Billy


Saudades do Século 20 me deixou com vontade de Billy Wilder. Mesmo com títulos tão familiares ressoando em minha cabeça, terminei a leitura certa de que não tinha visto nenhum daqueles filmes - ou se vi em algum momento lá atrás, o fiz parcialmente, vai saber. Agora ando correndo atrás do prejuízo, (re)descobrindo filmes como o delicioso Se Meu Apartamento Falasse ou Sunset Boulevard, gostando demais desses mergulhos momentâneos no olhar aguçado de Billy (folgada, já me sinto íntima). Conversa vai, conversa vem, uma amiga me emprestou o livro Entretenimento Inteligente - o Cinema de Billy Wilder, escrito por Ana Lucia Andrade e publicado pela editora da UFMG. Hoje terminei a leitura e sigo procurando nos Netflix da vida outros presentinhos do Billy. É engraçado ver Quanto mais quente, melhor e imaginar o frissón que Monroe causava na época com aquelas caras e bocas, aquela voz de convite. 

(Se quiser falar comigo, tô ali nas esquinas em P&B dos anos cinquenta.) 

0 comentários:

 
©A Estrada Anil - Todos os direitos reservados. Layout por { float: left; }