Falácias e silêncios



Olha, eu não estou nem aí pra esse papo de aborto agora. Quem abortou, quem não abortou, quem é favor, quem é contra. Eu acho que o assunto deve ser discutido, sim, porque não é possível que a gente opte por brincar de ignorar que mulheres morrem no Brasil todos os dias em clínicas clandestinas. Mas eu não estou nem aí para esse papo do aborto na campanha eleitoral. Não é a hora. Seria a hora, se o debate girasse em torno de se buscar uma solução para o problema, mas obviamente o foco é outro, o foco é não ferir a fé das pessoas, é manipular crentes e seguidores e ganhar votos. Então eu não queria falar disso, só para não dar a impressão de que entrei na dança.

Mas.

Eu quero expressar o meu profundo nojo por líderes religiosos que, conscientes do poder manipulador da fé, tentam fazer seus seguidores de idiotas. Eu tenho nojo, profundo. E não estou sozinha, obviamente. E lamento muito que a campanha da Dilma tenha passeado por essa conversa criada para desviar o foco do que realmente importa. A coisa melhorou na campanha nos últimos dias, mas a mancha ficou.

E também quero expressar o asco que sinto por alguém que aparentemente conhece de perto o trauma gerado por um aborto (sempre esperando que a outra parte se pronuncie, já que ainda não sabemos se a esposa do Serra confirma seu aborto - o que, ressalte-se, não seria, a priori, em condições normais de temperatura e pressão, da conta de ninguém) tenha a desfaçatez de promover uma campanha pautada no tabu e em acusações de baixíssimo nível, do naipe de ela é favorável à morte de criancinhas, ou coisa que o valha. É impressionante.

Por fim, expresso mais uma vez, minha náusea diante de uma imprensa que não está interessada em informar. Eu quero, sim, que todo e qualquer caso de corrupção venha à tona; quero que a imprensa e a sociedade civil fiquem de olhos bem abertos para cada passo do governo; quero transparência, debate e empenho. (E isso é outra coisa de que gosto muito no Brasil: cada um é livre para dizer e publicar o que lhe der na telha. Se usam essa liberdade com responsabilidade, aí já é outra história.) Mas quero também um mínimo de respeito à inteligência dos leitores e telespectadores. Repito aqui um dos meus tweets de ontem: imaginem o alarde que a imprensa faria se a Dilma fosse parte em dezessete processos diversos, além de três por improbidade administrativa. Eu não estou acusando Serra de nada: ele pode vir a ser inocentado em todos os processos e, no Brasil, ninguém pode ser considerado culpado até o trânsito em julgado de qualquer ação. Meu ponto é antes disso: o fato de que ninguém se pergunta que relação existe entre esses processos e as administrações anteriores de Serra ou sua participação no governo FHC. Onde, na grande mídia, alguém leu alguma linha sobre isso? Eu quase posso ver o tom de falsa indignação contida do casal Bonner pronunciando lentamente dezesssssseeeete processos, im-pro-bi-daaaaa-de, caso fosse a Dilma e não o Serra. Sairia na Folha, no Fantástico, seria capa daquela revista e o Boris Casoy daria uma festa.  

***

Mas meu sábado teve churrasco com jogo da verdade em que os casais presentes relataram, entre gargalhadas e muito barulho, encontros e reencontros, descreveram qualidades apaixonantes e revelaram defeitos inaceitáveis (#not) de seus respectivos. Na roda, gente que está junto desde os 14 anos de idade, gente que se conheceu pela internet, gente que se ama desde que se conhece por gente, gente que quase perdeu de vez, mas reencontrou (o/), gente que bateu o olho e já sabia... todo mundo orgulhoso de sua cara-metade e que trouxe para a madrugada do domingo momentos para lembrar depois.

Ter amigos é tudo de bom.

***

No sábado Amanda montou sozinha seu quebra-cabeças de 60 peças. Arthur montou o de 200. Não, isso não é relevante para muita gente, mas vocês entendem, né: de vez em quando esse blog é só um diário de mamãe coruja. Pra lembrar depois.

9 comentários:

Sara disse...

Como ando escrevendo por aqui ultimamente... acho que é pq não consigo largar desse viés político da internet desde o dia 3 de outubro... mas só faltam duas semanas, ainda bem que meu marido estará longe até lá! Depois eu sumo de novo, serão milhões de outros problemas de fim de ano depois do dia 31, Dia da Bruxa! Vampiro não, Oxalá!
Quanto aos temas religiosos na política, acho que a campanha eleitoral perdeu um grande oportunidade de ficar calada. Mas também serviu para desmascarar um pouco mais a sordidez e a hipocresia de alguns. Só quero ver a cara do Chirico Carola no debate de hoje, se fazendo de vítima de difamação por causa dessa estória do aborto na família dele. Sou daqueles que acredita que essa estórinha só foi parar na Folha para ser usada por ele no debate de hoje.

Mudando de assunto, invejinha desse encontro de casais! Adoro encontro de casais! Queria estar lá para poder falar do meu, que depois de três anos sendo um casal separado (funcionando muito bem, obrigado), passará a ser um casal unido sob o mesmo teto a partir do ano que vem...
Para falar até da minha mãe!! Que depois de 55 anos e duas produções independentes encontrou um amor para chamar de seu e também vai juntar os trapinhos ano que vem!!!
E que os deuses da paciência nos abençoem!!! hehehe

Bjk

Borboletas nos Olhos disse...

Rita, primeiro o mais importante: parabéns à Amanda e Arthur, montar quebra-cabeas assim, deste porte, é motivo de alegria e júbilo. Aliás, quebra-cabeça foi, por um bom tempo, a principal diversão do meu Samú.

Segundo: entrei de vez na campanha. Na outra. Na Mudando de Assunto, rsrrs. Mas ainda estou por aí, na net, comentando, badalando, divulgando e, por vezes, me indignando, como quando entra esse papo quem abortou quando e porque. Tô fora.

Mas, sério, você não acha que falta o número 13 nas propagandas da Dilma? E no horário eleitoral? Alguém tem que dar um toque pra esses marqueteiros que a gente vota digitando um número, né?

Por fim, que delícia tantos amigos juntinhos assim. Bom demais.

HG disse...

Rita...
1- Concordo e compactuo com sua indignação;
2- Encontrar e compartilhar com amigos é sempre um bom programa. Deu até inveja (branca!);
3- Que fofos seus filhos e o puzzles... Dei de presente ao meu afilhado um de 100 peças. Ele tem doze anos. Riu e me disse: -madrinha, eu já monto de 1000!
bjs

HG disse...

* Dei quando ele tinha 10 anos...

Glória Maria Vieira disse...

Eu nem abro a boca pra dizer mais nada. Quer dizer, só quando alguma acusação do tipo "SPAM" é blasfemada, daí é inevitável eu não falar, no mínimo, que são todas... todas especulações da oposição.
E depois, que feliz reencontrar amigos. É sempre muito, muito bom mesmo! E enqnt aos seus babys, que fofos! *-*

Danielle Martins disse...

1. Também indignada!
2. Amigos, amigos, amigos sempre!Antigos, novos, blogueiros...
3. Adoro quebra-cabeça, adoro crianças, adoro brincar!
Beijos!

Rita disse...

Olá, pessoas.

Sarinha, e não é que, de repente, o aborto saiu de cena... incrível, não? ;-)

Borboleta, obrigada. Sou muuito coruja, né? Eu sei. Olha, eu acho que o 13 tá muito associado ao PT já. Mas, com certeza, não faria mal algum reforçar um pouquinho a imagem. Beijocas!

HG, hahahaha 100 peças para um garoto de 10 anos... é, vacilou, hihihi. ;-) Eles curtem quebra-cabeças, é? Eu adoro até hoje. Bj!

Glorinha, tá difícil o negócio, viu? Mas acho que estou mais desencanada agora. Beijocas procê.

Danielle, pois é. Ainda bem que meu final de semana teve mais amigos e brincadeiras do que chateação. Mas acho que esse é um bom momento para transformar indignação em bom discurso. Nem sempre a gente consegue, claro. :-(

Beijocas!
Rita

Angela disse...

Dificil quando parte da populacao nao consegue o foco para fazer uma avaliacao objetiva do que realmente ha de ser avaliado durante uma eleicao... acontece em tantos paises do mundo :(

Mas quanto aos quebra-cabecas, tenho tambem um milestone para dividir com voce. Eu fiz o teste outro dia, e quando falei para Ju "ta brincando de quebra-cabeca?" ela nao mais pos a peca em cima da cabeca dela com aquela cara de "aqui mama, consegui...". Parece que finalmente aprendeu que eh assim que a mama chama o puzzle e que nao, nao estou pedindo para por o brinquedo na cabeca. Heh... uns com tantos, outros com tao pouco :D

Rita disse...

Anginha, hahahahahaha! Ai, ai, brinquedo na cabeça. A fofa!

Menina, eu não aguento mais essa campanha. Já pode votar?

bj
Rita

 
©A Estrada Anil - Todos os direitos reservados. Layout por { float: left; }