Natal II - dos símbolos

 

 
Não adianta. Eu sei que aqui a neve não vem e que o Noel morre de calor dentro de toda aquela vestimenta; que os pinheiros não nascem no nosso quintal e que bolas vermelhas têm um pezinho na breguice. Mas o encanto causado pelas luzinhas na árvore me faz empurrar o senso crítico para baixo do tapete. As crianças adoram (tudo bem, nós os contaminamos), nós adoramos, todo mundo se diverte. A casa fica com cara de festa e a gente imediatamente associa o pinheiro às viagens de final de ano, aos bons reencontros que se aproximam. Pegamos o simbolismo todo que o norte do mundo nos mandou e, na falta dos nossos próprios rituais, seguimos montando pinheiros e arrumando botas na janela. Às vezes somos assim, facinhos, não queremos resistir muito. E até guirlanda na porta a gente pendura. Fazer o quê, né? ;-)
 

 

6 comentários:

Márcia disse...

Que lindo!
Me lembro desta época no ano passado, eu estava com vocês...
Meu Deus, como o tempo voa. Que saudades de você e daquelas carinhas doces do seus lindos filhotes, até do Roque ;)
Beijos.

Rita disse...

Querida Marcinha,

o lindo cartão fofo que você nos deixou no ano passado está novamente enfeitando nossa árvore. Você está aqui, sim.

Bjs
Rita

Patricia Scarpin disse...

Rita,
Montei ontem a minha árvore e pendurei o Papai Noel na porta. Podem falar que é brega e que trata-se de uma cultura "importada", mas eu curto mesmo assim. ;)

Beijos!

Anônimo disse...

Como minha cidade fica no sertão da Paraíba, com certeza lá não tem pinheiro algum. Na minha casa, assim como na cidade, não tinha o costume de "montar" árvores de natal, mas já estava maiorzinha quando lembro que minha mãe ornamentou sim uma árvore, foi um cáquito que nós tínhamos, ela aproveitou os próprios espinhos para pendurar os enfeites. Adorei! Depois não lembro o que aconteceu com o cáquito, que ela ornamentou outra planta do terraço, chamada "comigo-ninguem-pode", (essa ela tem até hoje) e a cada ano que passa fica maior, e o engraçado é que meus sobrinhos, que não moram lá, e iam no final do ano já iam na estrada perguntando a minha irmã, "que altura será que está a árvore de vovó Baiô esse ano!?" ou então "Giselda (babá) você sabia que a árvore de natal de vovó Baiô é de verdade!?".
Agora casada tive na nossa casa dois natais, o primeiro minha filhinha tinha acabado de nascer, daí foi minha sogra que organizou isso, foi pinheiro montado, ano passado comprei uma planta (no nosso ap nao tinha nenhum) e ornamentei, esse ano a plantinha está um pouco feinha (acho que não sei cuidar) e ainda não sei como vou fazer (atrasada!), meu marido já falou que vai comprar pinheiro para montar, pois não temos mais tempo e tal... ainda não sei...
beijos,
Ju

Anônimo disse...

CACTOS!!! Mil desculpas Rita e seus caros leitores pelo grave erro de português! Ju

Rita disse...

Esquenta, não, Ju! Todos derrapamos de vez em quando!!Beijos!!

 
©A Estrada Anil - Todos os direitos reservados. Layout por { float: left; }