Hiatos e janelas


O período eleitoral foi uma espécie de hiato nas minhas leituras literárias. Uma amiga me disse que eu não estava sozinha: à parte as notícias sobre a campanha, o máximo que ela conseguiu ler no mês passado foram best sellers de narrativa plana e enredo dinâmico cuja leitura praticamente deslizasse diante dela. Quanto a mim, deveria ter adiado a leitura de Terra Sonâmbula, do Mia Couto (Cia das Letras), livro que certamente merecia mais do que consegui dar em termos de atenção e apreço. Mas insisti, lendo meia página de vez em quando, sentindo um distanciamento em relação ao livro que talvez não experimentasse em outras épocas. Quando virei a última página hoje, foi como se tivesse lido uma espécie de resumo do livro. Acho que vi as belezas, afinal elas saltam das páginas do Mia, mas sei que poderia ter me aproximado mais da história. Quem sabe um dia eu volte a ele.

***

Iremos ao Nordeste em breve. Eu sei que não é época da canjica de lá, aquela amarelinha temperada com canela, mas não quero nem saber. Nem que eu tenha que visitar todas as padarias por onde passar, hei de matar minha fome. Meus filhos já se assanham para rever os primos, eu já sinto o cheiro da velha casa, já vejo os caminhos dela. É um pouco como voltar pra casa, ainda que de certa forma eu tenha espalhado minha morada pelo mundo. Morar é um negócio engraçado, uma via de duas mãos. 

*** 

Então houve essa gripe teimosa que parecia não querer ir embora. Houve a resistência, não queria remédios. Só me entreguei porque senti tamanho desânimo que a birra ficou menor que a falta de paciência. Duas consultas médicas depois (que somadas não chegam a dez minutos), tenho drágeas de tamanhos variados e um nariz que bem merecia ser trocado. Fazia tempo que não me sentia doente e não havia nenhuma saudade, mas aparentemente meus anticorpos tiraram uma soneca. Em que momento coloquei a consulta com a homeopata no rol das coisas eternamente adiáveis?

***

Minha alma andou gripada as well. Costumo manter a gaveta de mágoas bem trancada, ou pelo menos acredito que seja assim na maior parte do tempo. Daí que num descuido ela se abriu e atacou alergias antigas. Acho que estou dando uma limpeza, mas reconheço que algumas manchas são resistentes demais. Não quero deixar aquela mágoa nova juntar mofo também. Melhor manter a vida arejada, vou tentar abrir mais uma janela.



 
©A Estrada Anil - Todos os direitos reservados. Layout por { float: left; }