Um pontinho de luz



Amanda, 3 anos, anda mais sorridente, dando mais gargalhadas, distribuindo beijinhos e abraços como nunca se viu. Parece mais leve, dança o tempo todo, faz graça, conta histórias. Ainda adora uma boa birra e chora fácil, mas esses chiliques têm sido menos frequentes nos últimos dias.

Arthur está todo satisfeito e, se é possível, também tem andado mais doce e carinhoso.

A associação é inevitável. Desde a semana passada, malabarismos nos horários - um pouco menos de sono para mim e almoços na velocidade da luz para o Ulisses - permitem que passemos mais horas com as crianças, todos os dias. Estão sempre conosco, salvo no período da escola. Dormir menos e comer correndo? Tá barato. Hoje é sexta e eu deveria estar bem cansada. Mas o que sinto não vai bem com a palavra cansaço. Claro que é bom saber que amanhã vamos todos ficar mais tempo na cama e vamos almoçar calmamente, tagarelando. Mas acho que o que sinto hoje vai melhor com satisfação.

Encerramos nossa semana com uma historinha contada pelo papai, enquanto eu escovava os cabelos da pequena. Ali, todo mundo acampado no quarto dela, imaginei como seria se pudesse nos ver lá de cima, do espaço: a enorme esfera girando, a luz que saía pela janela do quarto da Amanda brilhando como um minúsculo pontinho. Lá dentro, entre as estrelas e o bicama, quatro pessoas juntas. Só isso.  

6 comentários:

Vivien Morgato : disse...

Minha querida, tenho sorte em ver poesia no dia a dia, vc tem sorte dupla: vê e traduz!
beijos.

Borboletas nos Olhos disse...

E eu fiquei aqui rindo sozinha lembrando de uma conversa sobre pontinhos azuis, verdes, vermelhos por aí e uma menina doida pra participar de tudo...

disse...

Delicia ter mais tempo com os fihotes, né? Eu nao troco minha 4° feira nem se dobrassem o meu salario. E' a maior correria: acordo cedo, vou na piscina com ele, faço comida, vou no parque, na feira, brinco, pinto e bordo com o Rafael. No fim do dia estou exausta mas feliz! Pelo trabalho que faço dificilmente poderia fazer isso no Brasil, entao por enquanto aproveito enquanto posso. Aproveite bastante!

Caso me esqueçam disse...

que lindinha! nenhum segundo deve ser desperdiçado se a gente pode passar com os filhos. ok, eu nao tenho filhos, mas nao tou falando como mae... eh como filha! li uma vez, ha muito tempo, numa revista que era do meu avô, uma reader's digest dos anos 50! tinha uma sessao la com umas historias, piadas etc. uma contava que uma mulher chegou na casa da vizinha e encontrou uma pilha de fralda pra ser passada, enquanto a mae brincava com o bebe dela. a vizinha perguntou impressionada porque ela nao ia passar as fraldas. a mae respondeu "ele nao vai lembrar se as fraldas dele estavam passadas ou nao, mas com certeza vai lembrar desses momentos que passamos juntos". e neh nao? ;)

Anônimo disse...

Isso mesmo Rita, por esses momentos mágicos, tudo vale a pena.Abração, beijos nas crianças.Recebi sua mensagem,Daniel agradece.

Rita disse...

Vivien, você e sua doçura. Obrigada, querida. Bom, sempre bom vê-la por aqui.

Lu, :-)

Dé, estou aproveitando, ô, se estou! :-D

Luci, adorei a historinha. E é bem por aí, viu. Pensando bem, a gente vive bem com metade nas neuras que a gente cria. Beijão.

Nilma, querida, beijo pra você, muitas saudades.

Rita

 
©A Estrada Anil - Todos os direitos reservados. Layout por { float: left; }