O melhor boteco do mundo


  
Não existe centro no fractal. Nem na blogosfera.

Quando comecei a blogar, no ano passado, fazia pouco tempo que lia blogs. Comecei por um blog lindo que descobri por acaso enquanto buscava alguma informação sobre compostagem. Um link aqui, outro ali, fui descobrindo outros blogs (olha, que pessoa antenada, eu: isso foi no ano passado, gente; aff...) e vi ali um formato bem na medida para minha vontade de brincar de escrever.

Durante boa parte desse tempo, tenho ganhado muito com a blogosfera, mais do que eu conseguiria dizer aqui, provavelmente. É muito mais que diversão e exercício despretensioso da escrita. É, como disse a Juliana outro dia, uma janelinha por onde olho o mundo. Digo, mundos. É também uma tela feita de retalhos dos meus próprios mundos.

Mas essa tal janelinha tem se mostrado muito maior do que supus a princípio. É claro que gosto - quem passa por aqui com alguma frequência sabe disso - das conversas fiadas, das narrativas pessoais, dos registros de memórias, das abobrinhas (ai, adoro!), das viagens na maionese, das imagens, you name it. Mas  hoje enxergo um aspecto da blogosfera que a torna algo incomensuravelmente valoroso:  seu enorme potencial catalisador da democracia. 

Não somos mais reféns, hoje quase todo mundo pode falar. Não precisamos mais engolir sapos, hoje podemos discordar além das paredes de nossas salas. Hoje as notícias são reiteradas ou revisadas, questionadas, discutidas, vistas por ângulos outros, reforçadas, reviradas, como nunca antes se viu, em um ritmo tão dinâmico quanto o talento para inventar notícia de alguns jornalistas. Hoje bons leitores são também escritores para multidões, em questão de horas, minutos. Ficou mais difícil caluniar, disfarçar, acobertar, tentar iludir. Claro, estamos falando de humanos, então as possibilidades são infinitas, mas agora o nível é outro, porque há mais gente questionando. E aí os velhos donos da mídia precisam se reinventar. E, se não o fizerem, até acredito que sobreviverão, mas não mais com o status de outrora. Ninguém mais é dono da verdade porque as verdades às vezes são múltiplas, e ah, como é bom vê-las gritadas blogosfera afora.

Já havíamos, aqui em casa, comemorado timidamente, em papos ao redor da mesa, o bom que é essa pluralidade toda. Mas nesse momento histórico que nosso país atravessa, temos brindado com frequência à alegria de poder ter acesso a tantas janelas. Mas ainda é preciso escancará-las um pouco mais e levar a internet a cada recanto do país, cada escola, cada município minúsculo, cada vila. Para que todo mundo possa ver além da tela da TV, ainda tão monocromática.

Hoje estou aos beijos com a blogosfera, essa extensão ensolarada da nossa casa. Todo dia tem assunto bom, texto lindo (olha, Borboleta!), bolo bom e mentes inspiradas nos convidando a discussões apaixonantes. O mundo virou um grande boteco. Garçom, mais uma!
***

Gente, nem sei como agradecer pelos votos no concurso de blogueiras. Sintam-se abraçados. :-)

5 comentários:

Borboletas nos Olhos disse...

Rita, dessa vez você me enganou. Sem querer (acho). O Verissimo tem um texto que, se o título não é esse, é bem parecido. Ele fala do boteco quase perfeito e de como o achou em Lisboa e que seu único defeito é não ser em Porto Alegre. Enfim. Quando li o título do post me preparei pra ler sobre cervejinhas geladas, torresmo, paredes azulejadas e assuntos afins. Já estava pensando em contar minhas experiências....Que nada! Você vai e escreve um post estimulante e reflexivo sobre as oportunidades decorrentes da socialização do acesso à net. Surpreendente e construtivo, quem pode querer mais que isso? Mas, voilá, tinha um plus, um bônus, um brinde: meu nominho. Tô toda, toda...ninguém me aguenta hoje.

Rita disse...

Oi, Luciana.

Não te dá a sensação de que, às vezes, estamos todos sentados ao redor de uma grande mesa de bar, tagarelando pelos cotovelos? No twitter, então, o negócio é sério. :-)

Beijocas
Rita

Borboletas nos Olhos disse...

Sim, sim e sim, Rita. Só não esperava e ri-me muito. Foi um post surpreendente, o que é sempre um mérito. Bjs borboletantes

Angela disse...

Expansao de infrastrutura technologica e comunicacao de dados vai ter sempre um lugar especial em mim. Poderia dizer tantos Vivas que iria encher a pagina, mas hoje vou ficar so com um: Viva o blog que diminuiu ainda mais a "separacao" entre amigas distantes!!
( Ah, e adoro fractais. :) )

Rita disse...

Oi, Anginha, eu também adoro fractais! :-)

E viva, sim, para a distância diminuída!

Beijinho
Rita

 
©A Estrada Anil - Todos os direitos reservados. Layout por { float: left; }