Just Jack



Eu adoro Jack Johnson. E daí, né? Como não gostar? É mais ou menos como chocolate. Sabedor disso, meu respectivo me presenteou, na noite de Natal, com o DVD Jack Johnson en concert. Hoje pela manhã, finalmente, parei para assistir com a devida atenção e, ai, que delícia.

Jack Johnson en Concert traz alguns momentos de sua turnê pela Europa, no verão de 2008, e mostra trechos de shows em Paris, Berlim, interior da Alemanha, da Holanda e da Inglaterra e, finalmente, Londres. Mas os shows poderiam ter sido feitos no quintal da casa dele, estaria tudo certo. Porque o bom de Jack é mesmo sua música. E sua simplicidade. É claro que é legal ver aqueles lugares todos lotados de gente babando - eu fico feliz por ele, talentosíssimo, sendo acolhido com tanto carinho por seus fãs mundo afora. Deve mesmo ser um deleite. Mas o que mais gosto é de vê-lo sem qualquer afetação, sem performances ensaiadas para causar efeito, sem figurinos produzidos: o show do Jack tem Jack, de camiseta e calça jeans, e sua música. E não precisa mais. 

Tem música velha, música nova (nova para mim, que ainda não tenho o último CD, aff), algumas participações especiais, shows cancelados por causa do mau tempo no interior da Inglaterra (não fiquei com inveja de quem tinha ingresso para esse show em particular), Jack surfando, Jack tocando, Jack cantando e eu dançando no tapete da sala (essa parte só passa aqui em casa). Tudo simples, em preto e branco, bem feito, bem executado, bem cantado.

E Paris é linda, eu sempre fico com vontade de visitar Berlim quando vejo cenas por lá, eu gosto de to-das as músicas, mas o melhor, para mim, foi mesmo o ponto alto da turnê: o Hyde Park lotadinho, a tarde caindo sobre Londres e aquela gente toda ali, cantando We're Better Together. E nem importava se estava ou não nublado na capital inglesa, porque quando a noite veio, todo mundo viu que o palco já estava estrelado. Simples e bonito. Vou assistir até ficar velhinha, vocês vão ver.



Eu vivo dizendo que morro de saudades das minhas velhas bandas dos anos 80 e 90, que bom mesmo é ouvir Robert Smith e Morrissey. Mas o Jack Johnson preenche um pouco as lacunas para quem ficou mal acostumado duas ou três décadas atrás. É uma beleza para curtir hoje e sentir saudades depois. Não percam.

Thanks, Odisseus. Love.





4 comentários:

Nakereba disse...

CLAP, CLAP, CLAP!! Tem uma que eu não consigo ouvir sem cantar, onder quer que esteja, solto a voz: If I had eyes.... Adoro!!Sobre a música dos anos 80 e 90, concordo, mas tem muita coisa boa atualmente. Infelizmente, muito do que é bom não toca nas rádios e nem faz muito sucesso por aqui: Martin Sexton, Pink Martini, David Gray (tudo de bom!!) e outros tantos. Viva o Youtube!!

Rita disse...

Oi, Nakereba! É verdade, certamente há muito de bom por aí, eu é que ando pra lá de desatualizada. O Jack, por exemplo, só entrou aqui em casa por causa de um desenho que o Arthur adorava, como já contei no outro post.
Anotei as dicas, thanks!! Ei, precisamos nos ver para botar os papos em dia. We're better together!

Bjs
Rita

Nakereba disse...

Pode deixar. Estou reformando minha Escotilha (The Pearl, não a The Swan) para a temporada final. Assim que passar o cheiro de tinta, conversaremos.

Rita disse...

Deal.

 
©A Estrada Anil - Todos os direitos reservados. Layout por { float: left; }