To be

Na frente da minha casa, do outro lado da rua, há uma pequena mata. Da sacada do meu quarto, para além das copas de nosso ipê e de nossas palmeiras, posso ver os eucaliptos de pescoço comprido que às vezes se balançam tanto que é um espanto não se quebrarem. Agora há pouco, depois de desligar o telefone, fiquei sentada na cama, olhando esse verde todo emoldurado pela porta da sacada. E fiquei pensando na mansidão das árvores que vivem muito tempo: ficam lá, o mundo girando, as pessoas passando apressadas rumo a sabe-se lá onde; e elas ali, existindo somente. E fiquei pensando que viver é algo que se aprende todo dia - mas não para elas, que já parecem saber que toda pressa é meio boba.

***

Fisicamente, vou sozinha, mas quem me vê no aeroporto nem desconfia da legião.

E toda torcida é bem vinda.

6 comentários:

Borboletas nos Olhos disse...

Já sabe, né?

Liliane disse...

Rita,
Força minha linda que tudo há de melhorar!
Mesmo de longe o pensamento vai junto contigo!

Daniela disse...

Chegando atrasada, mas que a minha torcida ainda te alcance.
Um beijo querida. Força aí!

HG disse...

Nem sei pq, mas torço...
bjs

Tina Lopes disse...

Lindas imagens, a das árvores e a da legião.

Rita disse...

Borboleta, ***

Obrigadíssima, Liliane!

Dani, atrasada nada, bonitinha. Obrigada, viu?

HG, mamãe no hosptial outra vez. That's it. Obrigada.

Thanks, Tina. Valeu a força, viu? Bj!

Beijos, pessoas. Obrigada demais.

Rita

 
©A Estrada Anil - Todos os direitos reservados. Layout por { float: left; }