Vai ter chuva de meteoros


Desde que a minha mãe morreu, em 2010, vira e mexe chegam aquelas notícias que trazem junto a vontade de ligar pra ela. Geralmente essa vontade me veste com um mantinho de melancolia. Em outras vezes, rabisca um sorriso em meus lábios enquanto a imagem fugaz de um papo imaginário com ela dança na minha cabeça.

Na primeira vez que vi Sociedade dos Poetas Mortos em casa (já havia visto no cinema), permaneci sentada no sofá, abraçada às minhas pernas encolhidas, soluçando de tanto chorar enquanto os créditos subiam pela tela. Minha mãe veio me acudir, perguntando se tudo aquilo era por causa do filme ou se havia um motivo maior que justificasse tanto drama. Não havia, e no dia seguinte ela viu o filme comigo, chorei tudo outra vez; no final de semana seguinte a cena se repetiu, e essa virou uma espécie de piada nossa. O tanto que eu chorava com aquele filme, toda vez, ela nem aguentava mais. Os anos se passaram e a cada novo filme com Robin Williams ela comentava, aff, esse homem é a tua cara, só me lembro do chororô. 

Hoje eu ligaria pra ela. E ela diria algo assim:

- Nossa, só imagino como tu num tá triste!

Talvez eu dissesse:

- Ah, eu senti, né. Nem gostava de todo filme dele, mas, pô, que dureza.

O papo seguiria, a gente lembraria dos filmes, ela diria seu favorito, eu falaria qualquer coisa, ela voltaria a falar do Captain, my Captain comigo aos prantos no sofá tubular da sala.

Há um conto do Joyce chamado The Dead. Nele, a lembrança de alguém querido que já morreu tem tal poder sobre a protagonista que no final da história a gente se pergunta a quem o título se refere, afinal. Porque o ente que já se foi segue tocando e mudando a vida da pessoa que ficou aqui. Em certa parte do conto o cenário é lindo, a neve branquinha cobrindo o mundo. Não há neve aqui, mas li que haverá chuva de meteoros logo mais. E os mortos continuam por aqui.

Captain, my Captain. Olha, mãe, quem foi embora hoje. 

4 comentários:

Iara disse...

Que coisa mais linda, Rita. <3

(eu ia falar que você tinha que escrever um livro, mas oh wait, já escreveu e eu comprei pra mim, pra dar de presente, etc, etc)

Claudia Serey Guerrero disse...

Lindo Rita!!! ;)
Ei, sera que lembras da chuva de meteoros na praca do meio do mundo ?

beijinhos... ei finalmente estou com o livro...vou comecar a leitura!!

Rita disse...

Oi, meninas. Beijinhos pra vocês, docinhas. :-)

Oba, Claudia! Espero que goste! E claro que me lembro da nossa chuva de meteoros! Sempre me lembro... Beijos!!

Rita

Fabiana disse...

:')

 
©A Estrada Anil - Todos os direitos reservados. Layout por { float: left; }