O primeiro bolo da minha filha


Minha filha de cinco anos adora me ajudar na cozinha e quase sempre há o dedinho dela nos bolos que faço. Há sempre o dedinho dela na massa crua do bolo, também, claro, especialmente se for de chocolate. Há semanas ela me pedia para fazer um bolo só dela e hoje foi o dia de sua estreia. Escolhi uma receita bem simples - junta todos os ingredientes, bate, assa, pronto - pus os aventais em nós duas e fui com ela para a cozinha mais uma vez.

Minha função era ligar o forno, ajudar a espalhar a farinha de trigo na hora de untar a forma, ligar a batedeira e dar uma forcinha na hora de pesar os ingredientes. Ela se apoderou da receita, leu direitinho o que precisava usar e só derramou um tiquinho de farinha. A maior alegria foi quebrar os ovos com o garfinho, tic tic na casca que "nem corta o dedo, né?". Também precisou de ajuda para encaixar os batedores da batedeira e para raspar as laterais da tigela com a espátula de silicone (a ideia é aproveitar a farinha que gruda ali, mas ela mais lambrecava do que limpava e aí dei uma ajudinha). Ela se sentiu muito importante cada vez que perguntei "e agora, o que vai?" e sempre conferiu direitinho a receita antes de me informar.

Depois de pronta a massa, também me encarreguei de transferi-la para a forma untada, por causa do peso da tigela. Mas aí ela nem se importou e também não deu a mínima aos meus comentários sobre o tempo de forno, porque, a essas alturas, já estava lambendo a espátula.

O bolo cresceu, ficou lindo e muito gostoso - tirar do forno, claro, foi  minha função também. Depois do almoço, ela, o irmão, meu marido e eu, todos saímos de casa com uma fatia, seja na bolsa, num potinho ou numa lancheira. Foi a primeira vez que optamos por usar chocolate com menos açúcar e mais cacau para a receita desse bolo; acho que foi uma boa mudança, ele ficou mais leve e saboroso.

(Foto meia-boca tirada com o celular às pressas porque já estava na hora de almoçar e sair correndo.)

Apesar de eu ter tido meus momentos na cozinha quando criança, algo se perdeu depois e demorei um pouco até redescobrir como cozinhar pode ser tão prazeroso. Tomara que Amanda cultive esse gostinho pelas colheres e panelas ao longo de sua vida. Parabéns, florzinha. 

O Arthur, que também já me ajudou diversas vezes na cozinha, será o próximo a fazer um bolo pra chamar de seu. Aguardemos.



7 comentários:

Luciana Nepomuceno disse...

Eu lembro do primeiro bolo do Samuel. Quer dizer, lembro de comer, porque ele fez com a avó, eu trabalhava os 3 expedientes, cheguei pra buscá-lo (porque eu insistia em morar em outra, #aloka) lá estava o bolo (já partido, claro) e ele adormecido do lado.

Luciana Nepomuceno disse...

E o comentário foi sem eu completar que adorei o post e admiro demais a dinâmica de vocês.

Patricia Scarpin disse...

Que post gostoso, Rita - com o perdão do trocadilho pobrinho. :)
O bolo está lindo, que cara de fofinho! Deu vontade de roubar um pedacinho pro meu lanche da manhã (vou ter que me contentar com bolacha cream cracker, o horror, o horror).
Que coisa boa você incutir nos seus filhos esse amor pela cozinha. Acho tão importante e empoderador.
Beijo pra vcs duas.

Angela disse...

Parabens Amandinha! Quisera eu experimentar um pedacinho. Beijos na boneca!

Lílian disse...

Vou telefonar para ela, né? #COISALINDADATIA

K disse...

Valon aprendeu e vive fazendo cup cakes com o kit que ganhou de aniversario. Faz também a torta de maçãs que até então somente o pai sabia fazer. Mas ela ja tem 13 anos. Parabéns para a Amanda!

Anônimo disse...

Parabéns Amandinha!!! Manda a receita por favor! Beijos,
Ju e Raquel

 
©A Estrada Anil - Todos os direitos reservados. Layout por { float: left; }