Aulas, museus e peixes


E agora, como vou arrumar tempo para blogar com tanta coisa na vida pra fazer?

E agora, como vou ficar só pra lá e pra cá com tanta vontade de blogar?

E agora, como posso não contar a vocês tudo que estamos fazendo por aqui? Se vocês quiserem que eu mude de assunto, vocês avisam? Então tá.

Como estamos tentando nos aprontar para ir ali visitar um lugarzinho, vou ser breve, porém com substância, hehe.

Update resumido: nosso curso começou, oba! Adoramos a escola, a aula e o professor (o primeiro, há ainda outra professora que conheceremos na semana que vem). Prometo um post com detalhes sobre a escola assim que eu tiver um tempinho. Guenta aí, pessoas que pediram (oi, Dani!). A escola fica bem próxima da nossa casa, as crianças ficaram com minha sogra e meu cunhado e deu tudo certo. Vumbora estudar, meu povo.

Antes de ontem visitamos o Science Museum. O museu é excelente, com várias exposições interativas e as crianças se mantiveram bem ocupadas. Mas é tão grande tão grande tão grande que precisaremos voltar pelo menos mais uma vez se quisermos ver perto de tudo. A decidir. 


Ulisses, ensinando às crianças a necessária arte de operar um canhão.

O Science Museum conta a histórias de todas as tecnologias já inventadas no mundo. Amanda só tinha olhos para o ratinho. Claro.

Ontem a temperatura subiu de vez, chegamos a 17 graus, tivemos um dia lindo e ensolarado. Fomos para o parquinho que vocês conheceram no post passado. Nós e meia Londres. E todas as crianças do mundo. Passamos boa parte da tarde por lá e as crianças adoraram. Tudo de bom. Esquilos alimentados até agora: zero.

Hoje continua "quente" e com sol e lá fomos nós pro mundo outra vez: visitamos o London Aquarium e, olha, programa obrigatório para quem vier a Londres com crianças. Não que eu também não tenha curtido; aliás, todos nós. Delícia: milhares de peixinhos, peixes e peixões, tartarugas, caranguejos enormes, cavalos marinhos, tubarões muitos e imensos e todo tipo de criatura deslumbrante que habita as águas do mundo. É assim como ir visitar o Nemo.

Mas chega de conversa. Beijos pra vocês.

Tan-tan-tan-tan-tan....




Nemo e as anêmonas




Fico devendo fotos da minhas preferidas: as águas-vivas e a enorme tartaruga marinha. Minha câmera anda cheia de chiliques. 

2 comentários:

Angela disse...

Hhhmm adorei todos, Max tambem eh da turma dos canhoes e das navegacoes que vi ali por tras! Quanto as visitas ao mundo maritmo eu amo tanto tanto que tenho vergonha de falar que nao lembro quando nem aonde levamos Max. Eh que eu fico tao encantada sempre que vira um passeio meu tanto ou mais do que dele... Lembro tambem ter ido a pelo menos dois sozinha depois que ele nasceu (quer dizer, um com Julia na barriga). As suas fotos sairam nota 1000 e sua camera eh muito boa com chiliques e tudo!!! Espero que estejam filmando os deslumbres da criancada tambem. As expressoes de encanto nao tem preco.
Ah e na duvida sobre blogar ou curtir, procura o meio termo. Bloga um pouco menos para curtir mais, e curte um pouco menos para blogar. Ou entao bloga muito e pronto ;)
Grande beijo para todos!

Rita disse...

Oi, Anginha!

Então, eu desconfio que curti mais que as crianças. Mas elas adoraram também. A Amanda acha tudo 'muito fofinho" e o Arthur queria mesmo era ver os "shark, shark, shark", dizia ele para a moça que distribuía panfletos na entrada. Achamos um barato, e era tanto peixe que no final já estávamos exaustos. E aí vem a parte que as crianças curtem MESMO e faz valer QUALQUER passeio: pegar o metrô, hihihi. Arthur faz qualquer negócio para dar uma circulada no London tube. Então tá. No fim, o destino é o que menos importa e quanto mais longe, melhor. Já falei, infância é coisa simples.

Beijão!!
Rita

 
©A Estrada Anil - Todos os direitos reservados. Layout por { float: left; }