Ciao!


Em minha primeira visita a Veneza, mil anos atrás, meu gondoleiro conhecia o Brasil e, ao invés de uma canção romântica italiana, entoou Madalena enquanto nos conduzia pelos canais da cidade. Dessa vez, acho mesmo que tive o gondoleiro mais charmoso de Veneza – falo do de boné vermelho, claro.
***

Meu povo, que vontade de papear com vocês e contar tudo de nossa saga pela Itália, agora de férias. Desde que deixamos Paris, bicudos de saudades, temos vivido dias cheios de graça, correria, trens, malas, deslumbres, comilanças, andanças, calor e muita, muita beleza. Eu ainda quero contar tudo da alegria de Dona Tereza em visitar a terra de seu pai; da loucura que foi nossa viagem em um trem noturno de Paris a Veneza, dividindo uma cabine minúscula com duas americanas e 456 volumes imensos de bagagem; vou contar que pegar taxi em Veneza é passear de lancha; que nossa pizza é melhor (mas há controvérsias); que Paris ainda está em nossos corações e quase choramos cada vez que um garçom italiano nos oferece uma cestinha de pães ruins; que manteiga em italiano é burro e vagão de trem é carrozza e com duas taças de vinho isso rende um monte de piadas; que Veneza enche nossos olhos e que jamais esqueceremos os quase três dias em que circulamos por seus canais e nos perdemos despreocupados em suas milhares de vielas antigas, estreitas, com sacadas floridas e lojinhas lindas; vou repetir o mantra de que Veneza é única e que merece, sim, uma visita; vou dizer que a Piazza San Marco continua charmosa, que lá ainda ecoam os sons dos violinos dos músicos que nos ofertam a trilha perfeita para momentos que parecem concebidos nas mentes dos roteiristas mais gracinhas – mas que, mesmo com a soberana Basílica de San Marco, esse não é o melhor pedacinho da cidade, não, não é. Veneza está nas surpresas de cada esquina. É preciso sair do miolo turístico e se perder sem medo. Não há erro. Todos os caminhos levam ao deslumbre.

Vista lateral da Basílica de San Marco







E para além da Piazza...









Eh... a hora do rush.






Amanda e D. Tereza, adivinha onde? Na FRENTE do hotel, hahahaha!

Eu e minha cunhada, Lilian, dando tchauizinho a Veneza.


Esse post já estaria aqui há mais tempo se a conexão do hotel onde estamos agora não tivesse me deixado na mão. Na segunda-feira, juntamos nosso 698 volumes de bagagem, demos nossa última voltinha de barco (ou seja, pegamos um taxi) e embarcamos no trem para Florença (aguardem post sobre nossa técnica criadora de hérnias de disco para subir e descer de um trem com duas crianças e 1.345 volumes de bagagem em três minutos e meio). Deixamos para trás os canais da cidade mais... estranha do mundo e cá estamos, mergulhados na terra da Renascença. Florença é grande, alta, gigante. E meu amor por ela vai no mesmo rumo. Mal comecei e já fiquei em silêncio, o nó na garganta, passeando por onde Michelangelo viveu, criou e transformou seu mundo; já me emocionei mais do que esperava; já fiquei  embriagada diante da Primavera de Boticelli. Já quero mais. Já vai acabar. Até já. Ciao.

11 comentários:

Tina Lopes disse...

Lindo post, com exceção da heresia das pizzas e dos pães! Ai que saudade de tudo isso. Veneza devia ser uma Meca, todo mundo tinha que passar por essas vielas uma vez na vida - e eu tive o prazer de me perder (acompanhada, uia) no inverno, ainda às 22h mas parecendo 4h da manhã. Uma coisa assustadora e encantadora ao mesmo tempo.Inesquecível.

Anônimo disse...

Estava com saudades! Adorei o post. As fotos.
Beijos,
Ju

Angela disse...

Tudo que voce escreveu me eh muito familiar. A cabine apertada e escura breu do trem (quando falaram que iam de trem pensei UI!), a pizza, o taxi lancha, a hora do rush, a Veneza que enche os olhos, bela bela. Adoro e tenho uma fascinacao um pouco exagerada. Nao vejo a hora saber o que o Arthur achou, para ter aquela confirmacao que Max, o fascinado por conta propria (nao fiz nada, ele que resolveu adorar tambem) vai sim enlouquecer quando um dia for la. Nao vejo a hora de ler ou ouvir sobre tudo. Ih e olha a Lilian ai gente! (Oie!)
Beijao, muito bom reve-los :)

Luciana Nepomuceno disse...

Nada a declarar. Eu sou uma deslumbrada no dia a dia, mas basta mencionar Itália que eu viro uma completa sem noção. Lindo post, lindas fotos, linda viagem, lindos vocês. Saudade imensa. Bjs

Maite disse...

Adoro "te ler". O melhor é ter a impressão de estar te ouvindo porque você é capaz de escrever igualzinho fala. E é tão bão!
Ah... e essas malas que não param de se reproduzir? O número só aumenta. Hehehe.
Aproveitem!
E beijos!!!

Mariana disse...

E a viagem continua!!! Férias inesqueciveis essas hein! Adorei esse post especialmente porque não conheço a Italia ainda! Faz 3 anos que sonho em ir mas nunca vamos! Teu relato deu mais vontade ainda, até porque o primeiro lugar que eu queria conhecer é Veneza!!! bjus pra patota!!!

Dária disse...

Eu ando vindo no seu blog praticamente só ver as fotos, e morrer de inveja. Tudo lindo realmente, to na base do "um dia chego lá" rss

kaka disse...

Lindo post!
bjs kaka

Grazi disse...

hummm viagem dos sonhos essa q vcs estão fazendo hein !?!
bjs.

Caso me esqueçam disse...

la vai comentario no melhor estilo classemediasofre:

ê, vida ingrata: ja foi duas vezes e a veneza e eu nem uma! e pior que camilo ja foi, entao as chances da gente ter uma oportunidade de ir sao pequenas... quero priorizar nas viagens o que for desconhecido pra ambos. mas enfim... bla bla bla. o que interessa eh saber: todo mundo de veneza sabe nadar, certo?

Rita disse...

Tina, prestenção: em Florença, minha turma comeu a PIOR pizza ever. É verdade que foi lá também, em outro restaurante, que comeram uma divina; mas no total, as pizzas horríveis foram maioria. Sem chance, as pizzarias de Floripa mandam muito melhor. ;-)

Ju, beijocas!

Anginha, viu meu gondoleiro, viu, viu? E você pensa que Amandinha também não foi? Gondolou também, mostro depois!

Luciana Brabuleta, voltei!!

Maitêêê!! as malas foram um capítulo à parte e vão ganhar seu próprio post, hahahaha!

Mariana, programe-se! Vale muito a pena, muito! Mas já vou avisando que, diferente da França, as estações de trem não têm carrinho de bagagem, hahahaha. Travel light!!

Dária, bonitinha! Eu também fico vendo as fotos... hehehe. Beijão!

Kaka, obrigada. Beijos!!

Gruzi, pode crer, foi dos sonhos, sim. E com meus pititicos... hum, delícia!

Luci, hahaha, eu não sei se todos nadam em Veneza, mas uma coisa te garanto: voltar da balada em Veneza é uma atividade de alto risto: não há mureta de proteção na grande maioria dos canais.. tropeçou, caiu! hahahahaha!!

Beijos!

Rita

 
©A Estrada Anil - Todos os direitos reservados. Layout por { float: left; }