Beauty is everywhere




Ontem à noite assistimos a parte de um documentário sobre mariposas e borboletas. Nos detalhes captados pelas câmeras de alta definição estavam os inacreditáveis disfarces, a voracidade das lagartas, asas incrivelmente coloridas, os balés de imensos grupos de borboletas tão lindas que nos causavam espanto, troncos de árvores e paredões de pedra cobertos por milhares de asas bordadas, crisálidas transparentes como gotas d'água, o formidável mundo dos minúsculos, tudo tudo tudo absolutamente encantador. Logo em seguida trocamos de canal e vimos um dos muitos programas da série "encante-se com o universo você também". Deve ter sido o décimo programa que vimos desse tipo, Ulisses e eu, mas lá estávamos nós de novo achando graça de algumas hipóteses que os cientistas adotam  que mais nos parecem algo na linha "na falta de uma explicação melhor vai essa mesmo". No entanto, cada comentário "que viagem" é logo seguido de um "vai saber, né". Porque lado a lado com hipóteses que nossa Ciência ainda está longe de comprovar estão constatações de coisas tão incríveis que a gente pensa mesmo que qualquer absurdo tá valendo. Os planetas gigantes sem superfície sólida, o escudo de Júpiter protegendo o equilíbrio de nosso sistema contra asteróides que  nos destruiriam sem dó, as explosões assombrosas que iluminam o espaço infinito, tudo tudo tudo absolutamente encantador. Já escrevi essa frase antes, né. Mas é por aí mesmo.




Hoje de manhã um pássaro rondou o bebedouro de passarinhos da Amanda, certamente curtindo os dois graus a mais no termômetro. Depois de vários dias de chuva o sol veio. Impossível olhar para o colorido da rua e não pensar na grandeza do sistema solar que eu tinha visto em tantos ângulos lindos na noite passada. No final da tarde precisei sair de casa e enquanto dirigia na via rápida próxima à minha casa fui me encantando com o mato colorido pelos reflexos do sol que já se despedia. Uma tela pronta para algum pintor de plantão; eu via e pensava nas angulações da Terra em relação ao sol que nos proporcionam tamanha lindeza. Nosso planeta pode ser descrito como uma bola de pedra girando no espaço, mas as tramas de cores que vi hoje à tarde, assim como as cores das asas das borboletas  na TV ontem à noite, são matéria-prima do mesmo encantamento que deve motivar os astrônomos. A luz do sol na asa da borboleta. Ou a poeira colorida dos anéis de Saturno. Dona Beleza, sempre a postos. Meu queixo cai, toda vez. Toda vez. E acho tão bom que seja assim.

0 comentários:

 
©A Estrada Anil - Todos os direitos reservados. Layout por { float: left; }