"Deixa eu te contar a novidade..."


Verônica e minha mãe

Minha mãe não tem internet em casa, desistiu desses temperamentais, os computadores. Deu o seu de presente para algum sobrinho e contenta-se com a televisão, o rádio e o telefone. É mais bem informada do que eu, que tenho blog, twitter, facebook e e-mail. É sempre a primeira a saber dos fatos mais noticiados do dia, está sempre por dentro dos resultados das últimas eleições, sejam as do Paraguai ou do Longequistão, e não raro me liga lá da Paraíba para me contar as últimas novidades daqui de Santa Catarina: 

- Nossa, filha, que vendaval, hein? Tá tudo bem por aí?
- Que vendaval, mãe?
- Ué, o que destelhou todas aquelas casas em Joinville e arrasou a zona rural de Jaraguá. 
- Ah, teve isso, foi? Quando?

Ou:

- Vocês vão ter segundo turno aí, né?
- É?!

Tudo bem que ela não tem dois filhos pequenos, mas ainda assim a diferença no grau de antenamento é absurdo. 

Mas vou contar um segredo: não é só a TV que conecta minha mãe com o resto do mundo. Este blog, por exemplo. Não pensem que ela não acompanha com assiduidade os posts publicados aqui. Ou vocês acharam que o simples fato de ela não ter internet em casa a impediria de ler meus relatos de blogueira? Lê, sim. É que mais do que laptop e modem, minha mãe tem amigas. Uma delas é a Verônica. 

Verônica é aquela parente que, a rigor, não é da família, sabe? Mas mantém conosco relação tão estreita que às vezes precisamos varrer a memória para lembrar que ela não, não é prima assim de verdade. Ou seja, é mais que uma prima: é a amiga que queríamos que fosse prima. Ainda bem que isso é fácil de resolver: decidimos que ela é família e pronto. 

Pois então, essa minha prima, a Verônica, acessa o Estrada Anil em casa, imprime os posts e leva para a minha mãe que, cheia de corujices, lê e coleciona. Eu posso com isso? Pode ser mais docinha? Quer dizer, docinhas, as duas. Essas duas, por sinal, são amigas desde que Noé construiu a arca e lembro da Verônica lá em casa na minha infância, cheia de conversas com minha mãe. São mais do que uma dupla, na verdade, são uma equipe. A boa amizade, contagiante, naturalmente, alongou-se, criou tentáculos e agora Verônica é amiga até do Arthur, meu filho de 4 anos. Eu olho pra isso e fico torcendo que as amizades que cultivo por aí afora sejam assim também, a la Verônica: longas, firmes, ternas e com desdobramentos. Porque no final das contas a vida às vezes nos tira a saúde, a beleza, as posses, os badulaques que colecionamos. Mas se a gente permanecer bem esperto, vai saber o que almejar, ali entre as prioridades: que os amigos permaneçam em nossas vidas e venham nos visitar de vez em quando para tomar café com pão, porque viver, de qualquer ângulo que se olhe, é compartilhar. 

Verônica, eu sei que você vai imprimir este post e levar lá para aquela sua amiga, minha mãe, então faz um favor? Pede a ela para transmitir meu abraço a você, um que seja bem firme porque não é só um abraço de feliz aniversário: é um abraço de alegria, do tipo de alegria que você dá cada vez que toca a campanhia e enche a casa com sua voz, anunciando sua presença calorosa. Depois pode sentar, tomar um café e contar as novidades do dia.

Beijo grande, querida!

8 comentários:

dannah5 disse...

Rita, vc nao entende, essa eh a internet mais poderosa que existe, a dos amigos que partilham tudo!hehe Minha vó tbm era assim, sabia tudo que acontecia mesmo sem o computador e daqui minha irma imprimia tudo pra ela, fotos das bis netas, mensagens, receitas,etc..

Menina, desculpe nao vir antes mas parabens pela viagem!! To com uma inveja boa de vc!! hehe
Olha esqueci de comentar no meio da bagunça mas eu vi Julie e Julia ha um tempinho ja e ate postei la no blog, eu fiquei apaixonada pela Julie Child a outra julia so foi interessante pelo lance do blog pq eu achei ela chatinha hehe Mas to doida pra ver o filme novo da Maryl no cinema, acho que vou convencer o marido a me levar!

Beijocas, deixa eu ir que as duas tao aqui junto e reclamando!

Sérgio da Silva disse...

Rita, bonita,

Linda é a sua maneira de palavrear... adorei, também, as felicícimas colocações no seu perfil.

Paz!

Iara disse...

Rita,

Você escreve de um jeito tão gostoso, tão quentinho. Acho que seu blog tem gosto de bolinho de fubá com café fresco. Especialmente quando fala de amizade.

E, ó, não posso concordar mais com você, porque amigos de verdade são o maior tesouro da vida. Os meus eu não troco, não vendo, nem empresto. Só compartilho!

Bjo, ;-)

Amanda disse...

Rita, adorei o texto! Foi uma homenagem linda, tenho certeza de que dessa vez a Verônica vai imprimir duas copias... Beijos!

Marcia disse...

Querida Rita,
Você não perguntou mas eu vou dizer:
é por isso que eu te amo.
Por causa desse seu jeito de valorizar as pessoas queridas da sua vida.
Você vai estar para sempre no meu coração e nas minha orações.
(Sabe aquele pensamento, meio assim sem pensar, na hora de dormir, mais ou menos assim: Deus, por favor proteja minha amiga Rita, seus filhos fofos e seu marido encantador)

Com muito carinho,
Marcia

larissa disse...

Rita, somos testemunhas dessa linda amizade entre nossas mães, um laço que ultrapassa o tempo e se propaga pelas gerações porque eu cultivo um carinho enorme pela sua mãe e por vocês. Elas precisam uma da outra, uma pra se conectar com o mundo e a outra pra se desligar dele.
Ah, mainha ficou muito emocionada com esse post, linda homenagem.
beijos!

Rita disse...

Oi, Dannah! Pois é, minha mãe bate qualquer banda larga. Advinha como fiquei sabendo do terremoto do Chile, ontem?

Sérgio, muito obrigada pela visita, venha sempre, a Estrada é sua! Obrigada pelo carinho, mesmo.

Iara, ontem quando li seu comentário, fui correndo pra cozinha passar um café fresquinho, hehe. Deu vontade. Obrigada, querida, pelo carinho. Seu comentário é que foi aconchegante.

Oi, Amanda! (Adoro seu nome, viu? Hehehe você é xará da minha filhota). Olha, passei pelo seu blog e gostei bem, vou voltar por lá com certeza, muito, várias vezes... tá no meu reader.
Bjs e obrigada pela visita.

Marcia, docinha, você não tem jeito, né? Muito obrigada pelo carinho, viu, de verdade, mesmo, mesmo. Daqui também torço que sua família tenha um caminho cheinho de luz. Bem, você está nele, então tá tudo certo. Bjs!

Rita disse...

Larissa, querida! Pois então, não é uma delícia? Acho lindo demais e sou profundamente grata pela atenção e carinho que sua mãe tem pela minha. Nos dias em que a distância pesa mais, penso nas pessoas que estão por perto de mamãe e sempre me emociono com tanto cuidado e carinho. E sua mãe tá ali, sempre, como um anjo. Muito obrigada, sempre, sempre, sempre. Um beijo grande nela e outro em você!

Rita

 
©A Estrada Anil - Todos os direitos reservados. Layout por { float: left; }