Quebradeiras e comilanças



Eu não faço isso na cozinha.

Eu ainda não contei das minhas aventuras e desventuras do final de semana. Na verdade, não há nenhuma aventura muito emocionante para narrar, nada além de brincadeiras, cochilos no sofá, filmes requentados na TV. E comida, muita comida. E é aí que entram as desventuras.

No sábado fiz um bolo de que gosto muito. Deu tudo certo com o bolo (como já tinha dado aqui), mesmo tendo alterado um pouco a receita e usado farinha de trigo integral (já falei que adoro receitas com canela? Não? Eu adoro receitas com canela; sempre exagero e ponho mais do que pede a receita e nunca me arrependo.). E tudo teria sido perfeitinho se o teto do forno não tivesse despencado bem na hora de pôr a massa do bolo lá dentro. Bem, o que despencou de fato foi a resistência do dourador, segundo me contou meu marido e bombeiro nas horas vagas. Não havia muito que fazer na hora do acidente, já que o forno já estava aquecido e o que é que eu ia fazer com aquela massa pronta para ser assada, certo? Os vizinhos amigos estavam viajando, vejam vocês que desaforo, de modo que nem assar o bolo rua acima eu podia. Então assei com a resistência despencada mesmo e tudo bem.

Logo que pus o bolo no forno decadente tratei de limpar a batedeira - antes tivesse guardado a coitada suja. Porque eu consegui derrubar a batedeira no chão e rachá-la. Eu quebrei a batedeira. Quanto mais eu repito, mais idiota me sinto: quebrei a batedeira. Vejamos se consigo dramatizar um pouco mais: eu adoro a minha batedeira. Ela é seminova, linda, bem branquinha. Ela é supereficiente e só de olhar pra ela já fico com vontade de fazer bolos. E eu quebrei minha melhor amiga da cozinha, depois da máquina de lavar louças. Ai, gente, não me conformo.


Eu faço isso na cozinha. 

Meu marido, bombeiro nas horas vagas e assistente técnico eventual, disse que vai consertá-la, vai colar as duas partes separadas pela rachadura que deixou exposto o interior da base. Bom, tudo continua funcionando, ainda posso fazer os mesmos bolos, mas não consigo olhar pra ela, sabe? Com aquela rachadura horrenda, tadinha. Oi? Como eu consegui? Eu dei dois passos para trás para pegar o paliteiro que estava no balcão do lado oposto da cozinha (eu queria usar um palito para retirar uma sujeirinha que tinha se enfiado na base do prato giratório). Daí o fio enganchou no bolso do avental e arrastou a batedeira que, plaft, estabacou-se no chão. Chuif. Catei a coitada do chão, sentei-me diante dela, incrédula, e fiquei olhando aquilo e pensando como eu tinha conseguido aquela proeza. Maldito palito. Meu filho e ajudante me consolou: acontece, mamãe; você anda bem desastrada, né?

Bom, no dia seguinte ainda havia muitas maçãs, então fiz o crumble de maracujá com maçãs do TK (o bolo era de lá também) e, ai-meu-deus, que coisa boa. Servido com sorvete de creme roubou a cena do churrasco do domingo - adoro servir sobremesas no churrasco porque não gosto muito da carne, então fico torcendo para acabar e a gente afundar o pé nos doces. Todo mundo gostou (duas pessoas) e eu fiquei feliz. :-) E no almoço já tínhamos comido macarronada bolonhesa do marido, bombeiro nas horas vagas, assistente técnico eventual e cozinheiro de mão cheia. A Amanda, que é louca por macarrão, claro, fez caso com o molho, não queria aquela carne. Meu marido, bombeiro, técnico, cozinheiro e superpai, fez que não era com ele, disse que o almoço era aquilo mesmo e algum tempo depois a pequena comeu toda a carne do prato. Deixou o macarrão, vá entender.

Então tá, agora meu forno tem uma coisa pendurada (que meu assistente técnico ainda não conseguiu resolver - e eu muito menos) e minha batedeira aguarda uma sessão superbonder. Na geladeira ainda tem crumble e um pouquinho de bolo. É, o final de semana foi bom. Podia ter sido melhor, mas deixa quieto.

9 comentários:

Glória Maria Vieira disse...

Eu tô rindo aqui, Rita! AUHSUAHSHUASHUAHSUHAUSH MAS não pense você que é da tadinha da rachadura da sua batederia, mas desses trechos:

"Meu marido, bombeiro nas horas vagas e assistente técnico eventual..."

"Todo mundo gostou (duas pessoas)..."


"Meu marido, bombeiro, técnico, cozinheiro e superpai..."
kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk Você é uma graça e uma super cozinheira pelo visto. Porque só de ver as fotos, dá muita água na boca! (Maldade, viu!? #hihi)

E sim, queria que você visse isso:

http://apenasumafresta.blogspot.com/2010/11/um-presente-embalado-por-palavras_08.html

Um beijo, flor!=)

Juliana disse...

Rita mãos -de - ferro!!

Rindo muito tb!

beijo

Borboletas nos Olhos disse...

Me-ni-na! Você quer que eu passe mal de tanto rir? estou com dores no diafragma...E ainda com vontade nesse crumble de maracujá com maçãs, nhami, nhami...

Patricia Scarpin disse...

Rita, querida, me identifico e solidarizo totalmente contigo - eu sou uma mistura de Inspetor Clouseau e Mr. Bean na cozinha, um desastre ambulante, vc verá as minhas mãozinhas cobertas de cicatrizes quando nos conhecermos (que espero que seja logo). :D
Derrubo tudo, me corto e me queimo como se não houvesse amanhã. :S
A minha batedeira só não foi pro beleléu ainda pq a bichinha pesa uns 10kg, então nem movo muito do lugar. Mas ficaria arrasada se algo acontecesse, não sei mais viver sem a danada. :D

Fico super feliz quando vc faz receita lá do TK, é uma super honra! E adorei a "didática" do marido com Amanda e a comida - talvez eu adote a técnica com o João. :D

Beijo!

Rita disse...

Gloria E Borboleta, um selinho!! Obrigada, vocês! Quanta gentileza! Um selo duplo!! :-D ADOREI, suas lindas. Vocês são uns docinhos.
:-**

Juliana, quer que eu faça suas unhas? Ou corte seu cabelo... ou faça suas sobrancelhas... costure suas roupas... hahahahahahaha!! Desastre me define bem em certos dias. Você viu, né? :-)

Patricia, eu não acredito que você seja desastrada na cozinha. Uma pessoa desastrada não faria aquelas lindezas de fotos que você faz, nem aquelas receitas todas delicadérrimas! Nenhuma desastrada desse mundo faz macarons perfeitos! Né? Conta essa história direito... hehehe. E ainda bem que não derrubei a SUA batedeira - quebraria o chão da minha cozinha, hohoho.

Quanto à tática para comer tudo, é tiro e queda. Ninguém morre de fome diante de um prato de comida, né não? ;-)

Beijos, pessoas!
Rita

larissa disse...

Hoje eu resolvi fazer esse cruble também, ele tá ali no forno, quando ficar pronto eu conto. Mas não to com esperanças não, a cara não ta boa, e assim... acho que foi a primeira, não, a segunda vez que eu resolvi fazer alguma coisa na cozinha. Existe uma tolerância pra mim, né?

Rita disse...

E aí, Larissa??

O que deu???

larissa disse...

Deu errado. A minha cobertura ficou horrível, depois notei que usei manteiga com sal, entre outros erros. Enfim, foi frustrante, mas um dia vou tentar novamente.

Rita disse...

Larissa, não desiste não. Já perdi a conta de quantas receitas destruí com minha incompetência, mas cada acerto faz tudo valer a pena. :-)

Boa sorte na próxima vez!

Rita

 
©A Estrada Anil - Todos os direitos reservados. Layout por { float: left; }