Laços


Quando o Natal chegava era bom. Havia a tia com os presentes embalados em papel brilhante, a árvore com bolas azuis e vermelhas, a ceia barulhenta. Foco: havia os presentes embalados. Foi assim por tempo suficiente para plantar na memória um modelo bom de fim de ano. Havia mensagens que alguém lia e alguns ouviam, sorteios, doces e risadas de adultos que deixavam as crianças irem tarde para a cama. 

Quando o Natal chegava era bom. Havia a tia com os presentes, mesmo que a ceia fosse em outro lugar. Mesmo que a árvore tivesse menos bolas, ou que aquele primo que mora longe não pudesse vir. Foi assim por tempo suficiente para ainda sentir a tranquilidade de se reconhecer o final do ano.

Quando o Natal chegava era bom. Sempre se dava um jeito de ir visitar a tia que por tanto tempo havia sediado a troca de presentes e o prato colorido. Ela gostava das visitas e retribuía com um sorriso cansado. Foi assim por tempo suficiente para o Natal ganhar vestes de melancolia, mas só um pouco; havia outra festa logo ali. 

Quando o Natal chega é silêncio. Deve haver ceia e até presentes. Deve ser o final de ano bom para outros. Não para ele, que se lembra e sabe que o laço de cada presente era feito por ela. 


1 comentários:

Murilo S Romeiro disse...

Feliz NAtal pra ti e toda família.
:)

 
©A Estrada Anil - Todos os direitos reservados. Layout por { float: left; }