Praga


Em Praga, ande devagar e observe. Talvez você não fotografe, mas aposto nos suspiros. Talvez você escreva; ou pinte. Ou nada, talvez você só pense em quantas caras e moldes a beleza tem.

Nossa Praga teve torres e tantos outros sinais de poderes de outros tempos - mas a gente vê o que quer, e eu via mãos erguendo tantas formas de arte que não conseguiria contar. Teve um céu bonito, com fins de tarde incríveis. Um rio que embalava o olhar. 

Sabíamos que nosso hotel estava localizado "perto da Ponte Carlos" - o que não sabíamos era o que isso representaria em termos de logística para quem teria apenas dois dias de suspiros. Foi simplesmente perfeito. Dávamos dois passos (lentos, já olhando) e mergulhávamos no mundo velho de Praga. E assim seguimos suas esquinas de olhos abertos.


Da ponte.

Da praça.

Da rua.

Da ladeira. De onde quer que se olhe, o mundo é antigo, grande (vaidoso) e belo.

E não cabe na foto.
  
A Catedral de São Vito enche os olhos quando entramos nas cercanias do Castelo de Praga. É tão grande e tão imponente - e tão linda - que sozinha já valeria a visita.

Por seus vitrais.

Por sua nave gigantesca.

Menos imponente, mas mais cara pra nós, a Basílica de São Jorge, construída no Século X. Ali naquele pequeno púlpito ouvimos um concerto com músicos da Prague Royal Orchestra. Para Ulisses, o ponto alto das férias.

  



Na frente do Castelo, a gente se divertiu com a realeza.

Na entrada, esculturas de tempos não tão amigáveis.


Mais esquinas.


Fugimos um pouco do castelo para ver a Strahov Monastery Library - O Theological Hall...

...e o Philosophical Hall. Não poder chegar mais perto das estantes dá certa aflição. Livros que não podemos tocar. Sempre listada entre as mais lindas bibliotecas do mundo, tem fama merecida.
  
O mosteiro que abriga a biblioteca, visto da saída do castelo.

De novo S. Vito, fundos. Quando saímos do concerto na Basílica, vimos essa cena. Tava frio, mas eu fiquei ali parada, olhando.

Nossa rua.

Mais linda.

Outra esquina; um canto da ponte, na verdade. Uma cidade pra voltar.

***

Praga derruba queixos e impõe respeito há centenas de anos - seu castelo data do século IX. Não creio que alguém fique imune. É olhar e se encantar.

0 comentários:

 
©A Estrada Anil - Todos os direitos reservados. Layout por { float: left; }