O melhor para poder crescer


Sempre que junho chega é a mesma coisa: fico aqui me lembrando das canjicas que comia na época em que morava na Paraíba. A canjica amarelinha, servida com canela, que tomava praticamente um dia inteiro de trabalheira na cozinha e não mais que três ou quatro para ser devorada nos cafés da manhã e da tarde, nos jantares do inverno a 22 graus e olhe lá. Aqui em Floripa chamam de canjica o que para mim era munguzá, uma espécie de papa branca feita sem que o milho seja moído, com caroços inteirinhos. Nunca tinha comido por aqui, mas também comia na infância, minha tia Maria fazia pra mim. Falamos disso no sábado e ontem minha amiga me trouxe um pote de canjica/munguzá. Engraçado como nossas lembranças afetivas se sacodem diante de aromas e sabores "antigos". Foi comer o munguzá e me ver de novo de uniforme da escola na casa da minha tia. Valeu, querida.  

O munguzá encerrou o final de semana de comilança quase descontrolada. No frio, comemos. Na noite de sexta-feira fomos a casa de amigos saborear um jantar grego. Eu adoraria ter memorizado o nome do prato delicioso que comi, mas minha memória é uma lástima. Não gravei o nome, mas devorei dois pratos da iguaria feita com batata, berinjela e sei lá mais o quê. Dos deuses. Gregos. Todos eles.

No sábado meu marido resolveu descobrir os segredos dos cortes de carne. Isso mesmo aí que vocês leram. Foi com o amigo ao mercado, comprou um corte enorme de carne vermelha (vegetarianos, leiam outros posts, porque esse é intragável para vocês) e trouxe aquilo para nossa cozinha. Munidos de facas e facões, os dois separaram alcatra de maminha, filé de coxão duro, picanha de não sei mais o quê. Tudo para aprender a reconhecer melhor as partes do boi (tadinho) e não comprar gato por lebre. Pois bem, cada um com suas manias, tem gosto pra tudo nesse mundo e há quem se divirta aprendendo a identificar o tal "bife do açougueiro" -  o melhor bife, o crème de la crème da carne bovina (um pedacinho de nada da melhor carne que, reza a lenda, os açougueiros não vendem pra ninguém - sei). Não mudou minha vida, mas o tal bife do açougueiro é bem bom mesmo. Eu, que não morro de amores por carne, olhava e via dois marmanjos cortando carne, só. Mas eles juram que descobriram coisas incríveis. 

Mas as aventuras sanguinárias de meu marido no final de semana estavam só começando, porque no domingo, senhoras e senhores, ele desossou um frango. De novo minha cozinha virou banca de bicho morto e lá foram marido e amigo retirar os ossos do frango sem destruir o bicho. Sem ossos, a pobre ave foi costurada e recheada com arroz com brócolis e, olha... Eu já tinha comido o tal frango recheado na casa de nosso amigo, mas admito que foi "bonito" ver os dois preparando o troço. O resultado é delicioso.

Lindo, não? :-)
 
Hummm, nham!

Outros amigos vieram e fizeram saladas lindas, a amiga do munguzá fez a melhor maionese caseira da década e, para não me sentir muito exploradora, fiz um bolo e passei um café.

Dizem por aí que fez frio, mas minha casa estava bem quentinha.       


10 comentários:

Silvia disse...

Que bom Rita!! que bom ter amigos que nos dão aconchego e alegria!!

Juliana disse...

olha, eu nunca entendi o que é munguzá. acabei de entender. Aqui em casa teve canjica/ munguzá nesse fim de semana. agora, preciso aprender o que é canjica amarela! =)

caso.me.esqueçam disse...

gosto de carne, mas vendo a coisa assim, preferi as comidinhas de milho - que, alias, tou aproveitando MUITO :D

Felicia disse...

Seria o prato grego uma "moussaka"?

Dária disse...

Não gosto de mugunzá. E também não gosto muito de canjica. Meu são joão sempre foi milho verde cozido, com muito sal e manteiga da terra por cima... uma melequeira gordurosa deliciosa rss

- aventureiro teu marido. Aqui em casa qualquer frango é comprado só o peito, ó filé, sem osso. Ninguem da família nasceu com vocação pra ficar cortando carnes não rs

Deh disse...

Aaaain, vc comeu moussaka??

<3

Anônimo disse...

Não gosto de ver as carnes cruas. Prefiro a segunda foto do frango.
E quando chega junho lembro das canjicas que comi no seu aniversário em Esperança, acompanhadas de boa conversa e muitas risadas. Tens fotos???
Abraço forte,
Ju

Pedagogos: Leandro,Thamara, Sandro, Aurea, Claudia, Debora & Eliseu. disse...

Oi queridas, Somos um grupo de sete estudantes da UERJ e estamos construindo um blog para falar de gênero, diversidade e defender outros direitos que devião mas não estão assegurados, gostariamos que comentassem sobre e nos ajudassem a construi tal espaço: http://equaleoxdaquestao.blogspot.com.br/
nosso email: qualeoxdaquestao@gmail.com
Respeitosamente,

Pedagogos: Leandro,Thamara, Sandro, Aurea, Claudia, Debora & Eliseu.

Maite disse...

Hmmmmm!
Que delicia esse post!
Me deu uma foooome...

Concordo com a galera que disse que o prato grego deve ser uma moussaka! Adoro!!!

Um beijo em vcs, seus gulosos!
Nham!

Rita disse...

Moussaka, esse é o nome do prato grego. o/

 
©A Estrada Anil - Todos os direitos reservados. Layout por { float: left; }