Afagos

Caso seu dia não tenha tido flores

É, a correria não está pequena, meu povo. Por outro, lado, fazia tempo que a rotina não tinha um sabor tão doce. É claro que vocês vão me ver reclamar várias vezes de não ter tempo para me coçar, faz parte da condição humana exercer o bom e velho mimimi. Se minha mãe estivesse na área, perguntaria todos os dias "mas pelo menos você está se alimentando direito?", ao que eu responderia "olha não sei, mas a Amanda tá comendo que é uma beleza". Na prática, troquei uma hora de sono por duas horas a mais com as crianças por dia, além de assumir várias outras pequenas atividades que acabava delegando. Houve também alterações no trabalho, mas tá tudo certo ou, como reza o mantra do Ulisses, zero stress. Tá corrido, mas tá gostoso.

Hoje foi um dia médio, nem louco, nem tranquilo. De manhã cedo, passei os olhos pelo Reader e vi que a Luci tinha escrito um post meio deprê. Mandei um e-mail pra ela, meio na base do "não dá pra conversar muito agora, mas eu queria que você soubesse que bla bla bla", algo assim. E segui tocando minha manhã offline. Após o almoço, naqueles minutinhos que antecedem a saída para levar as crianças à escola, dei uma espiada nos meus e-mails, enquanto o marido escovava os dentes ou botava as mochilas das crianças no carro, sei lá. E vi uma resposta da Luci, bem curtinha, que li e interpretei errado. Por alguma razão, pareceu-me que minha mensagem mais tinha incomodado que ajudado e aí fiquei doida. Porque eu gosto dela pra caramba e não queria, de jeito nenhum, fazer qualquer coisa que a deixasse ainda mais pra baixo do que ela parecia estar. E respondi um e-mail bem desesperado pra ela (enquanto o Ulisses berrava lá de baixo que a gente ia se atrasar) pedindo desculpas sei lá por quê, dizendo que minha intenção tinha sido levantar o astral dela e dizer o quanto a admiro e tal e coisa. Escrevi assim, em dois segundos. E antes de correr pro carro, dei uma espiada no twitter para ver se ela estava lá e dizer "ei, Luci, você me entendeu mal e tal". Mas não precisei dizer nada no twitter, porque assim que abri o tweetdeck vi que algumas lindas da minha timeline estavam comentando justamente como tinha sido legal o segundo post da Luci - em que, entre outras coisas, ela agradecia o e-mail e tal. Ou seja, pessoas, eu entendi tudo errado e aí, coitado do Ulisses me esperando, escrevi outro e-mail a jato, algo como "ah, entendi, vi o outro post". Daí corri pro carro e no caminho para a escola li o tal segundo post fofo e isso fez meu dia.

Fez meu dia porque é isso que a gente fala que precisa fazer: desacelerar e olhar para o outro. E foi tão bom trocar palavras de carinho com essa amiga que a blogosfera me deu, ainda que com esse oceanão entre nós duas. Foi muito bom. No carro, li o post dela em voz alta pro Ulisses e fiquei toda emocionada porque, nossa, Luci e eu falamos a mesma língua. E isso é muito, muito precioso. É bem verdade que às vezes a gente não entende o que a outra diz, mas isso é só um detalhe.

Beijos, sua linda.

5 comentários:

Iara disse...

Ei, você me elogiou lá e eu fico sem graça! Mas olha, dada sua sensibilidade, deve ter tido gosto de chocolate quente quando a gente chega em casa depois de tomar um chuvaréu. Ou seja, afago puro.

Caso me esqueçam disse...

como eu disse no email, ter vocês me faz tao bem! sei la, tenho blog ha anos, ja fiz varios, conheci muita gente, mas o melhor da experiencia ta sendo agora. a yuska disse la no meu blog que sentia que eu fazia parte da vida dela e eu entendo tanto! vocês fazem parte da minha. as vezes penso que alguem que me lê dizendo isso vai pensar que eu nao tenho vida, que eu tou trocando o real pelo virtual, mas nem eh isso, oh. porque chegou a um ponto que nao tem como ficar soh atraves das telas dos computadores. amanda pra mim eh uma amiga hoje insubstituivel e eh engracado lembrar que ela saiu de um blog. adoro, adoro essa rede que se criou de repente na minha vida. sim, falamos a mesma lingua e eu me sinto MUITO feliz por isso, por ter decoberto esse blog, por ter te descoberto. linda, linda, linda!

Borboletas nos Olhos disse...

Eu li tudo e só tenho a dizer que vocês são lindas e fazem do meu coraçãozinho terra produtiva. Bjs

Rogério disse...

Pode até parecer esquisito, mas neste nosso século as amizades não precisam ser, digamos, convencionais. Tenho uma grande amiga que só conheço por foto. Ela, jornalista lá nos states, e eu aqui. Temos o dom de adivinhar a fase deprê do outro, e tome e-mail ou papo no orkut. Já combinamos várias vezes um encontro, não deu, mas um dia vai dar, por que não? Ela gosta das coisas que eu escrevo, minha esposa e eu adoramos o que ela escreve, e é uma sintonia que não tenho com a maioria dos amigos que encontro quase todos os dias. Ah, falamos a mesma língua, também.

Rita disse...

Iara, hummmmmmmm, chocolate quente. Good idea! :-D

Luci, :*********************

Luciana, :*******************

Rogério, isso é sinal dos tempos, viu. Não tem jeito. O Ulisses me falou que não se imagina fazendo amizade com alguém assim. Falei que ele só diz isso porque não participa de nenhuma rede social, não tem blog, etc. E ele acabou concordando. Já estou mais confortável com a ideia. Também, né, o tanto de gente legal que tem cruzado essa estrada. Bom demais.

Bom final de semana, pessoas!

Rita

 
©A Estrada Anil - Todos os direitos reservados. Layout por { float: left; }