Pede cachimbo


O calor como despertador que nos faz esticar o braço em busca do controle do ar condicionado; passarinhos voando alto no céu sem nuvens, gritando que a manhã já ia longe; os cachorros sujando o jardim, a mangueira, o besouro tonto, o bebê do vizinho na calçada, o café tarde sem bolo, mas com suco de laranjas doces espremidas na hora; os dedos perdidos no piano e a melodia tão linda merecia uma execução melhor, mas é o que temos pra hoje; os filhos espalhando todos os brinquedos da casa em todos os cômodos da casa; o balanço, o almoço, a massa que não combina com carne de siri; a passagem comprada pelo computador, a música da banda na cabeça; o livro cada vez mais pesado, os olhos cada vez mais pesados, o cochilo, o calor; o bolo que cresceu demais, o jogo de tabuleiro, o vinho esquecido, o café em seu lugar; a purpurina espalhada no tapete, o cachorro comendo o tapete novo, a dor nas costas; o filme lindo que vi há muito tempo de novo na TV, mas é tão triste; o blog sem post, os e-mails que vou ler depois, o celular esquecido; o calendário; o beijo de boa noite, os gibis lidos na cama; ele e ela, tão grandes já; um convite, um livro que voltou, um bebê que vai nascer; um domingo sem telefonemas para minha mãe, mais um; uns planos; um dia tão simples, tão comum, tão azul e verde. Juntos, nós. E apesar dos vazios entre as estrofes ou do título que poderia ser melhor, eu acho que tudo se encaixa, como em um poema que a gente gosta de reler.

7 comentários:

Unknown disse...

Passagem pra onde? (ass: a insensível objetiva)

Rita disse...

Hahahaha!

Para SP. Show do Cure. \o/

Fabiana disse...

Rita, você deve conhecer, mas não custa checar. Lembrei dos seus posts sobre a publicidade voltada para crianças ao assistir a este documentário. Dá até pra baixar.

http://www.muitoalemdopeso.com.br/index.html

Beijo!

Juliana disse...

não seria pé de cachimbo? =p

o grande dilema da humanidade.

Rita disse...

Fabiana, já vi, sim. Na verdade, ainda não vi todo o documentário, parei um pouco depois da metade porque precisava sair e acabei não retomando. Mas meu marido viu todo e é mesmo preocupante, né. Nem só pela obesidade - até porque nem toda pessoa gorda tem problemas de saúde - mas pela quantidade absurda de açúcar, gordura e químicos suspeitos que consumimos. Obrigada pela dica, mesmo assim.

Juliana, prestenção, hahahaha. Cachimbo não dá em pé e o domingo pede cachimbo, descanso, sombra e água fresca. Se pode ser pé de cachimbo? Pode, pode tudo, tá liberado. Mas eu acho que é pede de pedir mesmo. Ah, whatever, né?

Beijos!

vera maria de queiroz costa disse...

Eu havia escrito pelo tablet, esse impostor de frases, um comentário simples sobre seu post. Era assim: você já é uma grande e belíssima escritora, seus textos são muito bons, fazem um bem enorme lê-los.
beijo,
vera

vera maria de queiroz costa disse...

Muito triste ver esse descuido imenso cometido por essa escriba em seu blog, e em resposta a um post tão lindo. Sorry for that.

Errata: "seus textos são muito bons, fazem um bem enorme a quem os lê". Ponto.
beijo, vera

 
©A Estrada Anil - Todos os direitos reservados. Layout por { float: left; }