Escuro


Os dias mais incômodos são aqueles em que não choro. Não sei bem o que acontece, mas hoje deve ter sido o segundo ou terceiro dia desde o dia 09 em que as lágrimas se esconderam. Eu chamo, mas elas não surgem. E fez uma manhã linda, com chuva caindo sobre as árvores da rua, gosto muito. Ontem me lavei em prantos de saudade, perdida sem saber bem o que fazer diante de tanta desorientação. Mas hoje sou uma pedra seca, com um peito cheio de dor que não consegue chorar. Reli suas cartas, deitei sobre a colcha da cama, fechei os olhos e busquei você, mas não consegui chorar. Você teria ligado durante a posse para me perguntar se eu estava gostando disso ou daquilo e teríamos trocado figurinhas. A TV me mostrou as ruas de Brasília que percorremos juntas em 2003 em nossa última viagem juntas e tudo mais me pareceu menor. Fiquei ali no sofá, até achei bonitos alguns momentos, você teria gostado também. Mas minha voz parece oca. Tenho vontade de comentar as coisas com você, como sempre fazíamos. Eu sei exatamente do que você teria gostado, do que teria rido. É bom isso, traz um meio sorriso à minha boca, mesmo que meu peito se esprema.

*** 

À meia-noite os fogos me acordaram e fui aos quartos das crianças olhar para o futuro. Depois Ulisses e eu ficamos um tempo na sacada e acho que não pensei em nada. Mas hoje li sobre desejos e acho que tenho um: quero aprender; porque eu ainda não sei o que fazer com isso.

***

Eu desejo um ano cheio de luz para todos que caminham por aqui. Desejo amor, generosidade e esperança. Desejo alegria também, sempre. E abraços, muitos.

5 comentários:

Borboletas nos Olhos disse...

Querida, que 2011 lhe traga o que você precisa. Muito carinho, sempre, e um abraço feito letras, como você já sabe. Estou por aqui, tá?

Liliane disse...

Luz para iluminar seus dias dificeis, força para conseguir chorar sua dor e enfrentar sua perda e tempo para curar essa ferida funda que restou no seu peito... Muito amor para voce!
um xero, um abraço apertado, e o desejo sincero que voce fique bem dentro do possível!!

Barbara disse...

Foi Mario de Andrade ou Fernando sabino que deu uma definicao otima para os primeiros dias depois da morte de alguem. Eh a "festa da dor." Eh tudo novo, tem tanta coisa para organizar, resolver, eh tudo tao novo - que voce ainda nao sente a falta da pessoa. Voce sofre, mas eh uma coisa diferente. Depois quando a vida volta ao normal, mas sem a tal pessoa - ai que o bicho pega. Comigo eh exatamente assim.

Luciane Curitiba disse...

Oi Rita querida! Estive alguns dias offline por conta da mudança de apto, mas acompanhei as noticias sobre sua mãe. Ontem estava lendo o post-homenagem e não pude conter as lágrimas e o aperto no coração. Como diz a Luciana, vc é um "horror". . .consegue transformar dor em amor, tanto que a gente quase consegue tocá-lo mesmo estando longe. Saiba que estive e estou contigo em pensamento e meu abraço segue "pelo ar" como vc mesma diz. Saiba também que a sua tristeza é um pouco minha, assim como todas as vezes que vc me fez rir e me emocionar. As palavras agora somem, as escrevo e apago mil vezes no intuito de escrever algo que te roube ao menos um sorrizinho nesses dias tão cinzas. Minha amiga de internet, de quem sou fã e que me ensina tanto: estou aqui, tá? Em Curitiba, aqui do ladinho. Se precisar de mim, vc me chama? Um beijo e um abraço bem forte.

Rita disse...

Minhas queridas,

como eu queria saber agradecer tanto carinho. Queria mesmo. Luciane, você me comoveu muito hoje, viu? Obrigada demais. Luciana, saudades de você. Liliane, obrigada, linda, suas palavras tão docinhas... Barbara, ainda não consigo descrever direito o que sinto. Os dias ainda seguem com sustos que chegam de vez em quando sempre que paro e me concentro no que estou vivendo.

Beijos a todos que têm passado por aqui, em silêncio ou comentando nos últimos posts. Vocês nem fazem ideia do tamanho do carinho com que recebo cada palavra, cada manifestação de apoio. Obrigada de novo, sempre.

Rita

 
©A Estrada Anil - Todos os direitos reservados. Layout por { float: left; }