Tea time


Por causa do Kafka hoje pensei em nossa visita a Praga. Lembrei que lá me tornei a louca da máquina fotográfica, um uau atrás do outro. Não importa se uma torre lá no alto, ou se um teto escondido nos confins de um mosteiro: é em Praga, é lindo de ver. Até as gavetas de uma cidade antiga valem muito. Eu gostei dos cantinhos. No castelo, um detalhe; nas ruas, uma esquina mais discreta com aquela vitrine caprichadinha; na lateral da igreja, um vitral; na basílica, um banco velho. Praga é exuberante, mas também brinca de esconde-esconde. Kafka se abrigou por uns tempos num cantinho dentro dos muros do castelo, e a turista boba (eu) visita e pensa, uia, ele escrevia aqui, o moço do inseto. 

Quando viajo tiro fotos e compro canecas. Minha canequinha de Praga também se esconde: se vazia, não nos conta nada; mas é só servir o café que ela abre a cortina. 





Hoje fui de chá. Tomei um gole em homenagem ao moço do inseto, que agora é para mim o moço do processo, e outro em homenagem a mim mesma. Como já anunciam as temperaturas, amanhã o inverno chega. Com ele, meus 45 anos. Sinto-me um pouco como a caneca: quieta, mas capaz de, com um bom chá ou café, revelar uma história boa aqui, outra ali. O tempo não passa somente, ele nos envolve e nos situa. De onde olho agora, a vida me parece uma cidade bonita e antiga: tem umas ladeiras difíceis, umas ruas mais escuras e suspeitas, masmorras até; mas também tem pontes lindas por onde caminho toda boba, o olhar arregalado. Vejo também um monte de saudades. Dos registros que mais gosto atualmente, ficarão o som do piano quando Arthur toca, a voz da Amanda cantando com seu ukulele, Ulisses e eu preparando qualquer coisa juntos na cozinha. De onde olho agora, apesar das curvas loucas do mundo, a vida me parece um dia lindo.



4 comentários:

Luciana Nepomuceno disse...

que metáfora linda, linda, linda. E Praga, né, um sonho, do ladinho de Viena #Amores

Renata Lins disse...

quero demais Praga.
e o moço: descoberto por acaso, numa viagem de trem. o castelo acho que foi o primeiro, depois o processo. não lembro mais. minha amiga isabel, a espanhola, na viagem de trem. eram dela. só li a barata muito tempo depois.
que linda a caneca.

Juliana disse...

Vim desejar feliz aniversário aqui pra tb celebrar que seu blog, q eu tanto adoro, existe e eu possa ler posts bonitos como esse.

toda felicidade do mundo pra você, querida!

Rita disse...

Praga, um dos cantinhos do mundo mais lindos qu já vi.

Ju, flor, obrigada, obrigada. Tão boas suas visitas. :-*

 
©A Estrada Anil - Todos os direitos reservados. Layout por { float: left; }