Dez


Cabem muitas coisas em uma década. De certa forma, dez é um número redondo, metido a completo. Quando se passam os primeiros dez anos depois de um evento importante, de alguma maneira ele é relembrado com mais ênfase do que quando se passaram oito ou nove, como se o passado tivesse uma relação especial com o número dez. Dizer "já faz dez anos" é, por alguma razão que inventamos em certo momento de nossa história no mundo, grande, solene, às vezes melancólico ou simplesmente motivo de festa. Alguns exemplos mais graúdos me ocorrem, mas quero é pensar nos miúdos e, por isso mesmo, bons de guardar nos bolsos da lembrança: penso que é bom dizer "já faz dez anos que aprendi a andar de bike" ou "já faz dez anos que aprendi a fazer bolo formigueiro". Esses exemplos não têm a pompa dos tais eventos solenes, mas se parecem mais com o astral da comemoração de hoje, já que você curte bem a bike e adora bolo formigueiro.

Hoje faz dez anos que você nasceu. Era rechonchudo e dorminhoco e tão lindo que eu chorava, meio perdida. Eu quis muito que você viesse, então você já chegou abrindo nossos sorrisos e logo me tornei essa pessoa suspirante que você conhece. Os últimos dez anos, os primeiros de sua vida, foram de tal maneira intensos que (como você bem sabe) fico repetindo para me convencer da surpresa: já se passaram dez anos. Dez! Uma década inteira de você em nossas vidas, seu menino. 

Há algumas palavras candidatas ao pódio da década. Aprendizado é certamente uma delas (falo de você e de quem convive com você). Mas também disputam com grandes chances as palavras carinho, generosidade e alegria; lado a lado com expressões incríveis como "vá já tomar seu banho " e "escove bem os dentes". Em dez anos você foi aos poucos percebendo que errar faz parte do jogo, que nem todo dia faz sol e que não é possível morar dentro de um videogame. Já sabe que às vezes algumas regras são meio xarope, mas que o mundo funciona melhor com elas. Por outro lado, você já percebeu muito bem que a vida às vezes é tão boa que a gente salta e dança, que gargalhar alto é maravilhoso, que o mundo é grande e a vida pode ser uma viagem fantástica. Você me enche de orgulho; até quando pisa na bola, você me enche de orgulho (depois que a raiva passa) pela maneira como reconhece, reflete, aprende e cresce. Você não me enche de orgulho quando faz birra, mas eu também aprendo com elas. A enxergar você com suas pequenas revoltas de menino questionador, suas vontades diferentes da minha, suas ideias fervendo, sua energia puxando seus passos pelo mundo. 

Eu vou contar um segredo repetido: eu adoro seu abraço. Seu abraço espontâneo e forte é um carinho que o mundo me dá. Ele sempre me diz "gosto de você", e me diz isso com sua voz rouquinha, seu olhar esperto, seu jeitinho de pessoa bacana. Isso: você é tão bacana, Arthur. Eu fico tão feliz de ter trazido você pra esse mundo. E, olha, caramba, já faz dez anos!!



Feliz aniversário, meu amor. Seja feliz e siga sempre assim, de braços abertos - a vida é larga, espalhe-se. Te amo eternamente, pode apostar. 



4 comentários:

Luciana Nepomuceno disse...

O meu vai fazer 18 depois de amanhã. Nem sei como colocar em palavras. Fiquei emocionada lendo você (s). parabéns!

Anônimo disse...

Família linda. Parabéns pro Arthur e beijos pra todos.
Felicia

Juliana disse...

Eu me lembro de quando comecei a ler seu blog e arthur era miudinho!!!

Feliz aniversário pra ele!

Luciana M Goulart disse...

Rita, você é uma mãezona! Parabéns pela linda família! Adoro seu blog! Bjs

 
©A Estrada Anil - Todos os direitos reservados. Layout por { float: left; }