A rainha das gafes



O post de ontem trouxe algumas pequenas surpresas e a lembrança de um lado meu que eu descartaria, se pudesse. As pequenas surpresas ficaram por conta de uma esposa de ex-aluno me seguindo no twitter e de ex-aluna lendo o blog. Adorei, adorei, adorei. Já a lembrança do que não gosto em mim fica por conta da minha memória visual quase inexistente. Então a esposa do ex-aluno me diz que é casada com o Fulano e eu fico aqui às turras com meus quatro neurônios tentando me lembrar do rosto do tal Fulano. Morro de vergonha. Mas eu sou assim, demoro a memorizar rostos e se passo muito tempo sem ver alguém (claro que amigos próximos não entram nesse grupo), sou capaz de, ao ver a pessoa novamente, não reconhecê-la, pelo menos não de imediato. Eu nem deveria assumir isso assim publicamente, corro o risco de alguém achar que não presto atenção às pessoas que me cercam, mas estou sendo bem honesta: não é menosprezo, descaso ou falta de interesse. São distração e memória ruim mesmo.

E aí, conversando sobre isso com o Odisseus, lembrei-me de alguns episódios que vivi, ou melhor, enfrentei por causa dessa minha desorientação visual. Selecionei "a nata" para meus leitores queridos. Vou dividir com vocês as lembranças que tenho de três desses momentos e vou narrá-las em ordem crescente de desespero: do engraçadinho ao que me fez querer morrer. 

Momento um: das alunas gêmeas. Claro que o destino iria colocar no meu caminho uma dupla de irmãs gêmeas idênticas como alunas. Chega a ser clichê, tá Sr. Destino? Humpf. Então imaginem "Ana" e "Maria". Lindas, i-dên-ti-cas. Se eu fosse uma pessoa normal, resolveria o problema no primeiro minuto, a cada dia de aula: perguntaria quem era quem e memorizaria a roupa da Ana e a roupa da Maria, certo? Ou gravaria pelo lugar na sala: a da esquerda hoje é a Ana. Mas minha vida não é assim tão simples, então eu tentava, mas depois da terceira tag question já não sabia mais quem estava de vermelho, se Ana ou Maria, e muito menos quem estava sentada onde: hum... quem é a da esquerda, mesmo?, perguntava-me aflita, enquanto os alunos analisavam algum exercício. Meu único momento de certeza se dava quando cruzava com a Maria na faculdade: só ela estudava lá, a Ana fazia curso eu outro campus, disso eu não me esquecia. Então, certo dia, cumprimentei tooooda me achando: bom dia, Maria! Mas era a Ana, que tinha ido à faculdade buscar um trabalho para a irmã. Ah, faz favor, né? (Beijos, "Ana" e "Maria"!)

Momento dois: do pulo no shopping. Seguíamos eu e a Si (oi, Si, lembra?) por um shopping center daqui de Floripa, tagarelando após o almoço. De repente, olha que coincidência, demos de cara com uma colega do doutorado, com quem tínhamos tido aula naquela manhã! Só eu vi a colega, a Sinara não. Porque não era a colega. Mas eu achei que fosse. Então assim que a não-colega se aproximou de nós, porque estávamos no caminho dela, pulei (pu-lei) em sua frente e gritei, para dar um sustinho de brincadeira (eu podia ter só dito um "oi", mas não, eu gritei), oooi, Fulanaaaa! Delicadamente, a Si me puxou para o lado, liberando o caminho da moça atônita e me dizendo pelo amor de Deus, Rita, não é a Fulana, não tem nada a ver com a Fulana. Mas não acreditem nela, gente, a moça era parecidíssima com nossa colega. Juro.

Momento três: da colega de dança que não era minha ex-aluna. Durante o tempo em que fiz aula de dança aqui em Floripa, tive uma colega que era a cara de uma ex-aluna do tempo do curso de inglês lá de Campina Grande, a quem eu tinha dado aulas quatro ou cinco anos antes. Não éramos muito próximas, eu e a colega de dança, nem conversávamos muito, só o básico do bom coleguismo. Sempre me lembrava da aluna quando via a colega da dança, mas nunca comentei nada com ela. Certo dia, vou saindo do condomínio onde morava aqui em Floripa para ir ao supermercado. Vou lá atravessando a rua, quando dou de cara com a colega de dança. Mas naquele momento, o meu cérebro me disse que aquela era a ex-aluna do inglês de vários anos atrás. Então eu fiz a maior festa desse mundo e demonstrei com genuína alegria toda a minha surpresa por dar de cara com aquela ex-aluna tão querida, lááá de Campina Grande, aqui em Floripa, na minha rua, olha só! Então olhei para ela (que me cumprimentou com a mesma discrição com que sempre me cumprimentava na academia, porque ela era uma pessoa aparentemente equilibrada), abri a boca e arregalei os olhos de espanto e saí falando como uma louca. Acompanhem, tendo em mente que eu estava conversando com alguém com quem só trocava boas tardes e encontrava duas vezes por semana, toda semana:

Eu: - Meudeusdocéu-que-coincidência-in-crí-vel! O que você tá fazendo aqui???
Ela, desconfiada e meio tímida: - Eu.. moro aqui.
Eu: - NããÃÃÃãããuuuoooô! Eu TAMBÉM! Moro ali, naquele condomínio!
Ela, certa de que eu não andava bem: - É... eu também.
Eu: - Menina, não é incrível? Que coisa boa te ver aqui!! Faz tempo que você veio pra cá?!!
Ela: - Ah, faz um tempinho...
Eu: - Ai, guria, que legal. Olha só, tô com pressa agora, mas aparece lá em casa depois, qualquer hora, moro no 302, tá? Adorei te ver,  que bacana!
Ela, certamente aliviada: - Tá bom...

E segui meu caminho, toda apressada. Até que, minutos depois, não sei por quê, meu cérebro entrou nos eixos e me dei conta de que tinha me confundido completamente. Não era minha ex-aluna do Nordeste, era a menina que dançava comigo. Toda semana. Com quem eu mal conversava. Evidentemente, na aula seguinte enfrentei a vergonha, a vontade de enterrar a cabeça no buraco e fui falar com ela (juro que tive a impressão de que ela ficou um pouco com medo, mas devo ter sido convincente em minha explicação porque até passamos a conversar mais depois disso). Expliquei que tinha me confundido e que ela era a cara da minha ex-aluna, bla bla bla. Mas o mico já estava pago à vista e sem desconto.

***

Apesar do título do post, não tenho o menor orgulho de ocupar esse trono e adoraria passar cetro e coroa adiante. Sendo assim, declaro aberto o concurso Estrada Anil de gafes. Conte a sua e faça com que eu me sinta melhor! ;-)

***

E a segunda fase do outro concurso tá quase acabando!

20 comentários:

Wonderwoman disse...

nooosssa, vou ter que pensar muito pra escolher porque sou mestre em gafes tambem!!! adorei o post.

Camilla

Borboletas nos Olhos disse...

Bem que eu queria não disputar este posto, mas sou exímia em gafes. Só que não me limito às que demandam memória, ah, não. Sou boa também em derramar coisas, sentar no colo dos outros, rir alto em situações sérias,dizer a única coisa que não deveria ser dita no exato instante em que todos se calam e por aí vai. Mas nem adule, não dá pra contar. Uma das minhas especialidades gafísticas (existe isso?) é não lembrar dos momentos nem das histórias, só das sensações...deve ser pra não morrer de vergonha.

Luz! disse...

Eu não chego a ganhar um concurso de gafes mas, olha, meus micos são pequenos, porém quase todo dia pago um.
Hoje mesmo eu, que ia resolver umas coisas no colegiado da faculdade e acaber me atrasando prum seminário, encontrei o professor e disparei a me justificar. Fiquei uns dois minutos diante dele, pedindo pra me atrasar um pouco. Daí, finalmente, eu notei sua cara de "ahn?" e, advinha, não era ele!
Agora, eu não sei como consegui confundir um PROFESSOR! uma criatura que eu vi milhões de vezes na minha frente dando aula. eles eram parecidinhos, mas, né, não precisava...

ADOREI O POST!

Ri demais! :)

Tina Lopes disse...

Páscoa no interior, a primeira vez na casa da sogra, chamam para a mesa e eu, morta de fome, escolho um lugar e sento, rapidinho - no que sou puxada pela mão pelo marido. Estavam todos, uns 20 membros da família, em pé e de mãos dadas pra rezar antes. Ooooops! e eu me senti lá embaixo, olhando todos tão altos em volta de mim... ;)

Ana Flavia disse...

hehehe muito engracado. mas, entao, vc esclareceu o equivoco e manteve ou nao o convite para o cafe?
Eu teria pretendido que nao fosse engano nenhum: diria assim na aula seguinte "oh veja bem, a gente mora no mesmo predio, vem na mesma academia, vá lá em casa mesmo tomar o café, hein?"

Dária disse...

Saindo da aula num cursinho um garoto escandaloso grita meu nome, corre em minha direção,me abraça, pergunta como anda a faculdade, demonstra saber que me fomarei no fim do ano... e tudo o mais direitinho. Abracei de volta e respondi como se tivesse morrendo de saudades.
Depois que ele saiu tive uma crise de riso, e meu namorado sem entender, achando que tivesse só lembrando de um fato engraçado com o tal garoto, ficava perguntando pq eu tava rindo e quem era, e eu sem conseguir mandar ele calar a boca. Quando finalmente consegui responder que não tinha idéia vi que o menino ainda estava perto, até hoje não sei se ele ouviu.

Mas procurando muito, parece que era o namorado de uma colega minha =)

Tenho milhões de outras historinhas assim hahah

Patricia Scarpin disse...

Rita, duas no mesmo dia: saio com uma colega para comprar materiais diversos - o 3° ano do magistério era responsável por enfeitar a escola na época do Natal. Nossa dupla fica com a sala dos professores. Entramos numa loja de velas e a mocinha no balcão estuda na nossa escola (não na mesma turma, ela era do 2º ano). Ficamos conversando um tempão (a loja estava vazia), viramos as costas e saímos. Pergunto pra amiga, "vc pagou?" - "não, foi vc quem pagou". :S
Resolvemos ir para o shopping comprar outras coisinhas, com 3kg de velas embaixo do braço. A sacola estourou na minha mão e eu estava no topo da escada rolante - dá pra imaginar o desespero? Cachoeira de velas vermelhas e brancas, de certo acharam que eu fosse macumbeira. Essa parte virou post há um tempão:
http://technicolorkitchen.blogspot.com/2008/06/biscoitinhos-de-ma.html

Depois dessas vc vai continuar sendo minha amiga? :D

Beijo!

Borboletas nos Olhos disse...

Um rápido PS...adorei o resultado da segunda etapa do concurso da Lola. Ok, eu sei, eu sei, não é um concurso de verdade, whiskas sachê, mas achei muito justo. Bjs

Danielle Martins disse...

Eu ia comentar que uma certa borboleta tem momentos bem parecidos com os seus mas ela mesma já se adiantou em contar. É bom rir da vida!Abraços!

kaka disse...

Todos tem gafes...amiga fique calma!!!hahahahaha morri de rir com seu post e fiquei me lembrando das minhas gafes nestes anos de atendimento a pais...chamar pai de avô...perguntar para a madrasta aonde está a mãe? etc...

Sinara disse...

rsrsrsrsrsrsrs
Tô bolando de rir!!!! Lembro dos dois casos: do shopping e da colega de dança... Lembro de você contando, acho que a mim e a Si Ratis... morta de vergonha!!!! rsrsrsrsrs
Agora, fico na dúvida: será que as 'gafes' fazem parte da completa falta de orientação? Estava lembrando disso ontem, da gente desorientada aí em Floripa, mesmo depois de ANOS morando aí, pois estava em JP com umas amigas de Letras e elas morreram de rir de mim: não acertava NUNCA o caminho pro quarto do hotel, a direção no trânsito, os caminhos na UFPB... Cheguei a perguntar a um senhor onde ficava a sala 514 (onde iríamos apresentar trabalhos) e elas saíram me puxando: 'olha a sala AQUI." Estávamos em frente a ela... Lembra que a gente vivia desorientada, assim? Melhorasse? Eu não!!! rsrsrsrsrs
Bj!

Caso me esqueçam disse...

huahuahuahuauhahuahuahuHUAHUAHUAHU

eu ri muuuito com o ultimo relato! li umas tres vezes! fiquei imaginando voce super simpatica la, mas o bom foi imaginar a cara que voce deve ter feito depois de ter se dado conta do ocorrido hahahaha eu senti essa sensacao, talvez tenha acontecido coisa parecida comigo, mas nem vou fazer o esforço de lembrar. talvez o cerebro tenha apagado a informacao como forma de me proteger :D

ah, e sabe que eu sou justamente o contrario? eu guardo os rostos com extrema facilidade. coisa de ver uma vez durante dez segundos e guardar por dez anos. mas isso eh horrivel! porque eu sou pessima pra nomes (erro ate o meu me apresentando), entao, quando vejo um rosto de alguem que nao sei o nome, fico horas tentando lembrando quem porra eh aquela pessoa. camilo que fica agoniado "pronto, la vai ela, perdi a namorada". porque, enquanto eu nao achar o nome da pessoa, a origem dela, eu nao penso nem faço outra coisa hehehe

Caso me esqueçam disse...

ah, e adoreeeeei as fotos da amanda! muito linda! a foto em que ela faz "tres" com os dedinhos eh pra ser colocada num porta-retrato bem bonito!

Rita disse...

Olá, distraídos de plantão. Talvez eu não consiga passar por aqui hoje, mas saibam que li todos os relatos e que volto depois para devolver as risadas. :-)

Beijos
Rita

Angela disse...

Chorei de rir com esse post. Conseguir imaginar direitinho tua expressao, reacao, ihih.
Eu sou muito desastrada e de tantos episodios dois me vieram na cabeca rapidinho, por que sao meio que o cumulo.
Uma vez entrei em uma loja com minha mae, vi uma conhecida e dei um rapido Oi!, daqueles bem de passagem. Segundos depois precebi que 1. estava vendo a reflexao da conhecida em um espelho, nao a propria. 2. A conhecida era eu mesma.
Eu tambem esqueci do meu proprio aniversario uma vez. Estavamos no maior banho de mar, e la vem Edmilson (professor de ingles). Se juntou a nos, e em algum momento perguntou minha idade. 12. Completa 13 quando? 19 de fev. Eh hoje!!! Parabens!...

Rita disse...

Agora, sim, estou aqui. Olá, pessoas "gafentas".

Oi, Camilla. Estamos esperando seu relato. Não se acanhe... :-)

Olá, Borboleta Cujo Post Está Participando do Concurso da Lola, tudo bem? Menina, estou sabendo que você se define como estabanada, mas vai precisar ser mais específica se quiser herdar o trono, hein? Morrer de vergonha é aqui mesmo. :-D Bj!

Ai, Luz, essa sua história do professor que não era o professor é a minha cara! Nossa, "totalmente mim" isso aí, hehehe. Bj!

Tina, levanta pra rezar, herege! hahahaha

Ana Flavia, não, também aumentei a gafe e não mais convidei para o café. Sou uma lady, diga aí. Bj!

Dária, olá! Menina, essa então de conversar horas sem saber com quem.... pff, fiz também. Mas aí vejo que é mais comum e tem um monte de gene por aí que faz também, né? Toque aqui, colega. Bj!

Rita disse...

Patricia, sua caloteira! Tem vergonha não? hahahaha Puxando papo com a vendedora só pra sair no lucro, tsc tsc, a que nível desce o ser humano, hahahahha. Joking! Esquenta não, querida, acontece. Não muito e não com pessoas normais, mas acontece, hahahaha! Sorry. Bj!

Borboleta, muito obrigada, querida, de verdade. Estou na torcida pelo seu post, viu? (Pessoas, leiam o post da Borboleta na terceira etapa do concurso do blog da Lola, hein?) Bj, querida.

Danielle, pois é, tô sabendo...;-)

Putz, Kaka, "cadê a mãe" pra madrasta foi dose... hihihi Imagino a cara da cidadã. :-)

Oi, Si, minha salvadora. Nada, continuo a mesma desorientada de sempre. Uma vergonha. Bj!

Oi, Luci. Bom, fico feliz por saber que você riu, outro dia você me disse que um post meu te fez chorar - veja que blog versátil este... Olha, eu já passei dias tentando lembrar o nome de um jurado do Sílvio Santos, vê se a pessoa tem o que fazer. Era o Wagner Montes. Ufa. Bj! Ah, a fotinha da Amanda vai ganhar moldura sim. Obrigada! Bj.

Oi, Anginha! HAHAHAHAHA Você também já disse isso, né: "oi, Anginha" hahahahahaHAHAHAHA - tonta! hahahahaha! E, ó, obrigada por tirar de mim o peso de todas as vezes que esqueci teu aniversário. Valeu! hhahahahaha Bj!

Ai, gente, obrigada pelos momentos bons no dia de hoje. Foi um dia bem pesado, amanhã divido tudo com vocês. Beijocas e MUITO OBRIGADA a quem votou no concurso de blogueiras. O Menina Pode Sim passou para a fase final com quase cem votos, nossa, achei uma multidão de votos! Obrigada, de verdade! Beijos e boa noite.

Rita

Glória Maria Vieira disse...

Ai Rita! Eu sou uma pessoa dotada de micos. Relaxe que faz parte até do meu dia-a-dia! UAHAUHSUAHSHAHSHAHSHA

Um dia desses eu fui comprar pão, né?! Daí eu tava com um daqueles blusões de praticar esporte e coloquei a bola que eu tava dentro do blusão. Pois não é que uma senhora me cutucou na fila pra perguntar se eu não queria passar à frente dela já que eu estava "grávida". AUSHSUHUAHSHAHSSHAHSAHUSHAUHHSAU MORRI, NÉ?! Porque eu nem de longe parecia que estava "prenha". AUHUAHAUHSHAHSAUSHAHSHAH

PODRE, mas superei a base de uma dietazinha que só durou um diazinho. AUSHSAUHAUHUHASUHAUHAUHS

Adoreeeei seus relatos, tá?! (Antes que eu esqueça de comentar!:D)

Claudia Serey Guerrero disse...

Eu tenho uma boa tambem.. Estavamos; Eu e Yuri na Universidade, numa cantina que existia antes, perto do DART. Eu eu disse: Yuri, Yuri.. ele ficou olhando para mim.. e eu nada... continuei tomando minha coca.. ai depois eu disse, tu ouviu alguem disse: Yuri, Yuri... ele olhou para mim e disse: claro e foi tu mesma! hihihi estranho isso ne?
E essa é fresquinha:
Ontem cheguei do supermercado aqui na universidade as 14h, me conectei no GTALK.. e enviei a essa pergunta a meu marido (apesar de nao ser para ele): Vc esta em casa? eu mesma me respondi.. Nao, ja estou na universidade.. :) ele ficou sem entender hihi, mas acho que era o que eu imaginava que ele iria me perguntar.. mas ai qdo ele viu esse "monologo" nao entedeu nada hihi..
Sera que estou bem???
beijinhos,
Claudia

Rita disse...

Oi, Glória. Olha, a pergunta que não quer calar é: você passou ou não passou na frente da mulher na fila? Hein, hein?? Hehehe. Bj!

Claudinha, você está competindo com a Ângela, não tá não? Estou achando que vocês andavam muito carentes, conversando com vocês mesmas, eu, hein... :-P Bem, confesso que ontem mesmo me mandei um tweet. Credo, isso pega. :-)

Beijocas!
Rita

 
©A Estrada Anil - Todos os direitos reservados. Layout por { float: left; }