face, botei a Itália  na minha Copa. \o/

Slow


Tenho degustado o inverno a pequenas colheradas. Ainda há muitas gavetas esperando arrumação pós-reforma e cuido delas com um olho na copa, outro no cachorro esparramado no tapete. Aí me esparramo junto e deixo a gaveta pra depois. Não canso de repetir: é tão bom estar de volta.

***

Tenho lido pouco nessas últimas semanas, e é estranho. Minha lista de espera está esperneando, mas entrei numa espécie de calmaria consciente: tudo tem seu tempo. Aguardem-me letrinhas, que nosso caso de amor logo entrará numa efervescência alucinante - ui. A viagem do elefante, do Saramago, narra a lenta odisseia de Solimão, o elefante, de Portugal à Áustria. Vou com ele, no mesmo ritmo. Estamos quase chegando. 

***

Estou enamorada de minha casa. Quem passou por reforma, sabe: ainda bem. Digo que a reforma não transforma só a casa, mas a nós também. Saímos dela loucos ou renovados. E que bom ser inverno, o que já nos convida pro chá encolhidos no sofá.

***




Amanda faz a melhor massagem nos pés. Aqui, ela recebe uma retribuição à altura. Floquinho observa, enciumado. 

Chegou botão, abriu toda linda. 

Conseguem sentir o cheiro?

Home, sweet home


É muito bom estar em casa novamente. A reforma vai chegando ao fim e, apesar dos retoques que ainda estão sendo feitos, já ando pela casa com alegria por ver que as mudanças que planejamos deram certo, que ficamos satisfeitos. Gostei das cores, dos revestimentos, dos móveis, dos degraus, cada porta, trinco, detalhe que foi consertado ou substituído. É verdade que quem olha da calçada ainda não vê muitas cores; com exceção do ipê e das palmeiras na calçada, o verde sumiu. O jardim da frente ainda não existe, é preciso repor a grama, replantar tudo. Dentro de casa, contudo...


As azaleias serão replantadas na floreira perto da janela, do lado de fora da casa, assim que suas flores caírem. Espero que tenham vida longa e renovada por lá depois.



Nem sei por quantas semanas as ciclames vão resistir, mas no momento parecem eternas.



Falando em eternas, hortênsias desidratadas.


Minha cozinha agora tem a melhor janela. Instalamos um passa-pratos no lado externo, para dar uma mãozinha naqueles momentos em que a gente quiser levar comidinhas pra quem estiver curtindo um sol no quintal. Essa era a expectativa. A realidade é um excelente lugar pra encher de plantinhas.






Mosquitinho lover, eu.


Há quadros por pendurar, portões para pintar (ainda), iluminação para instalar; há caixas de livro no chão do escritório esperando uma estante. Móveis ainda por comprar. Tudo dentro do previsto, uma obra nunca acaba, dizem. Fora do script fica o atraso absurdo da loja que me vendeu a cozinha. Primeiro lugar da casa a ser reformado, ainda não foi concluído. Apesar de já estar em pleno funcionamento, tenho móveis sem porta e vários detalhes inacabados. Estou respirando fundo e me preparando para um embate, quem sabe até judicial. No comments.

Reformas na casa, reformas ainda maiores na vida. Essa semana inaugura uma nova fase que, de tão esperada que foi, ainda me espanta. Encerro um ciclo em um emprego que me trouxe muitas alegrias por tabela, mas que me causou crises existenciais imensas por vários anos. Veremos o que virá.

Amanhã é dia 21 e a comemoração de aniversário será ofuscada pelas alegrias outras. Já ouvi falar em inferno astral, mas, ó, faltou aqui. ;-)


 
©A Estrada Anil - Todos os direitos reservados. Layout por { float: left; }