Amor-perfeito


A casa amanheceu com cheiro de pão. Francês, da maquininha, que o marido disse parecer mesmo com os da França. O mel cristalizado foi derretido em banho-maria. O café foi repetido porque a caneca aquece as mãos. O cachorro maior foi para a casinha, o pequeno ficou na cama. Cada um escolheu uma atividade sedentária que não exigisse o nariz fora de casa e a manhã passou assim. Li e me encolhi. Saímos para almoçar e passar frio enquanto esperávamos vaga no restaurante. A espera valeu os lábios rachados e comemos tanto que pensei que fôssemos todos explodir em conjunto. Vinho e sobremesa. Arthur foi para a casa do amigo e fomos com Amanda comprar terra e sementes. Ela pediu um daqueles penduricalhos para atrair passarinhos. Nossa casa agora tem um penduricalho cor-de-rosa na varanda. Pode não atrair passarinhos, mas certamente vai atrair olhares. Estou pensando em colocar um aviso: "cuidado com a abelha". Amanda queria sementes de amor-perfeito. Vai plantá-las amanhã. A moça da loja nos ensinou a recuperar a orquídea, deu dicas sobre a planta da sala e a outra do vaso lá de trás. Faremos transplantes de flores. À medida que o dia ia tirando graus no termômetro, fui acrescentando camadas de roupa. Tenho planos que visto como se fossem blusas e também me aquecem. Quero ver um filme tomando chá. Escrever um livro de memórias alheias. Quero viajar e, como disse a uma amiga hoje (falando dela, mas agora de mim), colocar minhas raízes em um vaso que eu possa levar a qualquer lugar. E elas podem sustentar plantas que se pareçam com as da minha menina: raízes de amor-perfeito. Acho um plano bom. 




3 comentários:

Daniela disse...

"colocar minhas raízes em um vaso que eu possa levar a qualquer lugar"

:-))))))

Silvia disse...

Olá Rita!!
gosto tanto de ler aquilo que escreve!! Lindo!!
Enquanto eu aqui em Portugal estou a ferver de calor porque está quase 40º graus, por aí bate-se os dentes de frio!! Beijinhos grandes!!!

Amanda disse...

Tão poética, essa Rita! Depois passa as dicas de como cuidar das raízes, quero dizer, das plantinhas.

 
©A Estrada Anil - Todos os direitos reservados. Layout por { float: left; }