Memória seletiva


Lá pelas cinco horas da tarde meu celular toca. Estou no serviço, é meu filho de cinco anos.

- Alô?
- Oi, mamãe! Posso falar?
- Pode, meu amor. Fale. Tudo bem?
- Eh... você se leeeembra que hoje mais ceeedo... eh, você falou que ia me ligar aqui pra casa... pra saber se eu tinha me comportado bem... pra eu poder ver televisão de novo...
- Hum, sei.
- E eu me comportei superbem agora no banho...
- Hum. Que bom, muito bem.
- E aí?

E eu:

- Filho, você se lembra que hoje, logo depois dessa conversa aí que a gente teve, você foi lá pra sala e bateu na sua irmã de novo?
- ...
- Lembra?
- Oi?
- :-) Bonitinho. Fique bem aí, filhote. Comporte-se e mais tarde a gente conversa. Te amo.
- Tchaaau, mãe. (Bem emburrado)
- Te amo, viu filho?
- Tá. (Emburradíssimo)

Click.


9 comentários:

Fabi disse...

<3

(Eloqüência mandou um beijo.)

Danielle Martins disse...

Lindo! Adoro essas histórias!

Amanda disse...

Ahahahaha!!! :)

Borboletas nos Olhos disse...

Na hora é meio complicado lidar...dá uma vontade de rir!

Angela disse...

Fofo!

Claudia Serey Guerrero disse...

ôoouuu! ;)

Rita disse...

Hehehehe, é muito engraçado mesmo, meninas.

Beijo procês.

Ana disse...

Adorei Rita!
A melhor parte eh essa:

"- Tchaaau, mãe. (Bem emburrado)
- Te amo, viu filho?
- Tá. (Emburradíssimo)"

Meu filho eh igualzinho!
Adoro suas historias pois me identifico demais. Adoro ler sobre vc falando sobre seus filhos pois eu tenho mesmo sentimento pelo meu filhote.
Amo ser mae, eh a melhor coisa do mundo! E sinto q vc compartilha desse sentimento tao profundamente quanto eu!
Ana

Rita disse...

Ana, é tão bom saber que alguém se identifica com nossas corujices, né... também vivo babando por aí com os filhotes de outras amigas, delícia. :-) Bj!

 
©A Estrada Anil - Todos os direitos reservados. Layout por { float: left; }