Blogagem coletiva em repúdio ao caso de estupros e assassinatos em Queimadas/PB



Comecei a escrever sobre o caso do estupro coletivo e do duplo assassinato em Queimadas/PB três vezes. Em todas desisti por não saber exatamente o que dizer. Não sei me expressar muito bem sobre esse caso. O misto de indignação, nojo, medo, revolta e embasbacamento é algo que não sei nomear. Causa-me muito espanto a quantidade de gente envolvida na história, a premeditação detalhada. Causa-me profunda revolta pensar que várias mulheres foram ofertadas como carne numa banca para satisfazer os desvarios de um bando. A absoluta falta de noção do que vale a vida de alguém. A certeza que os estupradores e assassinos têm de que mulheres são seres de segunda categoria. 



E de novo me calo.

(Não sei continuar esse texto. Ainda inconformada com os crimes hediondos em Queimadas, li, perplexa, a notícia da garota de 12 anos violentada dentro de um ônibus no Rio de Janeiro. Uma menina em seu uniforme escolar.) 

No site das blogueiras feministas (ah, essas mulheres que insistem em dizer que ainda há necessidade de se difundir um discurso feminista, em que mundo vivem, não é mesmo? #ironia) você pode encontrar a lista dos posts que compõem a blogagem coletiva sobre o caso de Queimadas. Destaco o ótimo texto da Luciana, lembrando-nos de que ter uma história de horror para contar não precisa ser pré-requisito para a condição feminina; e também o lúcido  post da Renata Correa, focando na perversa relação entre a lógica da propriedade e a violência contra mulheres.

***

O Carnaval chegou. E me pego desejando quietinha que mulheres Brasil afora possam brincar, dançar, beber e se exibir o quanto quiserem. Em segurança.




5 comentários:

Daiane Santo disse...

Rita, seu blog é realmente maravilhoso e sua escrita encantadora! Parabéns pelos textos! Também sou uma admiradora profunda de Jane Austen.

Até mais...

Angela disse...

Hoje a noite li, ouvi e vi coisas das mais terriveis. Minha mente nao consegue alcancar essa completa falta de nocao do milagre que eh cada vida. Assim como voce, comento pouco, mas sinto muito.

Dária disse...

Meu texto foi como o seu acho... um texto de quem não consegue mais falar tanto do assunto, porque dói. Foi uma das histórias mais horripilantes que já li.

Minha participação:
http://menestrelinventa.wordpress.com/2012/02/18/blogagem-coletiva-caso-do-estupro-coletivo-em-queimadas/

Patricia Scarpin disse...

Queria tanto que a minha irmã vivesse em um mundo seguro. Olha, vejo essas coisas e me dá uma tristeza tão grande no peito, e uma revolta colossal ao mesmo tempo, vontade de metralhar esses caras - sei que violência gera violência mas é difícil não sentir vontade de matar um cara que faz isso.
Minha boa-vontade com o ser humano diminui a cada dia.

Travis Smith disse...


There's certainly a lot to learn about this issue. I really like all the points you have made. capital one card login in

 
©A Estrada Anil - Todos os direitos reservados. Layout por { float: left; }