Luxembourg



Dia de estudos: sommes, êtes, avons, avez, allons, allez, essas coisas. Depois de almoçar um legítimo restô dontê, fomos no finalzinho da tarde espiar uma igrejinha aqui, passear por um parquinho básico ali. Talvez eu passe a tirar menos fotos a partir de hoje. Foi a segunda vez que me perdi de todo mundo enquanto fotografava uma estátua que nem me avisa que minha turma está se afastando. Passei meia hora caminhando pelos jardins de Luxembourg (na verdade, pela terra que cerca os jardins, já que não é permitido pisar na grama - com exceção de uma pequena área sombreada onde a turistada se esparrama) à cata dos meus. Ou paro de fotografar, ou amarro todo mundo na câmera.

Antes do parque do palácio que hoje é sede do Senado francês, fomos dar uma olhada na igreja de St. Sulpice. Meu fraco por igrejas, não reparem. 


Fonte em frente à igreja.


E então aos jardins de Luxembourg. 

O palácio.

No meu guia de viagem consta que há abrigos antiaéreos construídos sob o jardim (o palácio foi usado como quartel general durante a segunda guerra).


A terra que tudo cerca.

Anjinhos fortes.

Gostei, mas não achei graça nos parquinhos infantis pagos. O preço é bem baixo, mas a cidade está cheia de boas opções para os pequenos inteiramente de graça - e o parquinho não tem nada que os outros não tenham. Achei o lugar bonito, naturalmente, mas dificilmente voltarei lá. Vi e gostei de ver, mas deu. :-) Mais sobre Luxembourg no blog da Dé, que acabou de ir lá também e fez um post cheio de informações úteis (nós fomos tarde e as crianças nem chegaram a entrar no parquinho, que já estava fechando).


6 comentários:

Angela disse...

Nao se perde ai nao! Mas se resolver se perder, se perde com a familia toda ok? Assim, por uns anos, ate ver tudo o que tem no guia. :)
Beijao
p.s.: Pus algumas fotos do besourofilo Max no fotolog, vai la ver a cara do doido checando os besouros...

Anônimo disse...

Tambem adoro fotografar! Acho que voce ja tirou umas 1.000 fotos, sim!? Como os tempos mudam, as tecnologias... Lembra que apos o meu retorno do Japao teve uma seçao das minhas fotos (seçao para voce e Sandro e nao lembro mais quem) na sua casa e principalmente Sandro: "menina, 1.000 fotos!?" Isso em 01 ano de Japao. Quero voltar no Japao e com certeza em 15 dias la tirarei mais de 1.000 fotos. Essa é a era digital.

Ah, amarra todo mundo na camera!
Beijos,
Ju

disse...

Nao entendo porque o parquinho é pago enquanto todos os outros parques de Paris sao gratuitos. Até mesmo o do Parc de la Vilette, que é infinitamente mais interessante, e é de graça. Mas enfim... é uma opção para quem nao tem muito tempo p/ levar a criançada em outros parques.

Ah e essa terra batida hehe... la' tem muita poeira mesmo. Gosto mais dos jardins com gramado até perder de vista. Mas o jardin é bonito, tem que fazer parte do roteiro, não tem jeito!

Luciana Nepomuceno disse...

Amarrar todos à câmera me parece uma solução ótima. Faz isso, faz, mas nada de fotografar menos, rs.

No mais,delícia. ;-)

Anônimo disse...

Oi Rita,

Que se percam todos, mas eu quero ver fotos! Compra um walkie-talkie pra cada um e pronto! Sobre a terra: detesto cimento e asfalto em parque, a não ser, claro, na pista de skate e nos lugares apropriados. E que negócio é esse de ficar reclamando da terra nos parques? Parece paulistana, meu!! Grama é uma boa, mas eu gosto mesmo é de terra, igual no nosso parque do Córrego Grande.
Vê se aprende essa língua direitinho aí, tá? Eu até pensarei em te aceitar como aluna, mas não quero ter trabalho!! rsrs.

Bisous,

Paulo M.

Rita disse...

Gente, achei a solução ideal. Transferi a missão de fotografar para o Ulisses, hahahaha. Tem dado certo, ninguém anda se perdendo mais. :-)

Beijocas!
Rita (tão bom viajar "com vocês")

 
©A Estrada Anil - Todos os direitos reservados. Layout por { float: left; }