Domingo mofado



Ontem o Arthur enfrentou com bravura (e algum chilique) a decepção de ver um passeio adiado. De início chorou de verdade, um choro sentido que logo evoluiu para um longo e falso lamento cheio de decibéis. O choro sentido curamos com carinho e a justificativa verdadeira para a mudança de planos. O piti curamos  com a velha e boa receita que aprendi com uma tia minha ("quer chorar? fique à vontade, mas chore longe de mim porque não quero ouvir"). Funciona que é uma beleza e logo o pranto desaparece como que por encanto e a casa volta ao normal (que é com barulho também, mas com sons mais agradáveis). 

Pois bem, não passeamos ontem, mas o fizemos hoje e, tão logo tomamos café da manhã, trocamos nossa cafofo pelo cafofo de amigos (daquele barman e sua respectiva). As crianças usufruíram de um sem fim de brinquedos e joguinhos e nós comemos, bebericamos (olha, como sou gentil, rapazes) e conversamos muuuuito.  

Os embates (embates? eu disse embates? nãããão, expressei-me mal, eu quis dizer diálogos). Então, os diálogos mais acalorados giraram em torno do sensível tema "homens x mulheres": direitos iguais? tarefas iguais? liberdades iguais? educação igual para meninos e meninas? isso é natural? isso é biológico? aquilo é cultural? e um sem fim de outros desdobramentos que levaram a argumentações indignadas (presente!) e exemplos mais ou menos convincentes. Vou dar uma palhinha para vocês: em dado momento, a ala masculina argumentava sobre sua falta de jeito para arrumar os cabelos das filhas e como isso era evidência de que as mulheres têm mais jeito para a coisa, como se nascêssemos mestres em manipular presilhas e grampos. Ressaltei que é esperado que tenhamos mais destreza ao lidar com algo com o qual lidamos a vida inteira, desde meninas. Minha pequena tem dois anos de idade e já teve seu cabelo arrumado por mim ou pela babá centenas de vezes, com penduricalhos e minipresilhas que já fazem parte de seu cotidiano, ao passo que meu menino de quatro anos não passa mais que um minuto diante do espelho enquanto penteio seu cabelo e, puf, tá pronto. Quem terá mais facilidade em lidar com as presilhas no futuro, façam suas apostas. E a conversa foi looonge...

Mas nem era disso que eu queria falar aqui. O que marcou mesmo nosso domingo foi essa maravilha de site que nossos anfitriões nos apresentaram. Ai, pessoas com mais de trinta, socooorro. Que achado fantástico, que coisa mais deliciosa foi ouvir (e dançar ao som de) hinos dos anos oitenta, canções que eu provavelmente tinha ouvido há mais de vinte anos! É claro que aqui e ali a gente ressuscita algumas bandas sem as quais nem sabemos o que é música (Cure, Smiths...) e quem não saca aquele CD antigo e leva pro carro de vez em quando? Mas ouvir canções como as que ouvi hoje, que não estão nos CDs que temos em casa, que nem são de bandas favoritas e algumas até que eu nem lembrava mais que sequer tinham existido um dia, mas que embalaram nossa infância e adolescência na (ai desculpem, não resisto) melhor época musical de todos os tempos! Ah, tudo de bom. 

O cheiro de mofo subiu forte quando Patrícia Marques cantou "no livro de leitura que você me deixou...", Inimigos do Rei cantou "Adelaide" e o Dominó (é, o troço foi forte) cantou "companheiro" (tudo bem, esses não são os melhores exemplos da "melhor época musical de todos os tempos", mas acho que vocês entenderam o espírito). E quem nunca subiu no sofá para dançar "Mamama, mama mariiia, maa mamama, mama maria..." Ahhhhhh, adoooooro!! 


Bem, o site abençoado dos balzaquianos de plantão deve existir há muito tempo, mas só agora tomei conhecimento do cidadão, então só agora posso indicá-lo a vocês. De Balão Mágico a Ricky Astley, tá todo mundo lá. "Never gonna give you up, never gonna let you doooown...." Go, go, go!

3 comentários:

Claudia Serey Guerrero disse...

adorei!!!! :P cada lembrança que vem! Claudia

IsabelaRosa disse...

Realmente o domingo mofado ficou pra história...e que venha a noite do whisky!!! bj!

dannah5 disse...

Rita, to correndo hj com uma casa toda desarrumada, 2 crianças e sem ajudante mas depois eu volto aqui pra postar! Amei a dica da radio!!
Depois te conto de umas ideias, e ahhhhhhhhhh, EU ODEIO SEX AND THE CITY, eu fui politica la pra nao enfiar o pe na jaca, mas detesto elas com todas as minhas forças!heheeh
Bom saber q nao sou a unica, nao guento ver revista epoca e veja falando daquelas chatas!hehe

beijocas xo ir que a Hannah acordou!

 
©A Estrada Anil - Todos os direitos reservados. Layout por { float: left; }