O homem de mar



Um dia conheci um pescador que me contou de como era preciso arrastar seu barco para a areia todos os dias. Disse que onde morava e trabalhava não era possível ancorar os barcos. O homem de pele queimada e enrugada trazia seu barco de volta para a areia há quarenta anos. Com receio de interromper sua narrativa, que era mansa e sem ondas, perguntei se ele vivia só da pesca e que tipo de peixe ele pescava. Ele então me contou, com sua voz calma de maré baixa, que seu peixe era a tainha e que as coisas tendiam a melhorar por causa da retirada da pesca industrial de sua região. E me explicou que nos piores tempos seu único filho tinha ido embora porque não via futuro na atividade do pai. As tainhas estavam sumindo e entendi que, no retorno à praia, um barco vazio pesa mais que um barco abarrotado de peixes. Nossa conversa foi curta e não houve tempo para eu ouvir o que mais queria, relatos da pesca em si, da solidão dele lá no mar, da solidão dele na decisão do filho. Ou talvez não houvesse solidão, mas eu queria que ele tivesse me falado sobre isso. Queria que, além da praia, ele falasse do mar, o mar que ele trazia no olhar. Mas não houve tempo e fiquei só com a sede das conversas, das conversas de pescador. Nunca em minha vida vi olhos tão azuis e tão grandes. Duas enormes e profundas íris azuis. O homem caminhava devagar. Andava por aí como quem arrasta o barco e olhava azul, imenso. Era um homem feito de mar.

3 comentários:

Luciana Nepomuceno disse...

Eu amo o rubro, mas azul tem sido uma cor que me acompanha e comove. Lindo texto. Trabalhei uns tempos em aldeias de pescadores e sempre buscava acompanhar o momento de saída e chegada das jangadas (eram jangadas e não barcos, no meu mar) e a prática solidária de arrastar a jangada terra a dentro via tocos de coqueiro. Era um balé inspirador.

beijinho com saudade

Cristiane Rangel disse...

O mar é inpirador para quem sabe apreciá-lo. Invejo os pescadores pq eles vivem o mar como mais ninguém. Há poesia nisso, há sentimento. Já sonhei muito em viver assim, perto do mar. Quem sabe? Vc falou de olhos azuis.. conheço uma menina que tem lindos e grandes olhos azuis. Esta menina é a minha, cujos olhos diariamente me levam pro mar. Ou seja, eu vivo mesmo perto do mar.

Beijos querida.

Clara Lopez disse...

Texto preciso, poético, tocante - perfeito.
abraço,
clara

 
©A Estrada Anil - Todos os direitos reservados. Layout por { float: left; }