Do que nem seria assunto


Só tirei os anéis porque queria provar a blusa. Como era muito delicada, fiquei com receio de puxar um fio, não gostar dela e me ver obrigada a comprá-la, já que não seria justo deixá-la na loja com o fio puxado. Então retirei os anéis, provei a blusa, olhei, decidi, tirei, voltei a pôr minha roupa e saí do provador, esquecendo os anéis para sempre no banquinho. Só tinha olhos para a blusa de que gostei e que comprei como se a troca valesse a pena: uma blusa de fios facilmente puxáveis pelo anel que Odisseus tinha me dado na cozinha, enquanto o jantar assava no forno, naquele dia em que decidimos que já tínhamos morado em casas separadas por tempo demais; e pelo outro anel dado por minha tia Cebolinha. Mas fui embora. Da loja. Pra casa, sem olhar pra trás, feliz e boba com a blusa nova, os dedos nus.

Fico imaginando os dois lá, esquecidos, como um brinquedo do Toy Story quando o Andy vai pro acampamento. Aí o dia acabou e as meninas da loja devem ter fechado tudo, o cara do shopping deve ter apagado as luzes e eles ficaram lá, no escuro, esquecidos, enquanto, em casa, eu mostrava a blusa nova pro Odisseus que nem imaginava que eu tinha pago por ela com a joia que ele me dera há anos.

O pior não foi isso. O pior foi o descaso de só me dar conta no dia seguinte. Ou dois dias depois, sei lá. Amor, você viu meus anéis? O que você me deu, num tô acreditando que perdi. Procura procura procura. Revira tu-do. Nada. Eu sei que ficam os dedos e que o mundo é o que é, mas, poxa, logo aqueles dois, justamente os que fazem diferença. Saquei minha melhor Pollyana, ativei o Jogo do Contente, mas a cabeça não parava de rodar, onde foi onde foi onde foi... até que, na semana seguinte - vejam bem, na semana seguinte - no carro, enquanto me lamentava por ser tão distraída, veio o diálogo da luz:

Ele: - Você precisa refazer os caminhos por onde passou na semana passada, quem sabe assim...
Eu - Caramba! Foi no shopping, na loja da blusa! Aaaaaaahhhhhhh, não acredito. Ai, não acredito, nunca mais na vida vou achar...
Ele: - Ah, liga lá, não custa.

Em casa:

- Alô. Olha só, eu estive aí na semana passada comprando uma roupa e acho que posso ter deixado meus anéis aí no provador, sabe, é que eu tirei pra não puxar o fio da blusa, mas não me lembrei de pegar de volta e, olha, não é por nada não, mas só tô ligando porque adoro meus aneis e...
- Como são os seus anéis?

Ah. Ela perguntou. Com o coração flutuando no peito, respondi:

- Um assim assim e outro assim assim...
- Eles estão aqui. O vendedor que entrou no outro turno foi arrumar o provador e encontrou. A gente guardou porque achava que a dona iria voltar e...
- Tô indo aí.

E lá estavam, envoltos em um pacotinho de papel pardo, na gaveta do caixa. E eu nem pude agradecer pessoalmente ao vendedor que os encontrou, mas agradeci à loja inteirinha.

Se o mundo fosse outro, isso nem seria assunto, eu sei.

Fim.

***

P.s. O mesmo anel, que ganhei do Odisseus, já caiu do meu bolso na calçada (tava frio, eu estava de luvas, tinha colocado o anel no bolso). Uma moça achou e levou com ela. O porteiro da escola viu e me contou. Conhecia a moça. Conseguiu o telefone dela. Liguei, conversei e recuperei. My precious.

13 comentários:

Anônimo disse...

Ah, essa história eu já sabia.
Larissa

Caminhante disse...

Não sei se eu sou muito apegada aos meus anéis - sempre tiro e coloco três, minha aliança nessa conta - mas no teu lugar estaria chorando de aflição. Se bem que eu notaria mais rápido...

Tina Lopes disse...

Pois eu estava num restaurante péssimo em Paris (agora sou dessas que têm memórias de Paris) e na hora de sair, depois de um jantar horroroso e caro, senti minha pulseirinha de estimação se romper. O fecho andava meio ruim, mesmo, eu não devia tê-la levado. Uma pulseira de couro, sem valor além do sentimental fashion: eram 3 tranças de couro, fininhas, em cores diferentes, azul, verde e bege. Bem bicho-grilo. E ela caiu ali, quando estávamos saindo, meio bêbados e de saco cheio. O restaurante era escuro, expliquei em 3 línguas o que aconteceu, só Mr Lopes me ajudou a procurar e nada, ninguém mais me deu bola. Deixei minha pulseirinha lá, num canto qualquer atrás da cadeira, ou da mesa. Simplesmente sumiu. Que ódio.

Angela disse...

Ai amiga parei aqui so para ler rapidinho sem nem comentar, estou numa semana danada trabalhando longas horas (12 a 16 por dia!) e ainda por cima doente. Mas nao deu.

Da pessoa aqui que acredita em tudo: Karma! Esses aneis tem mesmo de ser seus.

Ja tinha te contado que perdi um diamante em um bar e o dono cuidadosamente participou da limpeza no final da noite, o encontrou e me ligou. Era da minha antiga alianca de casamento, doada pelo avo de Pete (e o unico avo que tive, e ainda tenho - queridissimo) e que ele havia escolhido para a sua entao recem falecida esposa. Mas uma coisa eh um dono de um bar retornar um diamante que representaria um ou dois meses do seu trabalho. Outra coisa eh um vendedor da loja do shopping retornar dois aneis que provavelmente representaria um ano our mais de seu trabalho. Adoro ouvir historias de gente de bom carater. Vou torcer para que um dia desses o encontre por la e possa olha-lo no olho! Fiquei muito feliz com esse desfecho!!!! Beijao

Patricia Scarpin disse...

Até te imaginei falando com a vozinha do Gollum (e nem sei como, pq nem a tua voz verdadeira eu conheço, né?) :D

Que bom que vc conseguiu os anéis de volta, Rita. Que bacana ver as pessoas se importarem assim com as nossas coisinhas.

xx

Borboletas nos Olhos disse...

Eu fui e voltei uma porção de vezes, com um comentário sai não sai, quase advinhando as palavras que eu ia escrever...mas elas não vinham nunca. Porque, né, eu não uso anéis, colares, brinco só em dia de festa e talz....mas se usasse perdia um por dia, não tenho nem dúvida. E fiquei com um dó imenso de todos os anéis que eu potencialmente perdi, todos abandonados no escuro. Menina, você sabe contar uma história, viu. Ainda bem que essa teve final feliz, ficaram os dedos e os anéis.

disse...

Pelo menos vc achou! E eu que na loucura das primeiras semanas do bebê em casa perdi minha aliança, que pelos meus calculos, deve ter ido pro lixo junto com alguma das fraldas de cocô. Nobre destino, hein? Antes estivesse em outros dedos!

Mas tudo bem pq na verdade eu nao gostava mesmo do modelo (que eu mesma tinha definido, mas nao gostei do resultado final).

Vivien Morgato : disse...

Que fofo esse vendedor, heim?

Rita disse...

Ois, pessoas.

Larissa, você sabe muito. :-)

Caminhante, ninguém é tão na lua quanto eu. :-( Bj.

Tina, cherie, o lance é que sua pulseirinha se apaixonou por Paris e deu o jeito dela. Há que se respeitar. Amar às vezes é saber ficar longe, hohoho... (Você tá chiqueretésima toda cheia de memórias de Paris.) Bj!

Oi, Anginha! Bem imaginei que você deveria estar numa semana daquelas. E nem foi por causa de silêncio, nada. Foi só de ficar lembrando de ti e imaginando como vocês estariam aí. Saudade, só. Pois então, quando penso nisso sempre lamento não ter podido dar um abraço de agradecimento no moço da loja, viu. Porque, né, foi demais. Beijinho.

Patricia, hahahaha, voz do Gollum foi ótima. Myyyyy prreexxxxxxiousssss. E assim? :-D

Borboletinha vermelhinha, no dia em que eu aprender a contar uma história, largo o emprego, fecho a porta do quarto (abro de vez em quando) e de lá só saio com um sonho antigo embaixo do braço, encadernado. :-) Bj.

Poxa, Dé, sou obrigada a dizer que a pulseira da Tina foi mais esperta que sua aliança. Foi mal. :-P

Vivien, né? Tudibom.

Beijos!

Rita

Marina Teotônio disse...

Oi prima....
Me descreve esta bendita blusa...
Os aneis eu jah sei q sao cheios de amor....mas, a blusa da honestidade, devem esta presente na sua velhice....

Rita disse...

Marina, e se eu te decepcionar e disser que a blusa não tem lá muito valor pra mim? Aliás, é pior que isso: já passei pra frente... usei bem, mas não fiquei com ela, foi embora numa faxina daquelas.

Deve estar vestindo alguém que nunca suspeitará da história dos anéis. :-) É a vida.

bj
Rita

Anônimo disse...

Querida Rita,

Voltei da minha missão e agora estou em férias... Volto na px semana... Ao ler este post, lembrei-me da outra vez que perdestes seus anéis e de como o encontrastes......
Eles realmente são seus.... :-))
Mas, para não dar sorte ao azar, da próxima vez que tirar os anéis fora de casa, coloca na bolsa, tá?!?! hehehehehehe
Um beijo enorme,
A Amanda tá LINDA!!!!!!!!!!!!!!!!
E enorme!!
Karin

Rita disse...

Karin, sua sumida! Pode deixar, ando bem mais cuidadosa.. bom saber que logo estará de volta! Beijo!
Rita

 
©A Estrada Anil - Todos os direitos reservados. Layout por { float: left; }