Traçadas linhas


Fomos à papelaria renovar o estoque de tintas e papel. Arthur pediu para comprar um diário, "pra escrever como foi meu dia, o que aconteceu de bom".

Arthur me pediu um diário. :-) Eu dei.

E imaginei o seguinte diálogo com a minha mãe (porque hoje eu teria ligado pra ela):

- Mãe, adivinha o que o Arthur me pediu hoje?
- O quê?
- Um diário...
- Mas uma coisa dessas!! (seria exatamente o que ela diria)
- Eu dei.
- Ah, minha nossa senhora, que coisa engraçada... (ela diria isso também) Tá bom, depois você me conta o que ele escreveu nele.
- Oi? Como assim? Como eu vou saber o que ele vai escrever no diário dele, hein, mãe? Hein, Dona Bernadete?
- Hahahaha. Tá chovendo aí?
- A-hã! Eu sabia! Hahahaha!!
- Para, deixa de ser boba. Fala, tá chovendo?

2 comentários:

Angela disse...

Ihihih que a conversinha ia ser bem assim. Escutei ate a voz dela na ultima frase. Nada boba, se fazendo de braba. Um abraco "espremido" (squeezy).

caso.me.esquecam disse...

ah, se minha mae leu meus diarios, deve ter se decepcionado muito...

 
©A Estrada Anil - Todos os direitos reservados. Layout por { float: left; }