Inventário das coisas importantes


Inventário: um abraço no pátio pra secar a lágrima, um afago no braço que significa desculpas, um alerta feito de carinho, ainda que seja um carinho medroso; um sanduíche com mais geleia para abrir sorrisos, uma ajudinha na escovação dos dentes para relembrar uns dias; um presentinho de surpresa, cócegas no lugar do beijo, filme agarradinhos no sofá; uma bala a mais, um banho a menos, pode, sim; colar figurinhas, adiar a tarefa, cafuné; ouvir a mesma piada, a mesma história mil vezes; ler o mesmo gibi; achar o brinquedo embaixo do sofá, comer castanhas antes do almoço, ficar muito bravo; não querer cortar as unhas; desistir do quebra-cabeças, perder o casaco, perder o squeeze, perder o tubo de cola, perder o lápis, botar o dedo na boca; esquecer o lanche na mochila, perder o bilhete, esquecer o recado, não querer ir, falar "deixa eu falar"; nunca mais parar de falar; água antes de dormir, luz acesa, chinelos de cores diferentes; ovos mexidos, suco de cajá com acerola.

Que eu nunca, nunca me esqueça.

***

O melhor de tomar vinho com os amigos: planejar vinho com os amigos.

***

Tenho amigas grávidas. Uma planejou tanto, que já havia desistido. Outra tomou um susto. Ambas encararam o desafio de ter mais um filho. Diante da avalanche que isso representa para cada uma delas, foco no que importa e penso nos pés gordinhos que vou morder. Nham!

***

Escolhemos os planos e nos empolgamos feito criança. Aí investimos e saímos por aí preenchendo as lacunas que criamos. Dizemos: hum, preciso disso. À medida que o tempo passa, modificamos os planos e abandonamos algumas lacunas, assim mesmo, em branco. A vida é, em certa medida, um álbum de figurinhas abandonado porque a banca parou de vender os envelopinhos; ou porque os envelopinhos não nos interessam mais. E tudo bem.

***

Pedi desculpas ao meu filho porque achei que tinha errado a dose. E ele, generoso, ofereceu um abraço que foi como uma aurora de verão, pé na areia: morno, colorido, cheio de boas expectativas. Amar um filho pode ser como carregar o verão no peito. Uma linha bonita no meu diário.



2 comentários:

simplesmentefluir disse...

Certamente Rita, são os pequenos detalhes que fazem a vida valer a pena e você tem o dom desse olhar que capta a essência! Grande abraço!

Luciana Nepomuceno disse...

Pedir desculpas <3

 
©A Estrada Anil - Todos os direitos reservados. Layout por { float: left; }