Só o limão


Certa vez meu tio nos contou como era dura sua rotina de menino que acompanhava o pai em longas viagens de burro e carroça até a zona rural onde vendiam ou compravam nem me lembro bem o quê (ajuda aí, primos!). Ainda vou contar essa história direito, mas sei que tudo era longe, a viagem durava um dia, a estrada era ruim e o sol na cabeça não devia ser fácil - estamos falando de algum interior da Paraíba. Esse cenário hoje tem estradas e grandes mercados, mas foi dos tempos das carroças de que me lembrei agora há pouco.

É que liguei o ar-condicionado do escritório, sentei-me em frente ao computador, acessei o site do supermercado que frequento toda semana e, para diminuir a correria de amanhã, fiz as compras online. O site melhorou muito sua interface com o cliente, então gostei bem, selecionei produtos, paguei com o cartão de crédito e finalizei a compra em cerca de 40 minutos (sou lerda, dá para fazer em menos). Amanhã as compras serão entregues na nossa casa e vou elogiar as maçãs "tão vermelhinhas".

Se eu fosse uma pessoa bacana, tudo estaria tinindo. Mas a verdade é que foi só sentar em frente ao computador para eu soltar um "droga de mercado, eu queria era ler blogs!". Quer dizer, o mundo é bem complicado, mas às vezes é só a gente que azeda. ;-)

0 comentários:

 
©A Estrada Anil - Todos os direitos reservados. Layout por { float: left; }