It's green, not grey


A quem interessar possa: mudo de assunto já já, juro. Por enquanto, ainda London London.

***


Praça, em Canary Wharf, Londres.

Londres é uma cidade verde. Acho graça quando vejo algumas pessoas que moram aqui há séculos comentarem que gostariam de mudar para um lugar mais tranquilo, onde pudessem ter mais contato com a natureza e coisa e tal. Claro, deve haver muitos motivos por trás da vontade de mudar daqui - metrô lotado para ir ao trabalho todos os dias, país em crise (o conceito de "crise" é algo relativo, mas vá lá), clima temperamental. Mas quando vejo algum morador local reclamando que não tem contato com a natureza, sei que é um daqueles casos em que a beleza se torna invisível simplesmente por estar ali, ao alcance da mão. 

Segundo meu guia de viagem, a Grande Londres possui cerca de 1700 parques. Talvez esse número inclua também as muitas praças sempre bem cuidadas ("sempre" refere-se o que eu vi, mind you) que tornam qualquer bairro marrom ou cinzento um lugar mais acolhedor. 

É o que ocorre em Canary Wharf, aquela área supermoderna que vimos lá do observatório de Greenwich. Ontem demos um passeio por entre suas torres espelhadas e vimos um lado da cidade bem diferente dos muitos prédios Georgianos e Vitorianos tão comuns na maioria dos outros bairros. Canary Wharf é um empreendimento comercial inaugurado no início dos anos 90. Ainda em expansão, atualmente conta com diversas torres e alguns prédios menores, shopping centres e restaurantes. De tão moderna, a área tem um certo ar futurista e fico imaginando como os antigos moradores da região das famosas Docklands enxergam tanto desenvolvimento. 




A estrutura sobre nossas cabeças é o acesso do trem da Docklands Light Rail (aquele sem maquinista) à estação de Canary Wharf

Ponte parcialmente suspensa para novas obras.





                       

Mas nem aqui a velha Londres falha em sua tradição de ser uma das cidades com mais áreas verdes do mundo. O sujeito está lá, minúsculo no meio daqueles prédios enormes e, sem qualquer aviso prévio, ao dobrar a esquina, dá de cara com uma pequena praça que faz as vezes de oásis em meio a tanto espelho e concreto (vide primeira foto deste post). 


  Eu sei que já estão meio murchos, mas ainda assim...

Ulisses entrando na foto, quer dizer, na praça.


Quando penso no clima de Florianópolis, com as quatro estações bem distribuídas ao longo do ano, frio e calor para agradar a todos; quando penso no solzão que banha nossas praias e faz de nossa costa um sonho de consumo para pessoas do mundo inteiro; e quando penso em tantas outras coisas que nos conectam ao Brasil, desconfio que viver aqui me custaria muito caro (não estou falando de dinheiro, mas isso também seria verdade...). Mas, ah, eu adoraria ver tantos parques e praças bem cuidadas Brasil afora. É pedir muito? Um playground bacana, gratuito para qualquer família levar suas crianças no final de semana, com brinquedos bem projetados e estrutura decente em cada bairro. #inveja

Playground de Coram's Fields, no coração de Bloomsbury, bairro central de Londres.


Playground do Greenwich Park, favorito do Ulisses.

Não há bairro que a gente visite que não ofereça uma pracinha linda, um parque legal ou um playground seguro para as crianças. E às vezes tudo isso está junto, ali na esquina. Isso, sim, é luxo. 

Amanda, em Coram's Fields (chão fofinho para a criançada se esbaldar e a gente não se descabelar).


8 comentários:

Anônimo disse...

Oi, Querida!
Não precisa mudar de assunto,não. Estamos adorando essa viagem!
Saudades
Beijoss

Anônimo disse...

Encontrei seu blog por acaso e fiquei encantada com a narrativa e a descrição dos lugares.

Regi

*andei pensando* disse...

Ritinha, estou amando ao cubo tuas fotos! faz tempo que não apareço ;)
Piro na lindeza da Amandinha e do Arthur.
Aproveitem cada segundo aí...
Beijinho
ADA

Rita disse...

Oi, Rê!

Saudades, sumida! Putz, ainda bem, porque vou amolar vocês um pouquinho mais...

Beijos!

Regi, olá. Muito obrigada pela visita, volte sempre, viu? A estrada é sua (por enquanto, ela só tem uma parada, mas logo mudo de assunto). Abraços!

ADA, oi! Obrigada, querida! Estou sumida também, né? Sorry, logo volto ao "normal" e mato saudades de um monte de blogs que ando negligenciando. Abraços!

Rita

Angela disse...

Eu tambem continuo amando todas as visitas e posts, nao precisa se desculpar! Estive doente de novo, ai acumulou o trabalho e fiquei passando aqui rapidinho para ver as fotos e ler as novas... Outro dia estava pensando se voce ja tinha comecado a imaginar o que as criancas vao achar de voltar para casa e nao ter essas novidades todos os dias. Lembro que algumas vezes pensava isso quando estava perto do voltar com o Max depois de semanas de ferias. O que aprendi rapidinho eh que ele, e agora Julia, acham voltar para casa TAMBEM uma delicia! Se aconchegam na velha cama do velho quarto, se deliciam com a velha comida, revem os velhos brinquedos, tudo tem um gostinho do doce reencontro... Ai eu fiz o mesmo! ;) Aproveitem bastante cada segundo. Grande beijo!

Rita disse...

Oi, Anginha. Estava mesmo me perguntando por onde você andava. Vamos trocar uns e-mails já já para colocar o papo em dia, tá?

Estamos bem animados para voltar pra casa, sim! Estamos com saudades de lá, um pouco cansados de tantas andanças e também doidos para mergulhar de vez no clima da copa... iêba! :-)

Beijocas, a gente se fala!
Rita

Ana disse...

Olá Rita, concordo com vc, a cor desse país é verde sem dúvida. Que lindas as fotos de Richmond e do passeio no rio debaixo do céu azul espetacular, tomara que esse tempo bom dure :)

Rita disse...

Oi, Ana! Tomara mesmo! Quero aproveitar cada diazinho que ainda nos resta aqui. Apesar do cansaço, tanto azul nos enche de energia toda manhã.
Beijos!
Rita

 
©A Estrada Anil - Todos os direitos reservados. Layout por { float: left; }