Mato bom



Um intervalo de tudo, sem internet, sem telefones, sem relógios. Um lugar onde o compromisso mais agitado do dia variava entre um passeio de charrete, um café colonial no final da tarde ou um cochilo na rede. Dias longos, preguiçosos, nublados ou com pouco sol - e eu jamais me atreveria a reclamar de nada (e bem sinceramente? Eu não estava nem aí pro sol). Dias de deslumbramento para as crianças, mergulhadas em um mundo verde, com cheiro de mato, comilança a toda hora, brincadeiras o dia inteiro, filminhos, piscina, pé na areia, corridas na grama, bola, novos amigos. Para nós, fazer de conta que a vida é simples. E o melhor: sem mosquitos! Quem aí já viu um hotel fazenda sem mosquitos? Pois então.


Fugimos do mundo, caímos na gula, brincamos de férias. Fomos e aprovamos nosso "refúgio" e para lá voltaremos outras vezes, certamente - e recomendamos. Nem em nossos planos mais otimistas conceberíamos um lugar com tamanha estrutura para as crianças: passamos o feriadão em um hotel fazenda no interior do interior do interior de Santa Catarina e lá contamos com passeios a cavalo, charretes, pescaria, pedalinhos, bicicletas, quadras de todos os esportes de que consigo lembrar, tirolesas, trilhas, piscinas frias e térmicas, salão de jogos, atividades do campo para as crianças (alimentar bichinhos, agarrar bichinhos, fugir do pavão, essas coisas), oficinas infantis com uma baita equipe de recreadores, várias áreas ambientadas para a garotada, enfim, o céu. É bem verdade que praticamente não desgrudamos de nossos pequenos, porque falta em mim aquela engrenagem que permite largar as crianças na mão dos recreadores e só encontrar com eles horas depois, ainda mais em um lugar cercado por piscinas, lagoas, ribanceiras, eh, não, obrigada, posso ir junto? Mas era bem isso que queríamos: brincar junto. E foi delicioso. Ainda assim, contamos com a comodidade de uma salinha de cinema ao lado do restaurante, onde os pequenos, já alimentados, assistiam a filmes enquanto a gente comia logo ali - não é uma delícia? E em um momento de intensa superação, Arthur seguiu com "a turma" para um picnic - sem mim. Eu seria a única mãe por lá e a recreadora gentilmente me mostrou que tudo na vida tem limite. Tá bom. Mas convenci uma mãe tranquila a pular pro lado das neuróticas e, momentos depois, estávamos no meio do caminho esperando o retorno "da turma". Sou ridícula?

Arthur, descendo na tirolesa. Amanda também foi, mas vou ficar devendo a foto.

Será que ele vai morder minha mão?

Amanda, correndo atrás da galera.

Arthur, enterrando o tesouro bem enterrado - nunca mais achou.

De quebra, o lugar exibe agora uma decoração de Natal de sonho - e mesmo quem não gosta é forçado a admitir que eles capricharam.


Meu filhote viveu momentos extras de ternura, encantado que ficou com sua amiguinha de final de semana. A dupla não se desgrudou e era a coisa mais fofa de se ver nesse mundo inteirinho.

 Será que ela não vem? - longos momentos de angústia

 Sempre valia a espera.

E para a abundância de atividades, abundância de comida. Socorro. Comemos mui-to. Comíamos o dia inteiro - o restaurante oferecia quatro refeições diárias para ninguém voltar para casa com o mesmo peso. Objetivo alcançado com louvor. Destaque meu para o café de final de tarde, com uma impossível oferta de doces do céu. Já falei céu? Pois é, fica lá.


É isso. Aos poucos vou voltando, lendo uma coisa aqui outra ali, retomando os posts. Pensei no blog algumas vezes, mas confesso que adorei esse momento-mato (tudo bem, tudo bem, era "mato" com estrutura de cidade, mas sem laptop ou telefone!). Estava precisando teclar menos e me espreguiçar mais - volto renovada. E daqui a um mês já tem férias - hohoho!

Meu marido, um homem sério.


Fica a dica para quem procura um lugar perfeito para uma temporada com conforto e diversão para a família inteira (inteira mesmo: há programação para TODAS as idades, vão por mim), ar livre, movimento (ou não, as redes estão lá), com ou sem crianças, boa comida, excelente atendimento e um visual de encher os olhos. Se alguém quiser, indico o site do lugar lá pelo twitter (@Rita_Paschoalin). Aff, voltei, né: twitter e tal. É isso.

14 comentários:

Juliana disse...

ê, delícia!!

Borboletas nos Olhos disse...

Que delícia de feriado! E que post tão gostosinho, quase, quase eu senti o gostinho dos doces e o cheirinho de mato (que adoro!)...aí eu fiquei pensando: deusdoceu como tem canto legal/bonito/interessante no mundo que provavelmente nunquinha vou ver...porque, né? nem que eu ganhasse na mega-sena e passasse o resto da vida viajando (meu sonho dourado) dava pra ver tudo que tem por ai...Enfim, viajei na maionese, vou aproveitar a desculpado último comentário, deve ser efeito do feriado ;)

Angela disse...

Que lugar lindo mas ja sabes o que mais adorei nesse post nao eh? Fotos dos pequenos!! Tao lindos, grandes, e lindos! Bem vinda de volta, estavamos com saudades.

HG disse...

Ow delícia!!!
E que lgar lindo e atraente...
Que bom voltar-se pra si, pra família e esquecer um pouco do resto do mundo... faz bem!
Beijos

Amanda disse...

Eu tinha pensado na palavra perfeita pra descrever seu feriado, mas ai três das quatro comentadoras roubaram ela de mim! Mas isso so prova que ela era perfeita mesmo: delicia!!

Tirar férias da internet e do telefone é importante mesmo, eu bem que tô precisando! Vcs ja acamparam com as crianças? Deve ser super gostoso tbm!

Beijos!

disse...

Férias de tudo num lugar desses era tudo o que eu queria neste momento!

Wonderwoman disse...

Delícia demais esse post.
Invejei cada pedaço, mas essa inveja de querer igual e não querer para si, pode.
Beijos

caminhando pelos caminhos disse...

Podes me informar que cavalo eu devo montar para chegar a local tão bonito? Beijos

Anônimo disse...

Oi Rita

Eu sempre acompanho seu blog, mas hoje não podia deixar de comentar que conheço o lugar e também acho maravilhoso. :) Aliás, o interior do interior do interior de Santa Catarina é a cidade onde eu moro... risos Mas para nós daqui, Gaspar é uma cidade tranqüila e uma alternativa de vida... Pelo menos por enquanto.

Abraços

Regi

Patricia Scarpin disse...

Eu já estava babando nesse passeio antes mesmo de ver as fotos. Delícia, Rita! E o fato de ser mosquito-free me conquistou ainda mais.
Rolando de rir de vc pagando mico com a recreadora e sendo "convidada" a não participar da atividade. :D
Adoro ver fotos dos teus pequenos, eles são lindos, mesmo.
Beijo!

Claudia Serey Guerrero disse...

Rita!

adorei!!! que coisa mais fofa Arthur e a amiguinha!! Acho Amanda cada vez mais parecida contigo.. sao lindos demais! beijinhos,
Claudia

Rita disse...

Olá, pessoas em terça como se fosse segunda.

Juliana, tudo lindo demais, né?

Luciana, ah, não dá pra ver tudo não. Minha lista é do tamanho do mundo porque eu queria ver tudinho também, mas aí a gente aproveita sempre que dá. :-) Beijocas.

Anginha, lembrei de vocês por la´, as crianças certamente adorariam e nós faríamos um tantinho bom de farra juntos por lá também... bj...

HG, lindo, né? E é mesmo bom "sumir" de vez em quando. Dá pra sumir em casa também, mas viajando é melhor. ;-)

Amanda, hum, vc fala "delícia" e eu só lembro da comilança. Será porque hoje mal tinha tomate na minha casa? :-/

Dé, hum, foi tão legal. Mas já estou contando as semanas para as férias de verdade outra vez. Aff, que coisa isso, né? :-)

Wonderwoman, pode invejar, sim. O nome que aprendi recentemente para isso é "alegria alheia". :-)

Caminhando, lindo, né? Muito legal mesmo.

Regi, que bom que você comentou! Eu já passei por Gaspar antes, mas muito rapidamente. A impressão que tive foi exatamente a de ser um lugar muito tranquilo. E tranquilidade é tudo que quero de vez em quando. E o "interior de Gaspar" entrou pra minha lista top de lugares agradáveis. Adorei, você viu, né? Abração!

Patricia, obrigada pelos elogios aos meus pequenos. Ah, eu sou uma mãe bem ridícula às vezes. Outros recreadores me deram tocos mais discretos e eu fingi que não percebi. :-) Bj, aniversariante do feriado!

Claudinha, vc viu que coisa mais gostosa? Ah, ele esperando por ela, confesso, cortava meu coração de mãe babona. Ainda bem que ela chegava e aí tudo ficava bom. :-) E obrigada por achar a Amanda parecida comigo, considero um elogio gigantesco! :-)

Beijocas, vocês!

Rita

Amanda disse...

Rita, to voltando aqui pq esqueci de comentar do Arthur! Achei linda aquela foto dele de mãos dadas com a menina! E fiquei lembrando que na minha infância eu não faria isso de jeito nenhum, pq morria de vergonha! Sempre tinha alguém pra dizer "ohhhhh, ta namorando! Olha o namorado, hahahaha" e eu sabia que estavam me zuando e ficava muito ofendida (sem ter consciencia, claro)! Hoje tomo conta de duas crianças de 3 anos e elas sempre se beijam na boca na despedida e eu nunca faço piadinha pra não intimida-los. Fico puta com essa mania de constranger as crianças! Pelo jeito seu Arthur esta crescendo sem neuras, né? Que otimo!! Um beijão!

Rita disse...

Oi, Amanda!
Olha, a gente evita usar palavras como namorado, apaixonado, essas coisas, porque, na nossa opinião, não tem muito a ver com o tipo de carinho que eles experimentam nessa idade. E tem funcionado bem, sem qualquer constrangimento diante das manifestações de afeto normais (e lindas) dessa fase. Outro dia ele ate falou que queria namorar fulana e tal e eu expliquei que só pessoas maiores têm namorados e namoradas; ele continou: eu sei, mãe, tõ falando que vou namorar fulana quando eu crescer. Pronto, normalzinho, né? Eu detesto constranger as crianças com piadinhas e insinuações cheias de malícia, acho de muito mau gosto. No final de semana, ele estava muito envolvido com a amiguinha, sentia falta dela quando as famílias se separavam por alguma razão, mas em nehum momento eu ou Ulisses usou expressões com conotações de paixão, namoro, essas coisas. Acho que é por aí.
:-) Adorei seu comentário. E estou esperando sua listinha "eu já..."!!

Beijocas,
Rita

 
©A Estrada Anil - Todos os direitos reservados. Layout por { float: left; }