Era uma casa muito engraçada


(Arthur, 4 anos; Amanda, 2 anos)

Ele anda todo orgulhoso por ter aprendido recentemente umas palavrinhas proparoxítonas bem difíceis. Então quer usá-las, do jeito que for...

- Olha, mãe, um inseto bípede. Que estranho! Todo inseto é quadrúpede.
- Na verdade, filho, os insetos têm seis pernas.
- Ah, é mesmo. São sêispedes.

***

Pela sala, Power Arthur Ranger brada suas terríveis ameaças contra o poderoso inimigo invisível:

- Aahhhhhhhh, eu tenho esta espada mágica!! Aaahhhhhhhh, você nunca vai conseguir me defender!!

***

- Mãe, sabe como se chama o cientista que estuda os dinossauros?
- Não, filho, como é?
- Paleontógalo.
- :-) ... Ah, é...

***

Do quintal, a pequena me viu praticando yoga na sala:

- Olha, tia, a mamãe bincando de Ben 10!

***

No balanço, olhar voltado para o alto, com aquele semblante bom de infância, ela canta minha versão favorita para o clássico A Casa:

"Era uma tasa muito ingaçada.
Num tinha teto, num tinha naaaaadaaaa.
Ninguém podia fazer xixi, sshhiiiiiii
puque o pinico num tinha chããããão.
Mas era feita com muito melo,
Rua do bobo, numéro zeeeelo..."


Eu adoooro o "pinico sem chão"...  ;-)

4 comentários:

Marcia disse...

Querida Rita,

Nem preciso dizer que seus filhos são fofos porque você já sabe disso, mas a Amanda cantando era algo que eu queria ter o prazer de ver e ouvir.
Saudades.

Beijo,

Márcia disse...

Eu comentei antes de ler seu e-mail, viu?
;-)

Rita disse...

Jura? Que coincidência, então. Sempre que ponho algum diálogo das crianças por aqui lembro de você. Bjs!

Angela disse...

Menina nao tou lembrada de nenhuma agora, mas a frasesinha de Power Arthur Ranger eh tipica das coisas que Max vive falando por aqui! A palavra quase dentro do contexto... mas fora.

Essa criancada eh mesmo um comic relief nas nossas vidas heim?

 
©A Estrada Anil - Todos os direitos reservados. Layout por { float: left; }