Mente sã, papos imaginários



Alguém quer mais café?

No post de ontem a Somnia fez um comentário sobre encontros reais nascidos a partir de contatos virtuais. Ela falava da ideia deliciosa de blogueiras e leitoras, que vivem batendo papo via posts and comments, reunirem-se no mundo real para papear mesmo, tagarelando, digamos assim, à moda antiga. E eu respondi por lá que essa é uma idea que de vez em quando passa mesmo pela minha cabeça e, de fato, às vezes fico imaginando o que conversaria com fulano ou fulana se tivesse a chance de tomar um café com essa pessoa qualquer dia desses. Ultimamente, os objetos de minha imaginação têm sido mesmo blogueiros e leitores cujos textos saborosos ando devorando todos os dias, sempre que dá. Mas é verdade que a ideia de bater papo com quem não conheço já me ocorreu outras vezes, em idos anos.

Houve uma fase lá pelos vinte e poucos (olha, nem faz tanto tempo assim, que coisa) em que meu sonho de consumo era sentar e conversar com o Herbert Viana. Só conversar, sem tietagens ou devaneios em outros níveis, se é que vocês me entendem. Não sei de onde vinha isso, porque eu sempre gostei muito dele, mas havia muito mais gente com quem eu aceitaria de bom grado conversar por horas a fio. Mas era o Herbert que eu sempre via naquela imagem de um barzinho escuro e fumacento, com barulho em volta - ao qual seríamos absolutamente indiferentes - engajado comigo num papo dos bons, ele falando sobre música e suas inspirações, seus filmes preferidos, suas preferências políticas, e eu falando sobre viagens e sei lá mais o quê.

Bobo isso, né? Não costuma faltar gente interessante com quem conversar em meus círculos de amizade, então não deve ser carência. Também não sou muito dada a tietagens (tudo bem, eu tinha posters do Menudo no quarto, mas eu tinha o quê, 12 anos?) e nem dou bola para a vida dos famosos, argh. Mas tá aí, essa ideia, vira e mexe, vem aqui na minha cachola. E aí por causa do comentário da Somnia, hoje fiquei me perguntando se eu ainda gostaria de conversar com o Herbert Vianna. Bem, se ele chegar aqui em casa, será muito bem recebido. Mas agora que me fiz a pergunta, acho que gostaria de conversar com mais um monte de gente. Vejamos: não seria de todo ruim trocar uma ideia com o Morrissey. Sei lá, perguntar como é atravessar três décadas criando tanta coisa boa... se bem que ele não é lá maior simpatia, né? Talvez fosse melhor então fazer a mesma pergunta ao Bono... acho que ele, sim, entrega-se a uma boa roda de conversa sem delongas. Com a Isabel Allende eu simplesmente me encostaria na cadeira para ouvir suas histórias cheias de espíritos e amores absurdos. E aí, entre um "ooh" e outro, o Marquez bem que podia sacar uma de seus casos fantásticos também e eu continuaria toda ouvidos. E já pensou dividir uma pizza com o Zeca Baleiro, aquela simpatia!! E com o Miguel Nicolelis, então: cada entrevista que vejo com ele me encanta mais e mais. E já que estou viajando bem profundamente na maionese, não seria interessante bater um papo cara a cara com a Maria Madalena em pessoa? Já pensou? Quantas perguntas!

Well, em uma boa roda de conversa, todo mundo consegue falar um pouquinho, então eu não convidaria o Jô. Nem o Caetano. Esses não. E vocês, convidariam quem? (Ah, Lola, não vem humilhar dizendo que já conversou com o Chico, porque é covardia! Bom, mas é também um bom exemplo de como encontros com blogueiros renderiam papos ótimos.) ;-)

4 comentários:

Vivien Morgato : disse...

Em relação ao texto da Lola..sobre o Chico, eu, controlada, fina e absoluta digo:
-aaaaaaaaaaaahhhhhhhhh...maravilhooooossssoooo!!!!

Cumprida a minha missão de fã fiel, voltemos aos trabalhos.;0)

***

Posso dizer francamente que alguns dos meus amigos e amigas mais queridos, da vida adulta, foram plantados e colhidos na blogosfera.
Aqui encontrei mais afinidades intelectuais e emocionais do que na maioria dos lugares que trabalhei e nos lugares que estudei.
Quanto aos famosos que gostaria de papear:

Chico sim, claro..ai,ai.
Caetano não, pelamor.
Lula sim, com certeza.
Serra não, não e não.
Zeeeeca Baleiro sim,
Adriana Calcanhoto não.
Caco Barcelos sim,
William Bonner não.

E continuo votando com vc: Isabel allende e Garcia Marques? Viver para contar.;0)

beijos.

lola aronovich disse...

Sabe que assim que vc começou a contar o seu papo imaginário com o Herbert Viana, eu pensei no Chico? Foi automático. Claro que minha mente não exige muito esforço pra pensar no Chico...
Mas ué, Ritinha, bebeu? Tá misturando alguma coisa além de leite no seu café? Por que o que vc escreveu seria uma provocação, mulher de deus? Ih, vc vai ter que se esforçar muuuuuuito pra me ofender a ponto de eu falar "Tira isso daí do seu post. JÁ!".
Ah, eu queria conversar muito mais longamente com o Chico. Aquele dia foram só alguns minutos. E olha, ano que vem faz 20 anos que ganhei o autógrafo de "Lola, eu te amo. Chico Buarque de Hollanda". Tenho que renovar! Também gostaria de papear com o Paul McCartney. Com o Lula, claro. Ih, muita gente. Meryl Streep e Jodie Foster também, duas grandes atrizes muito inteligentes. E por aí vai.
Agora vc e a Vivien podem fazer o favor de tirar esse olho gordo de cima do meu Chico, que ele já tem dono. Grata.

Lia disse...

Oi, Rita! Obrigada pela dica das fraldas. Na verdade, eu já conhecia as GDiapers - que, aliás, acho o máximo, a melhor opção disparado. O problema é que onde eu ia encontrar os refis por aqui pra repor a parte descartável? Só daria certo se eu tivesse alguém pra trazer isso regularmente pra mim do exterior. Pedir pelo correio também é complicado; o frete é caro e a receita cobra 60% de imposto. Enfim, vamos ver como eu me viro com as BumGenious.
Beijão!

Angela disse...

Acho que com um fotografo da minha terra natal, o "Chapeu". Ele faleceu ha uns 15 anos atras, e quando estavam preparando ele para a autopsia, ele conseguiu derramar uma lagrima. Voltou, e deve estar la, usando o mesmo chapeu e tirando fotos a torto e a direita.

 
©A Estrada Anil - Todos os direitos reservados. Layout por { float: left; }