O ato político de botar pra dormir


Hoje tive um papo sobre o afeto. Falávamos de mim, mas enquanto eu falava pensava mesmo era em mais gente. Pensava no mundo. Fui falando do meu umbigo e me dando conta de como o afeto é fundamental para a construção daquele mundo melhor que tanto gostamos de idealizar. Vejam que inventei a roda. Pois bem, o afeto, essa novidade velha. Não que eu tenha começado a pensar nisso hoje, mas verbalizar coisas tem o poder de colocá-las em evidência, como bem sabemos. Então hoje fiquei pensando que abraçar é um ato político. Envolver uma criança em um ambiente de afeto e deixar muito claro que ela é merecedora de carinho podem ajudar a formar adultos bem resolvidos e seguros. Pessoas bem resolvidas e seguras tendem a ser pacientes, acho eu. Tendem a saber ouvir e a gostar da troca. Quem gosta de troca tende a gostar de aprender e encontra prazer nas descobertas. E, principalmente, receber beijinhos, cócegas e sussurros de amo você pode fazer com que alguém se torne uma pessoa terna, do tipo que alimenta grandes carinhos. Como o carinho por aquele que não é espelho. Abraçar crianças, quem sabe, pode ajudar no aumento da empatia.

Hoje prolonguei os carinhos na hora do "boa noite, crianças", dei mais cheiros no cangote. Por um mundo melhor.  

3 comentários:

Anônimo disse...

Rita, você está pra lá de certa neste raciocínio, creio eu, ando meio cismada sobre esse assunto e desejo tanto que a humanidade se encontre no olhar do outro, amorosamente!Grande beijo!
Hilda

Angela disse...

sim sim sim sim, sim sim!
e dar castigo e tirar privilegios ao inves de qualquer repreensao fisica? faz com que o bem estar fisico alheio para eles vire sagrado, e qualquer coisa diferente, impensavel. por um mundo melhor.

Claudia Serey Guerrero disse...

Adoro!!! :) como diz Henri.. c'est le meilleur moment de la journée... faz bem demais!

 
©A Estrada Anil - Todos os direitos reservados. Layout por { float: left; }