O picnic, o deslumbre, a poeira



Aos poucos as coisas vão se acomodando. O fuso já não causa tanto estrago no sono das crianças e percebi que a demora para adormecer estava mais relacionada ao fato de os dois estarem juntos no mesmo quarto do que simplesmente às confusões do relógio. Tenho deixado o Arthur adormecer em meu quarto primeiro e só depois o Ulisses o leva para o quarto que ele tem dividido com a Amanda. Perfeito, ambos dormem rapidamente. A decisão foi tomada depois que fui ao quarto deles pela milésima vez acalmá-los para que dormissem e encontrei os dois embaixo da cama, brincando de se esconder, às 11:30h da noite. Experiência é tudo nessa vida. O apetite da Amanda também voltou a dar sinal de vida e há dois dias ela come bem em todas as refeições. Já iniciei pra valer meus exercícios de francês e acho que vou curtir o curso ainda mais do que pensava. Espero continuar quando voltar ao Brasil, ouvir o idioma por aqui tem me deixado com muita vontade de aprendê-lo. Essa é a terceira vez que inicio um curso de francês, já tá na hora de concluir um, bien sûr.

No sábado fomos ao lindo Parc de Bercy, no sudeste de Paris, para o picnic convocado pela Amanda. Várias blogueiras compareceram, além de outras figuras delicinhas de dentro e de fora da internetolândia. Foi uma tarde bem agradável para os adultos e deliciosa para a criançada - quatro pititicos que se espalharam pela área verde, parquinhos e passarelas, com seus patinetes envenenados e suas sapequices. A comilança não foi fraca e de chocolate a pimenta não faltou nadinha. Os papos seguiram por horas - numa roda de pessoas que curtem tuitar, facebookar, blogar e sei lá mais o quê, papo não falta. Gosto cada vez mais dessa brasileirada esparramada pela França, viu. Povo bom. Fico devendo fotos da galera toda por aqui, porque não consegui consultar todo mundo sobre a publicação e temo que alguém se importe.

Adelia e eu (finalmente, conseguimos a foto).

Dona Tereza e Aline.

L'amour.

Amandinha, vivendo com emoções.
(Luci, Amanda e eu curtimos muito a companhia de todo mundo, claro, mas fica registrado que poderia ter sido ainda melhor, viu, Luciana?)


***

Hoje fizemos um passeio tranquilo pela área conhecida como Tuileries. O bairro abriga o Louvre, a Place de la Concorde (onde o povo andou perdendo a cabeça uns séculos atrás), o Jardin des Tuileries e outras atrações que fazem a alegria da turistada deslumbrada (oi?). Meu objetivo, no entanto, era visitar um museu bem menor que o Louvre, mas que certamente me deixaria daquele jeito, com cara de "oh, mon dieu...", olhar perdido, lamentando o curto tempo para babar - foi-se o tempo em que eu entrava em um museu e pegava os guias com áudio para me perder nas galerias até o estômago gritar. Hoje em dia, entro com as crianças e olho mais para elas que para os quadros. Mesmo assim, minha visita ao Musée de L'Orangerie valeu cada minutinho, cada passadinha mais apressada do que eu gostaria. As crianças cooperaram (tudo bem, Amanda avançou sobre uma proteção de Matin, de Monet, mas não foi nada grave, conseguir resgatá-la a tempo de evitar qualquer estrago) e outra vez se empenharam na competição para ver quem encontrava mais "tesouros" (quadros que a gente seleciona nos pequenos mapas que o museu disponibiliza na entrada; na brincadeira de hoje, cada quadro encontrado dentro do museu valia 5 pontos; no placar final tivemos Arthur com 60 pontos, eu com 20 e Amanda com 10, mas prometi revanche). 

Arthur, concentrado na caçada.

Sempre que me deparo com obras que admiro penso na tela branca antes das pinceladas, a figura orbitando pela cabeça do artista, as formas surgindo de uma genialidade que nem suspeito de onde venha. Admiro, babo, fico pasma. Foi assim, de novo (as fotografias eram permitidas, desde que sem flash).


Monet...

Cézanne.

Há muito namoro essa pintura em um antigo livro sobre Renoir que temos em casa. Foi emocionante vê-la "pessoalmente". :-)

Utrillo (apaixonei-me).

Um tal de Picasso.

Havia ainda uma exposição do italiano Gino Severini, com algumas obras muito interessantes (alguns de seus quadros foram feitos com uma técnica chamada puntilismo e fiquei encantada com o efeito dos tais pontinhos de tinta na tela; lindo), mas não era permitido fotografar nadica.

Depois do L'Orangerie, seguimos pelo Jardin des Tuileries rumo ao Louvre. Não tínhamos intenção de entrar, não hoje. Queríamos apenas gastar o tempo, curtir a ambientação em torno do museu mais visitado do mundo. À medida que caminhávamos, exercitei a arte do reclamacionismo e xinguei horrores toda essa terra que reina em Paris. Falo de terra mesmo, terra no chão, daquela que levanta poeira, deixa roupas, bolsas e calçados brancos. O tempo em Paris é muito seco (é sempre assim, pessoas?) e onde quer que a gente chegue (tô exagerando, tá?), lá estão os vastos caminhos de terra. Ao invés de grama, asfaltinho, calçadinhas, o negócio em Paris é andar na terra. Tudo bem, nem sempre; também há as pedrinhas que entram nas nossas sandálias e sapatilhas, aff, amo muito (#not). Não sei, talvez seja apenas falta de hábito, mas não entendi ainda o porquê de não substituírem tanto chão batido por passagens bonitinhas com caminhos feitos de paralelepípedo e grama (e um pouco de terra, vá lá), porque, olha, se o vento vier, feche bem os olhos. Ainda não circulamos muito, mas praticamente em todos os lugares a que fomos essa semana lá está um bom pedaço de terra para garantir que seus pés fiquem imundos ou seus calçados fechados fiquem brancos de pó. Bom, feita essa análise criteriosa e generosa do paisagismo dos Jardins des Tuileries, vamos às fotos; tudo aí é cercadinho por chão de terra para o turista que caminha à sua frente sacudir na suas pernas. Beeeem legal. Observem na foto em que a Amanda brinca de se esconder: até nas alamedas arborizadas, terra terra terra cof cof cof. (Mas a gente acha a cidade linda, apesar do pó).


E eu ainda consigo reclamar da terra. Prendam-me.

15 comentários:

Mariana disse...

Foi mesmo otimo o picnic Rita!! E foi muito legal conhecer vc e a sua patota!! Ja linkei o blog, pra continuar acompanhando as aventuras de vcs por aqui e em Desterro! Qto às fotos, da minha parte sem problemas: publicação liberada! Falando nelas, vc poderia me enviar algumas das crianças e do pessoal por email para eu ilustrar meu post?
Eu ja te respondo com mais dicas de programas para a criançada em Paris (tenho um guia especifico em casa - se quiser posso emprestar pra vcs) e das lojinhas de roupas para petits! Até o proximo encontro (em Paris ou em Floripa!).
bjus!

meu email: m.bresil@gmail.com

Mariana disse...

ps: se vcs ainda não foram no d'Orsay, corram!!! Vcs vão adorar!

Luciana Nepomuceno disse...

Tá. eu chorei. Que lindas vocês. Já que a foto está aqui, vou "roubar" e dizer ao mundo todo o quanto vcs são fofas e delicadas de me quererem um bem assim.
No mais: delícia (especialmente o retorno do apetite da Amanda).

Anônimo disse...

Oi, adorei. Acho que as crianças gostariam do Muséum (assim mesmo!) National d'Histoire Naturelle (http://www.mnhn.fr/museum/foffice/transverse/transverse/accueil.xsp)
e do Musée du Moyen Âge
(http://www.musee-moyenage.fr). Ah, aproveita e faça o circuit Amélie Poulain de Montmartre, por mim. Divirta-se muito! Abraço no U. e nas crianças.

Paulo M.

Angela disse...

Essa sala de Monet foi uma das coisas bem deliciosas dai que ficaram na minha memoria. Foi bom reve-la aqui. Adoraria transportar o Max bem para dentro dela. A meninada ta me fazendo babar! Vou sentir saudades das toneladas de fotos diarias quando a viajem acabar. Beijos em toda a familia!!!

disse...

Aêêê, ganhei fotinho no blog também, iupii! (graças ao Ulisses e a D. Tereza, que ficaram um tempao cuidando do Rafael, ai que vergonha!)

Agora que vcs foram no Orangerie, vcs tinham que dar um pulinho la' em Giverny para conhecer a paisagem ao vivo que Monet pintava. E' um passeio incrivel, lindo mesmo. Vc se sente dentro da propria pintura.

Beijos!

Tina Lopes disse...

Que dia maravilhoso! Não tem outra palavra, dá um calorzinho no coração ver todo mundo tão feliz. E olha que engraçado - eu adorei a terra, achei o máximo que não tenham calçado nada, mantendo o chão original e intacto =) hahahahahah juro!

Alê disse...

Que delícia que é ler seu blog! Estou amando, já lí muitos posts e tb já coloquei no greader! o pic nic foi ótimo!!! :D
Beijos pra vc e pra família!

Mari Biddle disse...

Fotos lindas! Todos lindos! Tao bom ver o rostinho de vcs juntas, gente!

A Borboleta ta amando demais essa homenagem!

bjs

VAL disse...

Fotos lindas! Momentos especiais! Adorei as telas! Uma viagem cultural que faz bem ao espírito.
Ter áreas com terra é ecologicamente correto para o escoamento das águas da chuva. O impacto do concreto no meio ambiente leva a tragédias terríveis como as conhecidas enchentes.
Beijos...

Rita disse...

Mariana, ai, tô devendo as fotos pra todo mundo! Tenha fé! Bom demais conhecer você e a FOFA da Sofia. Muito amor vê-la brincando com a Amanda... :-D E, olha, D'Orsay é meu museu favorito em Paris, iremos lá com certeza!! Beijos!

Lu, linda, a gente num gosta muito docê não, é só charminho. HAHAHAHAHA! ;-)

Paulo! Separa uma vaga pra mim que agora vai! ;-)

Anginha, o que é aquilo, né? Eu ficaria um tempão ali se pudesse, mas já viu... é pa pum. :-)

Dé, quero ir a Giverny também. Quero seis meses. Quero mais. :-)

Tina, a Nina não estava aqui para sujar as meias de terra, né? hahahahaha! Bj!

Alê! Adorei conhecer você, sua lindona. Quero mais picnic com tortinhas gostosas... ;-)

Mariiiiiiii, vem pra cá!!!

Val, sua linda, eu nem queria concreto não, sabe. Queria grama, ué. Verdinho pode, não pode? Na boa, eu me incomodo com tanta areia nesse tempo seco. E a grama deixaria tudo ainda muito mais bonito - na minha singela opinião de turista reclamona. :-)Ou pelo menos um cascalhinho pra diminuir a poeirada. Beijão!

Valeu pessoas!

Rita

Lílian disse...

Eu e minha ignorância. Deixa. Mas, seguinte... Como assim, eles deixam fotografar os quadros? Mesmo sem flash tem museu (a maioria absolutíssima) que não deixa nada, nunca! Tô boba!
Tudo lindo.

Bjus,

Lílian

VAL disse...

Para mim, quanto mais verde, melhor, mas vai depender do projeto paisagístico. Com a grama, as áreas restritas seriam bem maiores.
Beijos... e tudo de bom!

Grazi disse...

Olha a Adélia, primeira vez q vejo o rosto dela assim !!! rsrsrs
Seus filhos são lindos !!!

Joana Faria disse...

Ah.... queria ter ido no picnic. Mas foi bem no dia do meu vôo de volta pra Lisboa. :( Obrigada pela mensagem mesmo assim, Rita.
Adorei as fotos! Ah, e adorei o vestidinho xadrês da Amanda! Que FOFA! Muito francesinha. :)

 
©A Estrada Anil - Todos os direitos reservados. Layout por { float: left; }