Allegro


Recebi ontem o primeiro lote da coleção Música Clássica para Crianças (ed. Folha), com os primeiros cinco volumes: Mozart, Bizet, Vivaldi, Bach e Beethoven. Minha professora de piano me mostrou um dos livros e fiquei com vontade, achei que fosse uma boa forma de apresentar aos pequenos parte da vida e da obra de alguns nomes do mundo da música. Eles receberam o presente com grata surpresa, reviraram os livros e disputaram qual CD ouviriam primeiro (cada volume vem com um CD com várias peças, ou fragmentos delas, compostas pelo músico da vez).

A apresentação dos livros é bem atraente, eles adoraram. As histórias são curtas e trazem pequenas informações sobre cada compositor (eu esperava mais nesse aspecto, na verdade) e são seguidas por atividades e sugestões de brincadeiras envolvendo as faixas dos CDs ("faça o desenho mais lindo do mundo ao som da sonata tal", óin). As pequenas histórias são recheadas de informações que as crianças, acredito, acham mesmo muito relevantes, como o fato de que Mozart era famoso também por sua gargalhada - e aí, claro, lembrei-me do furor causado pelo filme Amadeus, nos anos 80, vencedor de uma penca de prêmios Oscar e que, para minha geração, imortalizou a risada do ator Tom Hulce na pele de Mozart. Amanda já se encarregou de pintar uma enfeitada Carmen e o piano de Beethoven, enquanto Arthur ficou se perguntando porque tanta gente queira morar em Viena. 


O fio condutor são os irmãos Dó e Mi que viajam no tempo e no espaço, visitando as terras onde viveram as crianças que mais tarde se tornariam grande nomes da música vida afora. Em um dos livros, por exemplo, eles se escondem no quarto dos irmãos Bach para ver como Sebastian acordava de madrugada para copiar as partituras que seu irmão não lhe emprestava. (Mas que praga esse irmão do Bach, não?)

Quando eu era criança não havia discos de música clássica em minha casa e meu contato com ela se resumiu, por muitos anos, a um programa de rádio nas manhãs de domingo, Clássicos Eternos. Durava uma hora, cada programa dedicado a um compositor. O apresentador fazia uma breve introdução sobre vida e obra do escolhido, anunciava as peças que seriam apresentadas naquele dia e mandava ver. Não havia intervalos, o que era uma bênção, e minha torcida era para que o compositor do dia fosse alguém "conhecido". Os dias de Vivaldi e Bach eram os mais festejados, outros eu ouvia mais embalada que curiosa e a outros eu torcia o nariz. Só muito mais tarde comprei meus primeiros CDs, vi alguns concertos, lamentei saber tão pouco sobre algo tão lindo e que me arranca tantos suspiros. Espero que meus filhotes se esbaldem bem mais que eu. E, claro, vou junto, que não sou boba e já surrupiei o CD do Bach pra ouvir no carro. Continua meu favorito, by the way.


3 comentários:

Ana Claudia disse...

Rita, acho que dividimos o mesmo amor por Bach! Meu favorito, de longe! No canal da Disney Jr aqui nos EUA, passa um desenho bem interessante, chamado Little Einsteins. Cada episódio se desenrola em cima de uma peça de música clássica e uma obra de arte. Não sei se tem na Disney Jr Brasil...

Anônimo disse...

Oie! Meus preferidos são Bach e Beethoven... também fui apresentada a música clássica após a infância. Adoro!!!
VOu comprar esse coleção para Raquelzinha (agora que ela disse que nao quer mais ser pescadora e sim pianista...). Foi na net? Qual site?
Beijos,
Ju

Anônimo disse...

Comprei!!!
Ju

 
©A Estrada Anil - Todos os direitos reservados. Layout por { float: left; }