All that jazz




Queria contar para vocês o porquê de eu ter curtido tanto a sessão de cinema desta tarde, quando fomos ver A Princesa e o Sapo.

Em primeiro lugar, porque ter chegado lá foi uma façanha.

Ida ao cinema em fast forward:

Soneca interrrompida às 16:15 (sessão iniciaria às 16:40). Acorda Amanda, troca Amanda, troca Arthur, penteia Amanda, põe lanche para Amanda, corre pro shopping, estaciona. Entro na fila do guichê. Ulisses entra na fila da venda eletrônica. Chega minha vez, Ulisses abandona a fila dele. Quatro ingressos, crédito por favor, só aceitamos débito, não temos cartão de débito. Retomamos a fila da venda eletrônica. Somente débito, não temos cartão de débito. Ah, que coisa, se tivéssemos dinheiro. Mas eu tenho dinheiro. Por que não falou antes, stress, stress, não vai dar tempo. Voltei à fila do guichê, olha moça, tenho dinheiro, obrigada. Corre, corre, corre. Deu tempo. Viva os milhares de traillers.

Aí começou o filme e já torci a cara. Na primeira cena, uma garota branca mimada e uma garota negra simpática ouvem uma história contada pela mãe negra que é estilista e costura para a família da garota branca. Já fiz toda uma leitura carregada de traumas, com raiva daquele desenho que perpetuava a supremacia branca e bla bla bla. Mas não demorou muito e percebi que a protagonista era a garota negra, enquanto à garota branca restou o "papel" de coadjuvante, mimada e pateticamente ridícula. Boazinha, vá lá, mas ridícula. Aí respirei aliviada, porque até que enfim me vi diante de um desenho animado com protagonistas negros - Ulisses disse que há outros, mas não lembramos quais. Alguém aí lembra? Bom, ainda assim, vamos combinar, é raridade. 

Segue o filme e logo descobrimos que a história se passa todinha em Nova Orleans, cidade que não conheço, mas que sempre me deixa com água na boca quando a vejo nos filmes. E foi uma delícia ouvir aquela música boa, rir com personagens bem divertidos e ver uma história que, ainda que de raspão, confronta alguns clichês. Então a mulher dá as cartas, o homem é um bobão que depois aprende com ela e, por amor, revê seus conceitos, entendem? Ele é quem tem de se esforçar muito para ficar à altura dela. Tudo bem que rola uma certa abdicação de sonhos em nome do amor por parte dela também (nada contra, cada um com seu cada qual), mas, ainda assim, o filme não retrata a "princesa" apenas como uma sonhadora romântica, alguém que espera um príncipe com quem se casar, mas como alguém de personalidade e força de vontade que desdenha dos galanteios e vai em busca de seu sonho. E acho muito bom a meninada ter uns modelinhos nessa linha também, além das Barbies que sonham com um banho de espuma, um Ken e uma penteadeira rosa. 

Enquanto isso na plateia, Amanda, em sua primeira ida à sala escura, passou metade do tempo no colo do pai. Mas all that jazz mexeu com ela e na segunda metade do filme, totalmente ambientada, dançou a cada trompetada do crocodilo muuuuito legal chamado, claro, Louis. Arthur perambulou entre o encantamento, a indiferença e o medo (das cenas "assustadoras"). Só Amanda gargalhava. Às vezes só ela gargalhava na sala inteira, sabe? Animada, a menina.



Depois nos empaturramos de coxinha, pão de queijo, brigadeiro, torta de cappuccino, suco de manga (crianças) e coca-cola (eu). Adorei nosso programinha estreia-férias do Arthur. E ficamos um tempo ali na lanchonete, administrando a mão de brigadeiro da Amanda e os pulos do Arthur. Eu ainda tinha os olhos úmidos por causa da cena do vagalume (sooo cute), mas estava bem satisfeita.

Fiquei com a nítida sensação de que fizemos um negócio bem melhor do que horas no trânsito voltando da praia.

* * *

Gente, o concurso de blogueiras do blog da Lola continua. Não deixem de votar, o Estrada Anil está lá!

5 comentários:

IsabelaRosa disse...

Amei o texto! Infelizmente, não consegui me livrar da soneca do domingo a tarde...dormimos todos as tres horas e só acordamos as cinco...perdemos o filme, mas não perdi o texto! grande bj, ótimo programa!

Angela disse...

Hhhmm nao teria nunca nem pensado em ir e levar o Max, agora vou! Julia vai ter que ver em DVD depois...
Pete foi a New Orleans ha um mes ou dois atras e falou que se eu for la mato ele (por nao morarmos la), pois eh tudo de bom.

Anônimo disse...

Huum, estou aqui fazendo as contas da estréia de Raquel a "sala escura". É que desde o ano passado penso em levá-la, circo (já foi) teatro (já foi, p o palco) e cinema, porem minha irma sempre fala, "espera pelo menos os 2 anos, pois muito provavelmente será o tempo de acabar a pipoca", daí Raquel completou 2 anos dia 08/12, e já fui logo falando, "esse ano será de muito teatro, cinema,..." Então, comparando com a idade de Amandinha vou levá-la em fevereiro!? E se eu tentar antes, será que Raquel fica!? haja pipoca. Tomara que Raquel se comporte tão bem quanto a Amanda!! Parabéns Amanda, pela estréia no cinema, pelo comportamento, pela dança! beijos,
Ju

dannah5 disse...

Eu estou combinando de levar a Amanda ( descobri q vc tem uma Amanda tbm! o.O) ao cinema nesse fim de semana com uma amiguinha da mesma idade, eu e a mae somos amigas e elas se dao super bem, a minha eh cinefila, o q eu acho o maximo, o primeiro dela foi wall-e com 2 anos e ela amouuuuuuuu, ficou quietinha as 2 horas, se emocionou junto, ela comendo pipoca e eu aos prantos vendo ela pensando, "como elas crescem rápido, meu bebe ja ve filmes e gosta".

Acho que vou gostar desse desenho!hehe

beijocas

Rita disse...

Oi, povo!

Podem ir sem medo, acho que vocês vão gostar. Se não gostarem de tudo, pelo menos a música vai agradar. E se nem a música a agradar, digam-me depois se não choraram com o vagalume!!!!!

bjs!
Rita

 
©A Estrada Anil - Todos os direitos reservados. Layout por { float: left; }