Lógica em quatro lições


Capítulo I

Tarde da noite senti fome.
A cozinha fica lá embaixo.
Havia uma barata na escada (semimorta, observe).
Fui dormir com fome.

Capítulo II

Quando sinto fome, não consigo dormir.
Havia uma barata semimorta na escada.
Dormi mal.

Capítulo III

Quando durmo mal, sinto fome no meio da noite ou tenho pesadelos.
Havia uma... etc.
Senti fome, lembrei-me da escada e tive pesadelos.

Capítulo IV

Havia uma... etc.
Minha noite foi péssima, passei o dia com sono.
Preciso manter um pote de biscoitos no meu quarto. Ou criar vergonha na cara, o que vier primeiro.

***

O irônico? À luz do dia, tive sérias dúvidas de ser mesmo uma barata. Parecia mais um besourinho comprido. Às vezes aparência é tudo nessa vida.

***

Eu sei que é ridículo e não me orgulho de minha impotência. Mas isso não muda muita coisa.

12 comentários:

Juliana disse...

Ahh, Rita, desculpa aê, mas nada me impede de comer, nem baratas semimortas. =p

Se fosse uma aranha, eu entenderia. =)

Borboletas nos Olhos disse...

Uma pergunta invasiva, mas necessária..ué, porque você não acordou o Ulisses?

disse...

Ai credo, nem me fale em baratas. Uma vez quase fui dormir num hotel pq a minha casa tinha sido invadida por baratas drogadas (fizeram dedetizacao no prédio e esqueceram de avisar os moradores, humpf!).

Olha, ta' uma coisa boa de morar na Europa: aqui nao tem baratas!

Rogerio disse...

Quem sabe você não perdeu a grande oportunidade de bater um papo esclarecedor com Gregor Samsa?

Angela disse...

Eu teria passado fome tambem. Se levares os biscoitos para o teu quarto, guarda bem vedadinhas, para nao atrair as baratas viu?

Anônimo disse...

Oi, Rita!

Bom voltar aqui! Fiquei imaginando os capítulos e, honestamente? Combina com você não, cunhada! Deixar de comer seus biscoitos por causa de uma barata? Que nem viva estava?... Acho que tá lendo histórias de monstros demais!

Vamos fazer um trato: da próxima vez você chuta o pau da barraca (quer dizer, a barata, viva ou morta, tanto faz), come o que quiser e ainda vai dormir vestida de sorriso no rosto.

Vitória sobre o inseto nojento/medinho que sente dele + barriguinha cheia + menos um bicho dentro de casa = SUBVERSÃO DA LÓGICA ANTERIOR. QUE DELÍCIA! Porque dormir sorrindo é tudo de bom, né?

Beijos, amada, bom ver que está vencendo seus dias!

Lílian.

Fabi disse...

Depois de algum tempo morando sozinha, matei minha primeira barata há pouco tempo. Os vizinhos nunca tinham me ouvido gritar até então. Cinco minutos depois e meu coração ainda 'tava disparado. Conto com a misericórdia do acaso pra que isso não se repita tão cedo (nunca).

Caso me esqueçam disse...

ela tava semi morta e tu ficasse assim? seria valido o medo se ela tivesse semi viva :)

José Fernando disse...

Tudo é relativo: se a barata estava semi-morta, estava também semi-viva. Eu dormiria com fome, fácil.

Rita disse...

Oiii, que saudade de vocês.

Ju, se fosse um escorpião, eu teria matado. Por isso que minha mãe não se conformava.:-)

Borboleta, ah, querida, você acha que a barata escolheu uma noite qualquer??? Era noitada da cerveja do clube do bolinha do serviço do marido. Aff. Bj.

Dé, já passei exatamente pelo horror que você descreveu. Minha salvação foi um casal de amigos vizinhos que passaram A TARDE matando baratas bêbadas na minha casa. EEEEEECCCCCCAAAAAAAAAAAAAAAAA!!!!!!!!!!!!!

Rogerio, você sabia que eu considero uma vitória pessoal enorme ter conseguido ler Metamorfose até o fim? Eu consegui, juro. Todinho. Não sou forte?

Anginha, pensei nisso, pódeixar. Pote hermético. Bj.

Lilian, quem sabe um dia não viro uma subversiva de verdade e não saio por aí matando todas? De quantas encarnações você acha que eu preciso? ;-)

Fabi, eu também já matei uma, para ser bem honesta. Numa faxina, também morava sozinha: tive um crise histérica, gritei como uma louca porque a monstra, que estava paradinha, endoideceu quando eu a acertei com a primeira vassourada. Seguiram-se umas duzentas vassouradas e eu quase tive um treco sério. Nunca mais. Bj.

Luci, engraçadinha. ;-)

José Fernando, obrigada pela solidariedade. :-)

Abraços, pessoas!
Rita

Ana disse...

Rita adorei esse post! Haha! Baratas e lagartixas em meu caminho seriamente me fazem dar meia volta e reconsiderar a importancia do percurso. Argh, detesto baratas.
Obrigadissima por passar la no meu blog, fiquei super feliz com seu comentario!
E quanto ao suco do seu tio eu tinha lido o post e guardei ele p/ fazer, eu adoro sucos feitos com legumes e frutas, acho uma delicia mesmo.
Hoje no cafe da manha o meu tinha chard, espinafre, alface e mamao. So q meus sucos por enquanto sao smoothies/shakes/vitaminas (como preferir chamar, sao tantos os nomes), pois eu ainda nao tenho uma centrifuga. Mas ja dei uma avisada no marido q meu proximo investimento culinario vai ser um juicer, e quero comprar logo, nao vejo a hora! rs!
Vou experimentar seu suco e te conto, tenho certeza q vai ficar uma delicia!
Gostei da ideia de usar a polpa q sobra em omeletes!
Beijos!
Ana

Rita disse...

Oi, Ana. Ah, quero saber o que você vai achar do suco na centrífuga. Já vou advertindo que dá a maior pena jogar o bagaço fora, por isso toda receita que o aproveite é bem vinda. Vejo muffins em seu caminho. Será que rola? :-)

E o suco é uma delícia, estamos viciados. Mas agora precisamos programar bem a ida ao supermercado. Duas vezes por semana, em dias certos, para aproveitar o desconto que o supermercado oferece nas sessões de hortifruti. Faz diferença.

Ah, e sempre passo no seu blog, apesar de nem sempre comentar. Gosto muito.

Beijocas,
Rita

 
©A Estrada Anil - Todos os direitos reservados. Layout por { float: left; }