Pra fazer feliz


Minha filha foi dormir bem triste esta noite. Estava arrasada porque o passeio com a turma da escola durou apenas um dia. Ela queria mais, queria ter dormido no hotel mais uma noite, fazer outra festa do pijama, brincar com os amigos por mais tempo. Eu suspirei e tentei explicar que, olha, a gente nem tá de férias, que tal celebrar o fato de que conseguimos fugir por um dia no final de semana e se lembrar das brincadeiras com alegria, ao invés de ficar lamentando... aí parei. Parei porque vi seu olharzinho de menina de cinco anos, vivendo seu final de semana especial com muita emoção e pouca ponderação, como tem de ser em sua idade. E tentei corrigir minha própria visão, em vez de agir como se houvesse algo de errado no que ela estava sentindo. Tentei me colocar no lugar dela e entender que ontem foi uma noite incrível e diferente, que ela nunca antes havia viajado com a turma e que, no mundo dela, esse foi mesmo um evento digno de deixar saudades doloridas naquele coraçãozinho. E aí fiquei com ela um pouco, deitada em sua cama, brincando com seus cachinhos e simplesmente fazendo companhia. Eu sei que não tive o poder de substituir a presença das amigas e que devo ter dito coisas que não ajudaram muito a aplacar a saudade. Tudo que pude garantir é que ela encontrará todo mundo amanhã na escola e que todos poderão falar um monte sobre o final de semana. Disse que isso é uma coisa legal, que quando falamos sobre algo bacana é como se pudéssemos viver um pouquinho aquilo de novo. Não sei se funcionou como eu gostaria, mas ainda arranquei um sorrisinho antes de dar dez beijinhos de boa noite.

É engraçado. Nós aceitamos o convite para o final de semana pensando nela e no irmão, em como eles curtiriam e adorariam essa escapadela. Não imaginei que no final do período colocaria na cama uma menina tristonha e com olhinhos molhados. 

*** 

Passarinho fotografado por ela no início do passeio.

Amanda costuma dizer que, quando crescer, vai vender as fotos que faz. Sobre as últimas fotos, ela hoje me informou:

- Mãe, eu não quero ganhar dinheiro. Vais ser baratinho. Só quero deixar as pessoas felizes. 
- :-)

3 comentários:

Angela disse...

Tudo lindo. All around.

Luciana Nepomuceno disse...

Ah,deixar sentir, como é duro, né? E que lindo que é ver, pelas suas palavras, tudo isso. Bjs

Anônimo disse...

Realmente lindo!

 
©A Estrada Anil - Todos os direitos reservados. Layout por { float: left; }